Sábado, 21 de setembro de 2019 Edição nº 14747 02/06/2017  










Anterior | Índice | Próxima

Para economistas, resultado requer cautela

Da Agência Estado - São Paulo

Apesar das comemorações do presidente da República, Michel Temer, e do ministro da Fazenda Henrique Meirelles, de que a alta do PIB após oito trimestres seguidos no vermelho crava o fim da recessão - a mais longa da história do País -, economistas ponderam que o resultado deve ser analisado com cautela. Segundo eles, o ritmo da recuperação ainda é incerto, sobretudo com a crise política desencadeada com as recentes delações da JBS.

Para a economista Monica de Bolle, pesquisadora do Instituto Peterson de Economia Internacional, ainda é cedo para comemorar. \"Ao contrário do que o Meirelles falou, não há nada histórico no dia de hoje, pois o resultado positivo do PIB se deve inteiramente ao setor agropecuário, com a safra recorde de milho\", afirma. \"O restante ainda está todo no vermelho, tanto do lado da produção como do lado da demanda - com exceção das exportações, que em parte também refletem a safra recorde\", observa.

O Brasil entrou na chamada recessão técnica no segundo trimestre de 2015, quando acumulou dois trimestres consecutivos de queda do PIB. Economistas explicam, porém, que o acúmulo de dois trimestres de contração não é o único indício usado para identificar uma recessão econômica - e tampouco o seu fim. \"É preciso olhar os indicadores como um todo, para ver se a economia está saudável e reagindo\", afirma a economista Alessandra Ribeiro, sócia da Tendências Consultoria Integrada.

Ela explica que a saída da recessão depende de uma recuperação consistente da atividade econômica, que não esteja calcada em apenas um setor, como agronegócio. \"Temos de fato uma diminuição do ritmo de queda, uma melhora relativa em curso, mas o PIB do próximo trimestre ainda deve ser negativo\", avalia. \"Considerando a queda de inflação e de juros, essa recuperação deve ficar mais evidente apenas no segundo semestre\", disse.

O economista Roberto Troster aponta também que a avaliação depende da base de comparação. \"Se você medir o trimestre com trimestre anterior, o PIB é positivo. Porém, se medir com o mesmo período do ano passado, ainda está negativo\", observa. Na comparação do primeiro trimestre deste ano com os primeiros três meses de 2016, houve queda de 0,4%.

NO PLANALTO - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, comemorou o fim da recessão, mas não descarta a possibilidade de que a economia volte a mostrar alguma fraqueza no segundo trimestre. Meirelles reafirmou a previsão de que a economia brasileira crescerá 0,5% no ano de 2017 e terminará o quarto trimestre com ritmo de expansão de 2,7% na comparação ante igual período de 2016.

\"Sim, a recessão acabou. Não há duvida\", disse. O ministro da Fazenda notou, porém, que quando um país \"retoma o crescimento não é uma linha reta\". Meirelles explicou que em momentos de volta ao crescimento ou início de recessão é comum que trimestres seguidos mostrem comportamento não linear. Ou seja, há comportamento com uma tendência em um trimestre e outro movimento no período seguinte. \"Ele (o PIB) sobe muito, depois dá uma ajustada, uma acomodada para depois voltar a subir\".

Meirelles reafirmou, porém, que a expectativa é de crescimento para o conjunto do ano. \"O que nós esperamos é que, durante o decorrer do ano, continue a crescer e chegaremos ao final do ano com ritmo de crescimento sólido de cerca de 3% ao ano\", disse. O ministro reafirmou a previsão de crescimento de 0,5% no ano e expansão 2,7% no último trimestre do ano na comparação ante igual período de 2016.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




15:30
15:29 Nietzsche ganha verniz pop em nova biografia, que o apresenta como misógino
15:29 Emicida retoma parceria com o duo Ibeyi na nova música Libre
15:28 Loucos de Amor volta aos palcos neste final de semana
15:28 Chico Cesar sai em busca de todas as forças


15:15 Entre vaias e aplausos a Bolsonaro, parlamentares são premiados e dançam funk
15:15 Ensino a distância triplica e presencial tem menos calouros em sete anos
15:14 Eduardo Bolsonaro destaca busto de barão do Rio Branco em comissão da Câmara
15:11 Gabinete do ódio tensiona Planalto
15:09 Marcha global pelo clima mobiliza ativistas em diversas cidades brasileiras
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018