Sábado, 17 de agosto de 2019 Edição nº 14739 23/05/2017  










DÍVIDA FISCALAnterior | Índice | Próxima

Presidente da Ager é denunciado pelo MP

Denúncia é sobre sonegação fiscal em São Paulo que ultrapassaria os R$ 45 milhões

GCOM
Eduardo Moura: “esse processo diz respeito a minha vida pessoal e não tem nada a ver com qualquer ato meu na vida pública”
PABLO RODRIGO
Da Reportagem

O presidente da Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Estado de Mato Grosso (Ager/MT), Eduardo Moura (PSD), foi denunciado pelo Ministério Público Federal de São Paulo (MPF/SP) por crime de sonegação fiscal que ultrapassaria os R$ 45 milhões. A ação foi acatada pela justiça federal por conta da Iramaia Agropecuária, da qual Moura é sócio administrador, e que desde 2005 estaria realizando movimentações financeiras irregulares.

De acordo com o MPF paulista, o presidente da Ager seria um dos responsáveis pela fraude contábil que envolve a sonegação de Imposto de Renda (IRPJ), Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL), Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e do Programa de Integração Social (PIS), além de multas.

Grande parte dos impostos suprimidos teve origem em uma operação simulada entre a Iramaia e a Kameron Investiments, firma registrada nas Bahamas que também é controlada por Moura. Um contrato de empréstimo entre as duas companhias foi forjado em 2001 para camuflar a negociação de um grande volume de ações que pertenciam ao empresário. A transação viabilizou a sonegação dos tributos que incidiriam sobre a venda dos papéis na Bolsa de Valores de São Paulo, realizada em 2005 pela empresa paulista. A contabilidade da Iramaia naquele ano apresenta informações irregulares sobre as operações e não traz registros de lucros, juros ou dividendos obtidos.

Ao final do processo, Eduardo Alves de Moura poderá ser condenado ao cumprimento de prisão por prazo de dois a cinco anos. A pena é prevista pelo artigo 1º, inciso I, da Lei nº 8.137/90, que tipifica o crime contra a ordem tributária por omissão de informações ou declaração falsa de dados às autoridades.

Outro Lado – Eduardo Moura disse que a acusação diz respeito a sua vida privada e que não tem nada a ver com sua vida pública. O presidente da Ager também afirma que não cometeu nenhum ato ilícito e que irá provar na justiça a sua inocência.

“Esse processo diz respeito a minha vida pessoal e não tem nada a ver com qualquer ato meu na vida pública. Tenho a consciência tranquila de que não soneguei impostos e nem informações”, disse Moura.

Perguntado se essa ação poderia prejudica-lo a frente da Ager, Eduardo Moura disse que isso dependerá do governador Pedro Taques (PSDB).

“Eu estou aqui a convite do governador Pedro Taques. Se ele entender que essa ação pode atrapalhar minha atuação aqui ou deixar o governo constrangido, isso será uma decisão dele. Eu estou tranquilo quanto a isto”, finaliza. (Com Assessoria)



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:03 Juiz prevê "prisão em massa" de membros do MPE
17:02 Os eternos donos do poder
17:02 Digital influencer
17:02 O STF e o combate ao crime organizado
17:01


17:01 Sinais de alerta na economia
17:00 Exposição em Paris transforma inteligência verde da floresta em arte
16:59 Gustavo Mioto planeja novo DVD no local de seu 1º show no Nordeste
16:59 Dupla sertaneja Diego e Victor Hugo tenta se firmar com músicas românticas
16:58 Número de discos vendidos por João Gilberto é nebuloso e trava processo milionário
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018