Sexta feira, 24 de novembro de 2017 Edição nº 14738 20/05/2017  










BRASIL EM CRISEAnterior | Índice | Próxima

JBS distribuiu propina a 1.829 políticos

Joesley Batista diz que 100% do seu negócio 'era com o presidente Michel'

AGENCIA BRASIL
Divulgação do conteúdo dos vídeos dos delatores complicam a vida do presidente Michel Temer
FÁBIO FABRINI, FABIO SERAPIÃO E BEATRIZ BULLA
Da Agência Estado – Brasília

O diretor da JBS Ricardo Saud contou em sua delação premiada que a empresa distribuiu propinas por atacado no meio político brasileiro, detalhando os nomes de centenas beneficiários. Em depoimento prestado à Procuradoria-Geral da República (PGR), ele revelou que 1.829 candidatos, de 28 partidos das mais variadas colorações, receberam dinheiro do grupo controlado pelos irmãos Joesley e Wesley Batista.

As doações ilícitas foram de quase R$ 600 milhões. O grosso dos recursos, segundo ao delator, foi destinado aos candidatos em troca de contrapartidas no setor público. "Tirando esses R$ 10, R$ 15 milhões aqui, o resto tudo é propina. Tudo tem ato de ofício, tudo tem promessa, tudo tem alguma coisa", relatou.

Saud disse que o "estudo" foi feito por sua própria iniciativa. Em vídeo do depoimento, divulgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), ele entrega aos investigadores uma pilha de papéis com a relação de subornados, agora potenciais alvos de novos inquéritos de corrupção. Os números têm a escala da chamada "delação do fim do mundo", recém-acordada por 78 executivos da Odebrecht.

"Eleitos foram 179 deputados estaduais, de 23 Estados; 167 deputados federais, de 19 partidos. Demos propina para 28 senadores da República, sendo que alguns disputaram e perderam eleição para governador e alguns disputaram reeleição ou eleição para o Senado. E demos propina para 16 governadores eleitos, sendo quatro do PMDB, quatro do PSDB, três do PT, dois do PSB, um do PP, um do PSD", contou.

O diretor disse achar que, no futuro, o seu "estudo" vai servir. "Aqui estão todas as pessoas que receberam propina diretamente ou indiretamente da gente", entregou, concluindo com uma explicação sobre o esquema: "Se ele (o político) recebeu esse dinheiro, sabe, de um jeito ou de outro, (que) foi de propina. Essas pessoas estão cientes disso".

TEMER - O empresário Joesley Batista, dono da JBS, afirmou à Procuradoria-Geral da República que 100% dos "negócios" dele eram tratados diretamente com o presidente Michel Temer.

A afirmação foi feita durante o depoimento prestado no dia 17 de abril, no âmbito de sua delação premiada, no contexto em que Joesley explicava a conversa que teve com o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) sobre o pagamento de propinas ao grupo do PMDB.

Quando questionado qual era o grau de conhecimento de Loures sobre a necessidade de manter 'calmo' o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB/RJ), Joesley disse que 'não sabia'.

E afirmou: "Quando era com o Geddel (Vieira Lima, ex-ministro da Secretaria de Governo) e o Michel era bastante consolidada a ideia de que todo mundo sabia do que estava acontecendo. Rodrigo eu conheci em uma ou duas conversas. Eu tive com ele umas três vezes. 100% do meu negócio era com o presidente Michel", afirmou

Joesley explicou o esquema de pagamento de propinas a Eduardo Cunha a partir de contrato com a Petrobras para fornecimento de gás da Bolívia. Ele disse que com o contrato era possível obter lucro "de R$ 1 milhão, R$ 2 milhões, R$ 3 milhões por dia" e acertou com Rocha Loures o pagamento de 5% do lucro obtido.

O empresário afirmou que a Petrobras "atrapalhava seus negócios", uma vez que ele já tinha contrato com o governo boliviano e era obrigado a pagar propinas para que a estatal brasileira repassasse o produto.

"Infelizmente, as coisas ultimamente, ou faz, a vários tempos (sic), não funcionam se você não acertar propina com político e acertar uma propina e acertar um preço para as coisas andarem. Mesmo coisas do nosso dia a dia", disse.

CUNHA - O empresário Joesley Batista disse à Procuradoria-Geral da República (PGR) que sempre recebeu “sinais claros” - primeira, pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) e depois, pelo presidente Michel Temer - de que era necessário fazer pagamentos ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e ao corretor Lúcio Funaro, presos pela Lava Jato, para que ambos ficassem "calmos" e não partissem para a delação premiada. O empresário contou que, em reunião no Palácio do Jaburu, no dia 7 de março, Temer lhe disse que Cunha o "fustiga", o que entendeu como "recado de que pagasse".

O empresário relatou trecho de conversa com Temer no qual tratou dos interesses da JBS em vários órgãos do governo. "Sobre o BNDES, Temer intercedeu pessoalmente a favor do grupo do depoente, segundo ele afirmou, tendo falado com a presidenta (Maria Sílvia), o que foi infrutífero", diz trecho de documento da PGR.

Joesley relatou também que o presidente lhe assegurou que seria possível ter uma pessoa no Cade, com quem poderia ter uma "conversa franca"; e que faria serem atendidos pleitos do empresário com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

IMPEACHMENT DE DILMA - O dono da JBS, Joesley Batista, disse, em delação premiada, que atuou juntamente com o deputado João Bacelar (PR-BA) na compra de cinco deputados federais, ao custo de R$ 3 milhões cada um, para votarem contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Segundo Joesley, no dia 9 de abril de 2016, um sábado, uma semana antes da votação do impeachment na Câmara dos Deputados, ele se reuniu com Bacelar. Na ocasião, segundo o delator da JBS, Bacelar disse que "tinha conseguido convencer 30 deputados a votarem a favor de Dilma em troca de R$ 5 milhões cada um".

Joesley, no entanto, diz ter concordado com a "compra" de apenas 5 deputados no valor total de R$ 15 milhões divididos em parcelas.

No depoimento, o dono da JBS, porém, afirma que não lembra quais eram os parlamentares que receberam o pagamento. Segundo ele, o dinheiro era distribuído por João Bacelar, e que só tinha conseguido repassar R$ 3,5 milhões.

Parte do pagamento - R$ 500 mil -, diz Joesley, ocorreu em março deste ano.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:43 Antonio Joaquim volta a atacar governador Taques
19:43 Governo terá que justificar escalonamento para Justiça
19:43 Iniciadas obras da UPA do Cristo Rei, em Várzea Grande
19:42 Irmãos Campos defendem nome de Botelho
19:38 Após a emenda, Banco Mundial interessado na dívida de MT


19:38 Equipe do Tesouro Nacional chega dia 5
19:38 Emendas só depois de entrar o dinheiro do FEX
19:38 Emenda do teto dos gastos é promulgada
19:37 74% não acreditam nos descontos anunciados
19:37 Acumulado é o menor desde 1998
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2015