Terça feira, 15 de outubro de 2019 Edição nº 14733 13/05/2017  










Anterior | Índice | Próxima

Eduardo Botelho diz que saída de Paulo Taques não ‘muda nada’

Da Reportagem

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (PSB), disse ontem que o ex-secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, não é insubstituível. O ex-membro do staff do governador Pedro Taques (PSDB) deixou o cargo na quinta-feira (11). Para Botelho, a saída do advogado da equipe do Executivo Estadual não irá afetar o relacionamento do Legislativo Estadual com o governo.

Em anúncio divulgado na quinta-feira, o Governo informou que Paulo Taques deixaria o cargo para voltar a se dedicar à advocacia. Em razão da saída do agora ex-secretário, o governador nomeou o atual adjunto da Casa Civil, José Adolpho de Lima Avelino Vieira, como o novo líder da pasta. Os atos de exoneração e nomeação foram publicados no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (12).

Para Botelho, a mudança na equipe de Pedro Taques não trará prejuízos ao Legislativo Estadual. “Em relação às tratativas com a Assembleia Legislativa, acho que não vai mudar nada. Sai um, entra outro e vai ter que continuar a mesma coisa”, disse Botelho.

O parlamentar acredita que o maior prejudicado pela saída de Paulo Taques será o próprio governador. Porém, ele afirmou que o Executivo Estadual conseguirá se recuperar da mudança repentina no comando da Casa Civil. “O problema é que o governo perde, na medida em que já tinha uma pessoa que estava alinhada, que vinha desde o início do governo e que era de extrema confiança do governador. O governo perde, sim, com a saída do Paulo, mas nada que não possa se recompor”.

“Daqui a pouco entra novo secretário com mesmo perfil, vai para frente e a coisa continua. Eu acho que ninguém é insubstituível. Cabe agora, ao governador, colocar alguém com o mesmo perfil na Casa Civil e vamos pra frente”, completou.

O deputado enfatizou que os trabalhos no Estado não podem parar ou ser prejudicados por conta da alteração na equipe do governo. “A gente tem que trabalhar. Como o presidente Michel Temer diz nada pode nos fazer parar, porque temos que trabalhar pelo Brasil e por Mato Grosso. Não podemos ficar nessas discussões. Sai um, mas continuamos trabalhando”, asseverou.

O presidente da AL ainda comentou sobre um suposto esquema de interceptações telefônicas ilegais no Estado. "É um assunto em que o governador agiu prontamente, mandou rapidamente para o Gaeco, que depois mandou arquivar. Então, o Pedro Taques está dentro dos princípios e agiu corretamente”.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· NÃO DESMERECENDO A QUALIFICAÇÃO PROFISSI  - Julio Muzzi




09:02 Riva revela que pagou R$ 38 mi`para comandar a Assembleia
09:01 A MP 881 e a legislação trabalhista
09:00 Canabidiol: mitos e verdades
08:59 Inaceitável distorção
08:59 Momentos eternizados


08:58 Musical de Michael Jackson na Broadway ganha data de estreia
08:58
08:57 Lollapalooza sem surpresas: Guns NRoses, Strokes e Travis Scott lideram escalação
08:55 Instituto Flauta Mágica comemora 21 anos de atividades com o espetáculo “Aplausos”
08:55 Novo livro de Chico será lançado em novembro
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018