Terça feira, 21 de maio de 2019 Edição nº 14733 13/05/2017  










BIOTECNOLOGIAAnterior | Índice | Próxima

IMAMT busca resistência ao bicudo

Da Redação

Em Rondonópolis, a 210 quilômetros da capital mato-grossense, um dos berços da cotonicultura no Estado, está em andamento um projeto que tem tudo a ver com o futuro da produção algodoeira. Inaugurado em março de 2016, o Centro de Treinamento e Difusão Tecnológica do Núcleo Regional Sul é sede do Laboratório de Biotecnologia, que, além de colaborar com os projetos de melhoramento de algodoeiro e soja do Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAMT), participa ativamente da geração de novas tecnologias de algodoeiro visando o controle de pragas como o bicudo.

Construído por iniciativa dos cotonicultores associados à Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa), o Laboratório de Biotecnologia surpreende os visitantes ao utilizar tecnologias de ponta para a realização dos projetos de Biologia Molecular e Transformação Genética.

Segundo Álvaro Salles, diretor executivo do IMAMT, o Laboratório iniciou seus trabalhos – ainda na Unidade Experimental do Instituto em Primavera do Leste (239 quilômetros ao sul do Estado) – atuando como prestador de serviços para os projetos de melhoramento do algodoeiro e da soja, conduzidos pelos pesquisadores Jean Louis Belot e Patrícia de Andrade Vilela (algodoeiro) e Alberto Boldt (soja). Esse trabalho continua sendo feito até hoje, assim como a certificação de pureza genética das sementes comercializadas pela Cooperativa Mista de Desenvolvimento do Agronegócio (Comdeagro).

"A certificação é realizada por meio de análises feitas com o uso de marcadores moleculares que atestam a pureza das cultivares IMAMT, evitando a comercialização de lotes de sementes com contaminação indesejada de tecnologias transgênicas, ou a presença de sementes sem a tecnologia pretendida", explica Leonardo Scoz, pesquisador que coordena o Laboratório de Biotecnologia.

De olho no futuro, o IMAmt dá passos a frente e se debruça sobre o projeto de Transformação Genética. Um de seus principais objetivos é a participação efetiva na geração de novas tecnologias de algodoeiro resistente ao bicudo. Essa ação faz parte de um projeto maior, realizado com o financiamento do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA) e denominado Projeto de Plataforma de Pesquisa - Desenvolvimento de algodão resistente ao bicudo, que conta com a participação de pesquisadores da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (de Brasília/DF), da empresa israelense Evogene e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), entre outras instituições.

"O papel do IMAmt será a utilização de moléculas como genes e promotores, fornecidas pelos demais parceiros citados acima, para o desenvolvimento de plantas resistentes ao bicudo", informa o pesquisador Leonardo Scoz. Ele acrescenta que também caberá ao IMAmt estabelecer bioensaios com bicudo que possibilitem a seleção de plantas efetivamente resistentes à praga. "A intenção é selecionar plantas resistentes ao bicudo que possam ser levadas ao campo no longo prazo", explica. Para a realização dos trabalhos, foram instaladas estufas no Centro de Treinamento e Difusão Tecnológica do IMAmt em Rondonópolis.

"O IMAmt está trabalhando em parceria com instituições de pesquisa de ponta em diversos projetos e um dos destaques é o desenvolvimento de novas tecnologias para controle do bicudo, considerado a maior praga da cotonicultura nacional", comenta Alexandre Schenkel, presidente da Ampa. Ele lembra que a necessidade de investimentos em pesquisas para solucionar os problemas decorrentes de uma virose (a doença azul) uniu os produtores de algodão na década de 1990 e acabou dando origem à própria Ampa. "A cultura de algodão é das mais complexas e exige que a pesquisa esteja em constante evolução e sintonia com as demandas do campo, de modo a garantir uma produção de pluma com qualidade, redução de custos e responsabilidade social e ambiental".

A RAÍZ - No que diz respeito ao trabalho de melhoramento, segundo o pesquisador, a infraestrutura instalada no Laboratório de Biologia Molecular oferece a possibilidade de se analisarem milhares de plantas/amostras em poucos dias, agregando uma grande eficiência ao desenvolvimento de novos cultivares com resistência a determinadas doenças. Grande parte das plantas originadas após os cruzamentos realizados pelos melhoristas é processada e analisada geneticamente para a seleção rápida das plantas de interesse dos agricultores em atividade no atual sistema produtivo adotado em Mato Grosso, em que aproximadamente 80% do algodão são cultivados em segunda safra após a colheita da soja.

"O trabalho feito no laboratório elimina em grande parte a necessidade de se realizarem ensaios de seleção a campo e estufas, possibilitando grande economia de tempo e recursos, além de auxiliar na manutenção da pureza genética de materiais transgênicos ou convencionais", afirma Scoz.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




20:27 OAB cobra explicações do Governo sobre suposto grampo
20:27 Eduardo Botelho diz que saída de Paulo Taques não ‘muda nada’
20:27 Taques disse que recebeu denúncia de Mauro Zaque
20:26 Taques nega ter mandado fazer grampo
20:25 TCE nega recebimento de propina


20:25 Nadaf acusa TCE de receber propina
19:53 85% devem gastar menos com presente
19:52 IMAMT busca resistência ao bicudo
19:52 Estudo revela que o Brasil lidera produtividade mundial
19:52 23% têm perfil de ‘bons pagadores’
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018