Sexta feira, 24 de maio de 2019 Edição nº 14726 04/05/2017  










INVESTIGÇÃOAnterior | Índice | Próxima

Aliados tentam 'blindar' governadores da Lava Jato

LIANA COSTA
Especial para AE - Brasília

A inclusão de seus nomes na lista de investigados pelo Ministério Público Federal em razão da delação da Odebrecht levou os governadores a buscar estratégias para se blindarem contra futuras investigações e se manterem no jogo eleitoral para 2018, destaca o jornal O Estado de S. Paulo. Nas últimas semanas, os políticos reforçaram os laços com suas bases eleitorais, articularam aliados para barrar a instalação de CPIs e investiram em uma agenda positiva.

Em São Paulo, uma nova proposta de regimento foi apresentada há uma semana pelo presidente da Casa, deputado Cauê Macris (PSDB). O projeto, entre outras mudanças, extingue a verificação de presença, recurso utilizado pela oposição para obstruir votações, e estende o tempo de discussão em comissões de 30 dias para 30 sessões, o que pode travar a agenda e dificultar a proposição de novas pautas.

BASE

A estratégia é semelhante à utilizada por deputados da base do governador Paulo Hartung (PMDB) na Assembleia do Espírito Santo. No dia 5 de abril, parlamentares da oposição apresentaram requerimento para uma CPI da Companhia Espírito Santense de Saneamento Básico (Cesan). Duas semanas depois, no entanto, no dia da leitura do documento, os deputados Padre Honório (PT), José Esmeraldo (PMDB) e Gilsinho Lopes (PR) solicitaram a retirada de seus nomes, desfalcando o número de assinaturas necessárias para a instalação da CPI.

A manobra só foi possível graças à publicação, no dia anterior, de resolução que alterou o regimento interno da Casa, permitindo a retirada de assinaturas após a protocolização de requerimentos Um grupo de 20 deputados da base havia se reunido, um dia antes da mudança de regimento, para um café da manhã com Hartung no Palácio Anchieta, sede do governo estadual. A expectativa da oposição agora é coletar assinaturas para a instalação de uma CPI da Odebrecht, uma das empresas que mantém contato com a Cesan.

OPOSIÇÃO

No Paraná, parlamentares da oposição também se articulam para a instalação de uma CPI envolvendo contratos de órgãos estaduais e a Odebrecht. O alvo da comissão parlamentar seria a PR-323, rodovia cuja concessão milionária vencida pela construtora é hoje alvo de investigação pela Operação Lava Jato. Segundo membros da oposição, contudo, a CPI não deve entrar em pauta nos próximos meses, pois a agenda da assembleia paranaense se encontra lotada com outros pedidos de investigação solicitados por parlamentares da base do governador Beto Richa (PDB).



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:39 Data deve injetar cerca de R$ 14 bilhões na economia
19:39 Pecuaristas cobram reinvestimentos
19:38 Potencial mato-grossense é de R$ 67 bi
19:38 Uso do ‘correntão’ segue autorizado
19:38 Classe ‘B’ vai segurar consumo já interiorizado


19:09 Decisão dispensa aval da AL para afastar governadores
19:08 Lava Jato agora quer abrir 'caixa preta' da repatriação
19:08 Tribunal cassar governador e vice-governador do Amazonas
19:07 Lula não precisará comparece às audiências
19:07 Abaixo-assinado pede impeachment
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018