Sexta feira, 22 de março de 2019 Edição nº 14725 03/05/2017  










Anterior | Índice | Próxima

A mensagem dos protestos

Liderada por organizações sindicais e por movimentos sociais, a greve geral, da semana passada, não se resumiu ao "fracasso", como a definiu o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, pois afetou a vida de milhares de brasileiros nas principais cidades. Deixou também mensagens importantes para os governantes e para a população. Ao Planalto, o recado claro é de que as consequências não chegam a serem significativas para a votação da reforma da Previdência, incerta até agora. O efeito junto à população também é questionável, a partir do momento em que uma paralisação em defesa dos trabalhadores precisa recorrer a tantas estratégias condenáveis para impedi-los de trabalhar. A todos, indistintamente, fica o recado de que é preciso uma melhor compreensão das reformas em debate e sobre as razões pelas quais o país tem urgência em implementá-las.

Independentemente das motivações de quem saiu às ruas na última sexta-feira — seja para trabalhar, para cumprir com suas rotinas ou para protestar —, o certo é que cada vez mais brasileiros vêm sendo impactados pela crise. O termômetro mais evidente disso foi a divulgação, no mesmo dia, de que o número de desempregados ultrapassou os 14 milhões. A crise inquieta a todos, mas o que ajuda a entender melhor os excessos das manifestações é o inconformismo de quem teme perder privilégios e direitos com as reformas.

Entre outras mudanças com as quais acenam, a reforma trabalhista encolhe os repasses financeiros para centrais sindicais e a previdenciária reduz vantagens de servidores. Ainda assim, é impossível ignorar que o país precisa agir para resolver o drama dos desempregados e também o de 40% dos trabalhadores que atuam no mercado informal, privados de direitos essenciais.

Não é a primeira vez que mobilizações justificadas como em defesa dos trabalhadores acabam resvalando para os transtornos causados por bloqueios de rodovias, depredações e descontinuidade no transporte coletivo. Mesmo não se mostrando incomuns, porém, são atos inaceitáveis, pois prejudicam milhares de pessoas e acabam se sobrepondo ao propósito da manifestação.

Ainda assim, o importante é o recado que fica para o governo e para os representantes políticos: a população precisa ser melhor esclarecida para entender as mudanças que estão sendo propostas, sem se deixar iludir por quem apenas se opõe sem apresentar soluções para o país.



A população precisa ser melhor esclarecida para entender as mudanças que estão sendo propostas



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· Para mim, não passou de manobra política  - Douglas Montezuma




20:01 Wilson deve voltar hoje para Secid
20:01 Governo prepara para asfaltar estrada do Guardanapo
19:45 Deputado Zeca Viana pede providências do MP
19:45 Justiça manda governo entregar dados a sindicatos
19:45 MPE e Governo de MT chegam a acordo


19:44 Com medo, após o caso aparecer na mídia, advogado denunciou esquema
19:44 Defaz prende três agentes de tributos
19:36 Transações de usados crescem 6%
19:36 Manejo de pragas e liderança em debate nesta 5ª
19:35 Abril encerra com queda de 16% nas vendas
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018