Quarta feira, 20 de março de 2019 Edição nº 14725 03/05/2017  










DEPOIMENTOAnterior | Índice | Próxima

Mantega chama Odebrecht de 'ficcionista frustrado'

RAFAEL MORAES MOURA e BEATRIZ BULLA
Da Agência Estado – Brasília

Em depoimento prestado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega disse que não pediu ao empreiteiro Marcelo Odebrecht doações nem ao PT nem à campanha de Dilma Rousseff (PT) à Presidência da República em 2014.

Mantega negou que tenha se envolvido na captação de recursos da campanha e sustentou que sua participação foi restrita à formulação de propostas econômicas e à preparação de respostas para debates eleitorais de Dilma. No depoimento, o ex-ministro chamou Marcelo Odebrecht de "ficcionista frustrado".

"Captação de recursos para a campanha, não, porque a campanha tinha uma coordenação e um tesoureiro. Cabia ao tesoureiro cumprir essa função. Mesmo porque também eu estava exercendo a atividade de Ministro da Fazenda, que eu posso dizer que não é uma atividade simples e que me absorve a maior parte do tempo", disse Mantega. "Não pedi doações nem ao PT e nem à campanha da Dilma", frisou.

O executivo Marcelo Odebrecht, herdeiro e ex-presidente do grupo que leva seu sobrenome, disse em depoimento à Justiça Eleitoral, que o valor acertado para a campanha presidencial da chapa reeleita em 2014 foi de R$ 150 milhões. Deste total, de acordo com o empresário, R$ 50 milhões eram uma contrapartida à votação da Medida Provisória do Refis, encaminhada ao Congresso em 2009, e que beneficiou a Braskem, empresa controlada pela Odebrecht e que atua na área de química e petroquímica.

"Eu tenho a impressão de que o sr. Marcelo é um ficcionista frustrado. Ele deveria ter entrado para essa profissão, porque ele cria fatos e a maioria deles inverossímeis", disse Mantega, ao ser indagado sobre as declarações de Marcelo Odebrecht.

O ex-ministro disse que em algumas ocasiões Marcelo Odebrecht lhe falou que queria fazer doações de campanha. "Aí eu disse a ele: muito bem, sempre é necessário. Os partidos precisam de recursos, porém, eu disse, eu não sou a pessoa adequada para isso, tem os canais adequados e desde que seja uma doação legal. Mas algumas vezes ele fez essa abordagem", relatou Mantega.

"A minha impressão era de que ele queria mostrar serviço, que ele estava querendo ajudar a reeleição da Dilma, embora nós sabemos que ele não tinha nenhuma simpatia pela presidenta", observou o ex-ministro.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




20:01 Wilson deve voltar hoje para Secid
20:01 Governo prepara para asfaltar estrada do Guardanapo
19:45 Deputado Zeca Viana pede providências do MP
19:45 Justiça manda governo entregar dados a sindicatos
19:45 MPE e Governo de MT chegam a acordo


19:44 Com medo, após o caso aparecer na mídia, advogado denunciou esquema
19:44 Defaz prende três agentes de tributos
19:36 Transações de usados crescem 6%
19:36 Manejo de pragas e liderança em debate nesta 5ª
19:35 Abril encerra com queda de 16% nas vendas
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018