Segunda feira, 20 de novembro de 2017 Edição nº 14651 12/01/2017  










Anterior | Índice | Próxima

O exemplo capixaba

O caos penitenciário em vários estados brasileiros deixa a impressão de que não há saída para o falido sistema prisional do país. A superlotação das cadeias e o controle dos presídios por facções criminosas, somados ao acesso de drogas, celulares e armas pelos detentos, levam cidadãos e autoridades a defender soluções absurdas, como a soltura de delinquentes perigosos e até tolerância com chacinas, a exemplo do que fez o recém-demitido secretário nacional da Juventude do governo Temer. Na contramão desse cenário desanimador está o estado do Espírito Santo, que conseguiu reverter uma situação caótica em poucos anos e hoje conta com um modelo que ressocializa criminosos.

O governo capixaba chegou a ser denunciado à ONU em 2010 devido à precariedade e à superlotação de suas instalações carcerárias, mas agora, depois de investimentos na construção de prisões e da implantação de um programa com foco no atendimento jurídico, na educação e na oferta de empregos para ex-presidiários, já está há dois anos sem registrar assassinatos no interior dos presídios.

O que mudou? Em primeiro lugar, o compromisso de sucessivos governos com o projeto de melhorias e com investimentos na estrutura carcerária. Além de criar novas vagas, reduzindo a população carcerária para números suportáveis, o Estado passou a oferecer aos presos condições dignas de segregação, incluindo cursos profissionalizantes, ensino e acompanhamento médico e jurídico. O preso que sai do sistema tem possibilidade de continuar os estudos ou mesmo de trabalhar — o que reduz significativamente a reincidência.

O Judiciário também ajuda muito. Em 2015, implantou audiências de custódia que permitem ao preso estar diante do juiz em até 48 horas após sua detenção, o que possibilita uma triagem adequada: os acusados de crimes menos graves são sentenciados a penas mais leves, livrando-se do convívio promíscuo com criminosos de maior periculosidade.

O exemplo do Espírito Santo mostra que há, sim, saída viável e civilizada para a falência do sistema penitenciário brasileiro.



O exemplo do Espírito Santo mostra que há, sim, saída viável e civilizada para a falência do sistema penitenciário brasileiro



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:19 Estado consulta União sobre prazo
19:19 Aliados de prefeito confirmados em CPI
19:18 Ferramenta permitirá cidadão controlar gastos públicos
19:18 Inquérito de conselheiros do TCE vai para o STJ
19:18 Estado economizou R$ 1 bilhão em gastos


19:17 Dinheiro do FEX pode atrasar, diz Wellington Fagundes
19:17 Governo estuda ‘revender’ dívida
19:09 Bosaipo é condenado a 18 anos
19:09 BOA DISSONANTE
19:08 Família: a construção da vida
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2015