Segunda feira, 10 de dezembro de 2018 Edição nº 14651 12/01/2017  










CRÍTICAAnterior | Índice | Próxima

Narrativa do gamese perde na telona

PEDRO ANTUNES
Da Agência Estado

O problema de Hollywood com as adaptações de jogos de videogames ainda é tirar do jogador (ou do espectador) a capacidade de controlar algo da história desenvolvida ali, diante dele. Muda-se a posição do público, de ativo para passivo Embora em grande parte dos games seja necessário seguir uma trama ou uma linearidade mínima, é o jogador que conta a própria história. Se não consegue vencer certo adversário ou realizar alguma tarefa, o jogo empaca. Está aí, no desafio, na conquista, parte da graça da imersão em diferentes realidades dos games.

O cinema oferece a imersão, o deslumbramento, os saltos de tirar o fôlego, mas já não há consequências - se determinada ação não der certo, o espectador não precisará voltar ao início da fase para recomeçá-la.

Assassin's Creed, que estreia na quinta, 12, para quem está com o joystick nas mãos, é uma viagem ao passado muitíssimo bem feita, cheia ações furtivas, missões difíceis, assassinatos planejados e fugas espetaculares. Tudo dará certo se o jogador tiver agilidade suficiente nos dedos. Nas telonas, tudo fica a cargo de Michael Fassbender, o assassino que volta ao corpo do antepassado para reviver suas aventuras e trazer informações que podem mudar o nosso presente. Se ele se esborrachar após um salto mal dado, será o rostinho bonito dele, exibido muito mais vezes do que de qualquer personagem dos jogos, que estará em risco.

Ao tirar o protagonismo de seus jogadores, o que resta são tramas frágeis demais para o cinema. Existem exceções, obviamente, mas Super Mario World seria apenas sobre um encanador barrigudo que tem dificuldades em saltar tartarugas e recuperar uma princesa. Assassin's Creed, por exemplo, cairia no marasmo da repetição. E é o que acontece nas telonas.

Provavelmente uma hora do filme é dedicado à corridas, fugas espetaculares, saltos impossíveis e por aí vai. Se já imaginamos que Fassbender vá durar até o fim do filme, contudo, ninguém perderá o fôlego na iminência do perigo. Se fosse para ter essa experiência, era só chamar alguém para jogar o seu Assassin's Creed e ficar ao lado, sentado no sofá assistindo.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:45 Neurilan Fraga é reeleito para comandar a AMM
18:45 Seis advogados disputam vaga de juiz titular do TRE
18:45 DEM se reúne com Mauro Mendes na próxima semana
18:44 Taques regulamenta mudanças no Prodeic
18:42 Governo define escalonamento até segunda-feira


18:14 Festa da literatura mato-grossense
17:52 MP pede reprovação das contas da deputada Janaína
17:52 BOA DISSONANTE
17:51 Juízes e delegados globalizados
17:50 Desserviço
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018