Quinta feira, 14 de dezembro de 2017 Edição nº 14650 11/01/2017  










* AMADEU GARRIDOAnterior | Índice | Próxima

Aonde vamos?

Daria meu reino (se o tivesse) para não escrever estas linhas.

O crime organizado, segundo a ONU, fatura entre 3 e 4 trilhões, dos quais o narcotráfico 1 trilhão. Impossível, sem conexão com o sistema bancário.

As repugnantes condições carcerárias do Brasil fomentam a formação de organizações dentro dos próprios presídios. O preso se organiza para sobreviver. O governador Geraldo Alckmin diz que o PCC não existe. "Há coisas que se dizem, outras que não", dizem governantes, mas negar o óbvio é intolerável.

Crime introduzido nas instituições públicas, na democracia, na economia formal. Criminosos podem ser organizar politicamente. "O crime organizado começa nas favelas e termina em Wall Street", diz o jornalista e escritor Carlos Amorim.

O presidente do Panamá, Manuel Noriega, sócio de Pablo Escobar, só foi retirado à força pelos Estados Unidos. A máfia nigeriana, conexão entre as Américas, a Europa e o Oriente, é o grupo que mais cresce no mundo. Vai maconha, cocaína e crack; vem heroína, ópio e morfina. A Nigéria tinha um setor do aeroporto exclusivo para esse "comércio", protegido por forças militares.

A face oculta do crime organizado é de cidadãos que vivem no campo da legalidade. O MPF acusa advogados e desembargadores de Boa Vista, onde acabam de se acrescentar ignomínias como as de Manaus, de conceder prisões domiciliares e libertar presos pelo preço médio de R$ 200.000,00. Recentemente o Gaeco, em São Paulo, prendeu 32 advogados, um deles o Presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana da Secretaria da Justiça. Não seria eu a negar o princípio da presunção de inocência e o do devido processo legal processual, ampla e prévia defesa. Nem lhes serão subtraídos pela Justiça Paulista, mas o fenômeno deve ser observado.

Depois dos mexicanos, os brasileiros são os maiores consumidores de cocaína do mundo. E o primeiro do abominável crack, de consequências devastadoras e irreversíveis.

O crime organizado tem leis próprias e implacáveis, dentro e fora dos presídios. São estados de delinquentes a desafiar o Estado Político e nele infiltrado.

Um traficantezinho de bairro, diz o citado jornalista, movimenta 1 milhão por semana. Multiplicam-se e conectam-se pelo mundo.

PCC e PV se uniram, executaram Jorge Rafat Toumani, chefão paraguaio na fronteira Ponta Porã-Pedro João Caballero, nomearam outro, desentenderam-se e se iniciaram os conflitos nos presídios do Norte e do Centro-Oeste. Para entender um pouco de Manaus e Boa Vista. Por ora...

Em suma, humanizar presídios é fácil, ante o combate, que parece missão impossível, ao crime organizado.

Na outra banda deste mundo cinzento, a política. Nada absorveram os povos das lições das duas grandes guerras mundiais. O mundo descamba, com um presidente americano que repudia as alianças, exorta as xenofobias, o protecionismo e admira os déspotas (Martin Wolf, "Financial Times"). Democracia "não liberal" (sic) no leste europeu, o Brexit e não improvável vitória de Marine Le Pen na França. O policial Putin e sua política expansionista e a China, que não perde oportunidades, elegendo Xi Jing Ping não como "primus inter pares", mas como o "grande comandante" do mundo...

A imigração forçada de orientais à Europa e tida como concorrência desleal aos nacionais, principalmente em relação à mão-de-obra não qualificada; se todas as guerras foram determinadas por propósitos de conquistas de mercados, a próxima será por mercados de trabalho. Só permanecerão incólumes - e crescerão - os antes inimagináveis mercados do crime.



*

AMADEU ROBERTO GARRIDO DE PAULA é advogado e membro da Academia Latino-Americana de Ciências Humanas



“A face oculta do crime organizado é de cidadãos que vivem no campo da legalidade”



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:37 Eduardo Botelho defende fim do foro privilegiado
19:37 Federal cumpre mandados em endereços de José Riva
19:36 Lucimar Campos diz que pesquisa mais a estimula
19:36 Senador aprova liberação do FEX para os Estados
19:36 Naco abre inquérito contra Silval e Savi


19:35 Emanuel Pinheiro tem reprovação de 61%
19:22 STF: 5 a 4 para vetar revisão de prisão
19:22 BOA DISSONANTE
19:21 Sem anistia e sem ‘bem-estar’?
19:21 O penhasco, a cabana e a previdência
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2015