Sexta feira, 24 de fevereiro de 2017 Edição nº 14650 11/01/2017  










INFLAÇÃOAnterior | Índice | Próxima

Alta no atacado não muda trajetória de queda

Da Agência Estado – Rio

As altas de preços no atacado dos alimentos in natura, da gasolina, do diesel e do minério de ferro, principalmente, puxaram a aceleração da primeira prévia do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) de janeiro. Segundo o superintendente adjunto para Inflação do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), Salomão Quadros, os avanços são normais nesta época do ano, e não vão contra o cenário de queda da inflação ao consumidor neste ano.

Ontem, a FGV informou que o indicador subiu 0,86% na primeira prévia de janeiro, ante avanço de 0,20% na primeira prévia do mesmo índice de dezembro. O IPA-M, que representa os preços no atacado, avançou 1,13%, após alta de 0,30% na primeira prévia de dezembro.

"Janeiro é um mês de inflação elevada, com altas sazonais, mas por conta de fatores próprios deste período. Não representa uma mudança na tendência. A inflação será maior do que a de dezembro porque há uma série de coisas que são típicas de janeiro", disse Quadros.

A alta nos preços dos alimentos in natura, como hortaliças, frutas e verduras, tem a ver com fatores climáticos, como mais chuva e calor. Com isso, o grupo dos "alimentos in natura" no atacado passou de -4,97% na primeira prévia de dezembro para 1,96% em janeiro. Quadros destacou o tomate, cujo preço encolheu 7,97% na primeira prévia de dezembro e, em janeiro, avançou 6,97%.

Os acréscimos na gasolina (que passou de -1,92% em dezembro para 3,89% janeiro) e no diesel (-6,64% para 4,53%) são fruto da nova política de preços da Petrobras, disse Quadros, e refletem a elevação das cotações internacionais do barril de petróleo. Já o minério de ferro passou de uma alta de 12,60% na primeira prévia de dezembro para 16,23% em janeiro.

Quadros vê um movimento maior de recuperação nas cotações das commodities industriais, que inclui a celulose, além do petróleo e do minério de ferro, e tem a ver com sinais de manutenção da demanda elevada da China e, até mesmo, de alguma recuperação do crescimento econômico na Europa. "Isso não vai obrigar ninguém a refazer projeção para a inflação", disse o pesquisador da FGV.

Por outro lado, lembrou Quadros, quando a safra de grãos começar a ser colhida, a partir de março, pode haver queda nos preços da soja e do milho no atacado.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




20:30 Taques agilizará obra do pronto-socorro
20:29 Gabinete de Transparência e PGE passam a integrar Rede de Controle
20:29 Presidente da Câmara quer verba indenizatória de 200%
20:28 Chico Lima será ouvido por comissão processante na PGE
20:28 OAB faz ato de protesto contra juíza Selma


20:28 Paulo Taques acredita em negociação
20:28 Paulo Prado diz que pagamento de atrasado em 2018 é ‘inconcebível’
20:10 Hoje é o último dia para se matricular na rede estadual
20:10 Quatro messorregiões de Mato Grosso serão afetadas
20:10 Autorização para operar em Cuiabá vale até o fim do ano
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2015