Quinta feira, 20 de setembro de 2018 Edição nº 9916 08/04/2001  










BRIGA POLÍTICAAnterior | Índice | Próxima

Forças de Generoso matam Totó Paes no Coxipó

JOANICE PIERINI LOUREIRO
Da Reportagem

Cuiabá, 7 de julho de 1906 – Foi executado ontem na Fábrica de Pólvora, região do Coxipó do Ouro, o presidente de Mato Grosso, Coronel Antônio Paes de Barros, mais conhecido por Totó Paes. Fundador e proprietário da Usina de Açúcar Itaicy, Totó estava refugiado de Cuiabá desde o último dia 30, quando tropas oposicionistas a seu governo, lideradas pelo senador Generoso Paes Leme de Souza, invadiram a capital.

Totó Paes foi morto com dois tiros, um no tórax e outro no ouvido esquerdo. As forças revolucionárias que o executaram foram comandadas pelo Coronel Joaquim Sulpício de Cerqueira Caldas, também conhecido por Quinco Caldas. O corpo do presidente foi encontrado por um tenente do Exército. Também ontem, na Praça do Arsenal de Guerra, o senador Generoso Ponce realizou a parada da vitória, com a presença de centenas de pessoas.

Com a morte de Totó Paes, assume a administração de Mato Grosso o 1º vice-presidente Pedro Leito Osório, com apoio de Generoso Ponce. A morte de Totó Paes coloca fim a um das disputas mais ferrenhas já vistas na história política da capital. O episódio já é comentado pela população como a “Revolução de 1906”.

Totó Paes estava na presidência de Mato Grosso desde 15 de agosto de 1903, quando venceu as eleições concorrendo com Manoel Esperidião da Costa Marques. O governo de Totó foi marcado pela tentativa de reorganizar o Estado, mas também por muitos fatos violentos.

Desde 1904, quando Generoso Ponce retornou de Assunção para Corumbá, o ambiente político na Capital se tornou mais tenso. Este clima enfatizou-se no ano passado, quando os irmãos Murtinho reataram forças com Ponce, formando juntos a “Coligação Mato-Grossense” a partir do antigo Partido Republicano - da qual Ponce fazia parte – e da “Dissidência” , ala dos murtinhistas.

A impopularidade de Totó Paes ficou mais evidente em 1º de novembro de 1905, quando nas eleições para Assembléia Legislativa e Câmaras Municipais a “Coligação” fez maioria. Maioria que se repetiu em 30 de janeiro deste ano, quando a “Coligação” também elegeu a maior parte para o Senado e a Câmara Federal. Foi neste clima tenso, que Generoso Ponce resolveu reunir forças militares para, em 17 de maio deste ano, partir rumo a Cuiabá a fim de tomar a capital.

As forças militares reunidas por Generoso Ponce em Corumbá estavam compostas por 10 vapores e 20 chatas trazendo 500 homens, número que foi aumentando no decorrer da viagem até chegar a 2000 já em Cuiabá. A este movimento, também chamado de Divisão Sul, foi somada a Divisão Norte, composta por 1,2 mil homens e liderada pelo Coronel Pedro Celestino, também sob a coordenação de Generoso Ponce. Foi a Divisão Sul que ocupou a Usina Itaicy, de Totó Paes, e a Fazenda Pindaival, do irmão do presidente, Henrique Paes de Barros, golpes considerados fatais para Totó.

Já com cerca de quatro mil homens, no final do mês passado Generoso Ponce mandou um ultimato a Totó Paes, que não respondeu ao chamado e fugiu de Cuiabá. Totó acionou o governo federal e aguardava, na Fábrica de Pólvora, a chegada do socorro da Expedição Dantas Barreto. Até ontem, no entanto, tal expedição não havia chegado a Cuiabá.

Ao contrário do que acontece hoje, no início do século passado era chamado presidente a autoridade máxima do Estado, e governador da autoridade máxima da República. As tropas de Dantas Barreto, que eram aguardadas por Totó Paes em Cuiabá no início de julho de 1906, só chegaram na capital dia 17 de julho de 1906.

Fontes: “O Ciclo do Açúcar e a Política de Mato Grosso”, de Lenine Póvoas e “A Visão dos Vencidos: Totó Paes Cem Anos Depois”, de Paulo Pitaluga Costa e Silva.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· Este é apenas um comentário a respeito d  - Nelio Paes de Barros
· Antes de casar-me. Meu nome era Elizabet  - ELIZABETH DE OLIVEIRA COUTINHO
· Não preciso nem mais me posicionar quant  - João Paulo
· Bem colocado Oriana, o sr Dito Pinto não  - Robson Henrique Paes de Barros
· Totó Paes, que presidiu Mato Grosso de 1  - Robson Henrique Paes de Barros
· Sim a politica nesta época realmente era  - Robson Henrique Paes de Barros
· Me sinto orgulhoso da minha familia de p  - Robson Henrique Paes de Barros
· Gostaria de agradecer os editores e, esp  - Marcos Cesar Lopes Barros
· Escravidão branca, senhor Dito Pinto, é   - orianao
· Eu também me orgulho de ser descendente   - Oriana Paes de Barros
· meu avo por parte de pai lutou nas força  - benedito
· com a morte de toto paes começa moviment  - benedito
· Sou tataraneta de Genoroso Ponce. A polí  - Andrea Kluft Ponce de Azevedo




20:28
20:28
20:08 Vasco fica no empate com o Americano
20:08 Fluminense empata em Moça Bonita
20:07 Índio garante a vitória do Santa Cruz contra o Dom Bosco


20:07 Mixto consegue o empate em Barra do Garças e pensa na partida contra o Juventude
20:07 Rossi vence GP do Japão de 500cc
20:06 Guga volta a falhar nos tie-breaks
20:06 Wewitt destrói o sonho dos brasileiros
20:05 Lado emocional dos jogadores do Santos preocupa Geninho
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018