Quarta feira, 19 de junho de 2019 Edição nº 9916 08/04/2001  










Anterior | Índice | Próxima

A Justiça e o poder da Globo

FERNANDO CÉSAR ARRIBADA
Do Observatório da Imprensa

Realmente é assustador o poder da Globo. Depois do primeiro laudo bombástico, o Instituto de Criminalística Carlos Éboli emitiu um terceiro laudo sobre o acidente no Projac em que afirma que não houve, no momento do acidente, imperícia, negligência ou imprudência. Um quarto laudo provavelmente afirmará que não houve incêndio algum, que tudo não passou de mais uma grande obra de ficção da Rede Globo.

Difícil vai ser explicar isso a pais e parentes das duas crianças que continuam internadas em estado grave, depois de todo esse tempo, sofrendo seguidas cirurgias plásticas e enxertos, que tentam resgatar um pouco da fisionomia saudável e infantil que lhes foi tirada. Então, um estúdio utilizado para gravação de um programa infantil expõe dezenas (ou centenas) de crianças a um incêndio como aquele, que todos tivemos a oportunidade de ver, e não houve no mínimo imprudência na manutenção das instalações elétricas e dos brinquedos do estúdio?

A própria Xuxa declarou dias depois que já havia manifestado à produção sua preocupação com o aquecimento excessivo das lâmpadas. E a tal saída que estava obstruída? E a superlotação do estúdio, ninguém mais fala nada? E os cadeados que mantinham as crianças aprisionadas às cadeiras da roda-gigante? Nunca vi tamanha imprudência!

Quantos laudos mais serão necessários para aliviar a barra da emissora, que pelos ruborizados âncoras do Jornal Nacional teve a ousadia de informar o resultado do laudo sem sequer lembrar das crianças que ainda estão internadas? E, pasmem, ato contínuo informou que o dirigente e deputado Eurico Miranda deverá ser processado pelo acidente de São Januário. Ou seja, disseram com enorme desfaçatez que não houve responsabilidade da Globo no acidente do Projac, enquanto em São Januário a culpa foi do Eurico.

Por que no caso de São Januário não houve tantos laudos? Será que o laudo foi feito pelos mesmos engenheiros que fizeram a perícia em São Januário? Resta saber o que o perito Alberto Rodriguez tentou dizer com "não houve imperícia, negligência ou imprudência no momento do acidente". O delegado Zaqueu Teixeira, responsável pelo inquérito que apura as causas do incêndio, depois de ler o documento se disse estupefato com tantas incoerências reunidas num só laudo. Entre outras coisas, depois de asseverar que "não houve imperícia, negligência ou imprudência no momento do acidente", o perito afirmou que não podia avaliar se a manutenção no estúdio vinha sendo feita corretamente!

Depois de tudo isso, pensei em não mais me manifestar a esse respeito. Essa briga da Globo com Eurico Miranda ninguém agüenta mais. E no país de Badan Palhares nada mais me surpreende... No entanto, leio dias depois no site do JB:

Poder global

Os quatro helicópteros de longo curso baseados em Macaé e disponíveis para aluguel ficaram, durante toda esta sexta-feira, sob controle da TV Globo. Um para a emissora filmar o desastre com a Plataforma P-36 e os demais no chão, para que as outras emissoras não tivessem acesso ao local da tragédia, a 120 quilômetros de distância da terra firme. A TV Bandeirantes alugou um helicóptero no Rio, mas o aparelho não recebeu permissão do DAC para sobrevoar a área do acidente.

Então, lembrei-me também da reportagem do jornal Meio & Mensagem, dirigido ao meio publicitário, de 29/1/2001, na qual um executivo da Globo revelava a estratégia da emissora contra o Vasco.

Contra-ataque pelo bolso

"A intenção é punir o clube com um torniquete financeiro. Sem dinheiro, ele não vai poder manter o time e, quando começar a perder, não terá mais o apoio da torcida", prevê o executivo. Procurada pela reportagem para comentar tais informações, a Rede Globo não se pronunciou sobre o assunto até o fechamento desta edição.

Parece uma profecia. Nostradamus não faria melhor. Onde estão Felipe, Juninho Pernambucano, Sandra, Vargas, Charles Bird, Manoel Tobias, Índio, Mauro Galvão e outros? E agora vejo o ataque global contra a LBV, coincidentemente após a entidade conseguir a concessão para operar um canal aberto de TV, já em fase de instalação em São José dos Campos, SP.

O gigantesco espaço e o aparato utilizados nos ataques à LBV lembram muito os ataques ao dirigente vascaíno. Os episódios são muito parecidos. O jornalista Eliakim Araújo saiu em defesa do Vasco, agora Carlos Chagas sai em defesa da LBV:

Acredito que os autores dessas campanhas deveriam estar se dedicando, como faz a LBV, a ajudar o povo, a discutir os problemas sociais, a tentar encontrar uma saída, uma solução para essa verdadeira crise que assola o Brasil.

O Vasco há muito se rebelou contra os horários do jogos impostos pela emissora e as módicas quantias pagas pelas transmissões, como também pela sua simpatia quase explícita por outro clube do Rio. O clube parecia caminhar com as próprias pernas, sem depender das migalhas globais, e já falava em negociar os seus jogos fora dos pacotes comprados pela Globo. Ousadia que parecia ameaçar o objetivo da emissora de monopolizar as transmissões de futebol no país.

E todos vimos o que aconteceu. A CPI do Futebol se transformou na CPI do Vasco. A emissora está claramente pautando os trabalhos da comissão, que esquece os dirigentes dos outros clubes (muitos envolvidos em escândalos de corrupção) e investe ostensivamente sobre os do Vasco, dissecando mazelas que não são exclusividade do clube, acontecem nos bastidores do futebol há muito tempo, e a Rede Globo sempre soube disso. Será que depois do "torniquete financeiro" imposto ao Vasco a Rede Globo fará pelo menos um décimo do extraordinário investimento que o clube fez no esporte amador nos últimos anos? Algo jamais feito por um clube no Brasil ou no mundo.

Aliás, esse episódio me faz lembrar o "torniquete financeiro" imposto por ACM à NEC. É o Toninho Malvadeza fazendo escola. E pensar que a Rede Globo foi a maior beneficiária nesse caso! Quanto à LBV, seu trabalho há muito frutifica e ultrapassa as fronteiras do país. E agora, quando consegue uma concessão para operar uma TV aberta, a ira global de forma irresponsável se volta contra a entidade. Será que a Rede Globo algum dia prestará atendimento social a 4,5 milhões de pessoas como fez a LBV no ano passado?

Quem fizer um pequeno esforço de memória vai se lembrar que o mesmo foi feito com a Igreja Universal, quando o bispo Macedo ousou colocar no ar a Rede Record. Portanto, sem entrar no mérito das denúncias, volto a me manifestar contra os métodos pérfidos, sórdidos e acachapantes do "Império Global", que passa como um trator com todo seu poder econômico por cima dos concorrentes e daqueles que contrariam seus interesses. E o que realmente me entristece é que há gente que acredita que a Rede Globo faz tudo isso por razões nobres, para defender os interesses do povo, sem se dar conta do enorme desserviço prestado ao país.

Plim! Plim!



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· a verdadeira historia e que apos o pacto  - cleber




05:54 Arcanjo pede liberdade condicional
05:54 BOA DISSONANTE
05:53 Qual o valor de uma flor de soja?
05:52 O saneamento pelo mundo
05:52 Missão Salesiana de MT faz 125 anos


05:51 Frustração com o relatório
05:48
05:47 Game of Thrones e Vingadores: Ultimato são favoritos ao MTV Movie & TV Awards
05:46 Burle Marx dá ares tropicais ao Jardim Botânico de NY
05:45 Betty Milan discute a memória em romance sobre a imigração
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018