Segunda feira, 15 de julho de 2019 Edição nº 13613 02/06/2013  










DIA DE COMBATEAnterior | Índice | Próxima

OMS pede o fim das promoções e propagandas de cigarro

AGÊNCIA BRASIL

A Organização das Nações Unidas (ONU) fez um apelo para sejam proibidas todas as formas de publicidade e promoção do tabaco. O anuncio aconteceu no final da semana, quando é comemorado o Dia

Mundial Sem Tabaco.

A intenção é reduzir o número de novos fumantes. De acordo com a ONU, metade das pessoas que fumam morre por causa do hábito.

O tabaco é fator de risco para o surgimento de câncer, doenças cardiovasculares, diabetes e doenças respiratórias crônicas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que até 2030 o tabaco vai matar 8 milhões de pessoas a cada ano. Quatro em cada cinco mortes devem ocorrer em países de baixa e média renda.

De acordo com a ONU, a maioria dos usuários começa a fumar antes dos 20 anos. Em todo o mundo, 78% dos jovens entre 13 e 15 anos relatam exposição regular a alguma forma de promoção do tabaco.

Pesquisa da OMS demonstrou que a proibição da publicidade de tabaco é uma das maneiras mais eficazes de reduzir o tabagismo. Países que impuseram limite à divulgação do tabaco conseguiram redução média de 7% no consumo.

Mas para as proibições serem eficazes, a OMS ressalta que a legislação precisa ser abrangente, uma vez que existem várias maneiras de atingir os potenciais fumantes, incluindo a inserção de produtos do tabaco em filmes e na televisão.

Cerca de 15% dos brasileiros são fumantes. A Lei Antifumo que proíbe a propaganda de cigarros em rádio e TV, em pontos de venda, como padarias e lanchonetes, e também em ambientes fechados.

ECONOMIA - Os gastos da população com cigarros têm se mantido nos últimos anos e o peso dessas despesas no orçamento mensal dos consumidores “é relevante”, disse o economista do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), André Braz.

No Dia Mundial sem Tabaco, comemorado em 31 de maio, o economista comentou as implicações do consumo de cigarro para o orçamento doméstico. Segundo ele, os consumidores gastam com o cigarro o dobro do que usam para comprar arroz e feijão. “1,20% da renda média é gasta com cigarro. É um número representativo se olhar o gasto com arroz e feijão, que é a metade disso, só 0,60%”, disse.

Segundo dados da Souza Cruz, em 2012, a empresa atingiu 74,9% do mercado brasileiro de cigarros, confirmando a primeira posição no setor. No quarto trimestre a participação teve um crescimento de 1,2 ponto percentual no ano, chegando à participação recorde na sua história, de 76.6%. Ainda de acordo com a empresa, o lucro operacional ficou em R$ 2.37 bilhões, que representa aumento de 9% em relação a 2011. O desempenho inclui os resultados com exportação de tabaco, que no mesmo período de comparação, conforme a companhia, teve crescimento de 106%.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· Não sou fumante,mas vejo no consumo de b  - Marcio Antonio Max
· Acho que a OMS também deveria proibir a   - marcia r. telles
· SOU FUMANTE HA 40 ANOS INFELIZMENTE, MAS  - Udimilson Figuierêdo Viana




18:49 Botelho avisa que não será candidato em 2020
18:48 Nós e o acordo Mercosul-UE
18:48 Faltam educação e civilidade
18:48 Recuperação judicial
18:47


18:47 A Câmara e a Previdência
18:46 André D Lucca volta aos palcos com o sucesso Os Segredos de Almerinda
18:44 Show dos Famosos chegam à final com cinco artistas na disputa
18:43 Holofotes sobre Euclides iluminam seu racismo
18:39 Canções que se tornaram verdadeiros hinos feministas são em grande parte escritas por homens
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018