Sexta feira, 22 de maio de 2015 Edição nº 13569 06/04/2013  










HAITIANOSAnterior | Índice | Próxima

Coiotes cobram US$ 4 mil

Muitos dos imigrantes que estão em Cuiabá pagaram pelo serviço clandestino para sair do país e reconstruir a vida

Geraldo Tavares/DC
Pastoral do Migrante está repleta de haitianos que chegaram pelo Acre e buscam emprego
HELSON FRANÇA
Da Reportagem

Haitianos têm pagado de três a quatro mil dólares a “guias” de imigrantes ilegais, os chamados “coiotes”, para entrar no Brasil clandestinamente pelas fronteiras do Acre e Amazonas e depois seguirem viagem até Cuiabá, uma das cidades mais procuradas.

Atraídos, principalmente, pelas obras da Copa do Mundo, eles chegam em grande número atrás de trabalho.

Conforme o diretor do Centro de Pastoral do Migrante de Cuiabá, Olmes Milani, padre que está trabalha com a questão da imigração há mais de 40 anos, grande parte dos haitianos que se encontram ou que já passaram pelo local recentemente pagaram intermediários para entrar no Brasil de forma ilegal.

“Eles não gostam de falar muito sobre isso. É uma experiência constrangedora. Muitos ficam pelo caminho”, afirmou.

Atualmente, das 38 pessoas que residem na Pastoral, 34 são do Haiti. O local tem capacidade para 51 pessoas.

Desde o início do ano até o presente momento, dos 90 estrangeiros atendidos pela Pastoral, 66 eram do Haiti. A quantia é 40% superior ao número de haitianos recebidos pela entidade em todo o ano passado.

Desde o terremoto de 2010, que devastou quase todo o Haiti e matou aproximadamente 600 mil pessoas, o Brasil tem dado apoio ao país, inclusive enviando tropas do exército e mantimentos.

Mesmo com o governo brasileiro tendo adotado uma linha suave, no que concerne à recepção dos egressos do Haiti, muitos, por terem perdido toda a documentação na tragédia e no desespero de sair logo do país, aceitam pagar a quantia aos “coiotes” para poderem começar uma vida nova em outro lugar.

Os “coiotes”, no caso dos haitianos, atuam tanto em Porto Príncipe, capital do país, como no Brasil e em outros países próximos.

Sem nenhum tipo de garantia ou segurança, eles se encarregam de fazer o transporte e seguem por rotas e atalhos remotos, até conseguirem chegar à região de fronteira e despachar os viajantes.

Nesta sexta-feira (5), a Polícia Federal e a Secretaria de Direitos Humanos do Acre, pela primeira vez, comprovaram que o Brasil encontra-se na rota do tráfico de haitianos.

Foram detidos um adolescente haitiano de 14 anos, vindo de Porto Príncipe, e o conterrâneo Inocente Olibrice, maior de idade.

O adolescente está sob a guarda da Secretaria de Direitos Humanos e foi encaminhado de volta ao abrigo, em Brasileia (AC), onde 1.100 haitianos aguardam regularização, pela Polícia Federal, da entrada ilegal no Brasil.

Já o “coiote” foi recolhido para a penitenciária de Rio Branco (AC), onde ficará detido enquanto responder a processo por tráfico de seres humanos e estelionato.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· A conjugação do verbo PAGAR está horroro  - André Luís

21:16 Câmara defende recurso baseado em lei municipal
21:16 Câmara aprova relatório de CPI
21:15 AL contrata empresa sem licitação para atuar em CPI
21:15 Taques diz estar aberto ao diálogo
21:15 Defesa solicita que HC de Riva seja relatado por Toffoli


21:14 Parecer enviado ao MPE pode complicar a CAB
21:14 TRE cassa tempo do DEM por não respeitar quota feminina
21:13 Conselho da Arsec não terá vereador
21:13 TCE suspeita de superfaturamento no VLT
20:46 Futuro do Brasil está na aquicultura
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2015