Sábado, 15 de junho de 2019 Edição nº 13504 16/01/2013  










TRANSPORTEAnterior | Índice | Próxima

‘Ar’ e cobrador elevariam mais a tarifa

Caso os ônibus da Capital fossem equipados com ar-condicionado e houvesse cobrador em todos os veículos, passagem seria de R$ 3,26

GERALDO TAVARES/DC
Além de caro, transporte coletivo de Cuiabá não oferece nenhum conforto aos passageiros
HELSON FRANÇA
Da Reportagem

Os gastos com a instalação de ar-condicionado e com a presença de cobradores em cada um dos 400 ônibus que circulam em Cuiabá, caso fossem levados em consideração na planilha de custos analisada pelo Conselho Municipal de Transporte (CMT), elevaria o preço da tarifa de R$ 2,70 para R$ 3,26, informou o Secretário Municipal de Trânsito e Transporte, Antenor Figueiredo.

Por conta disso, segundo o Secretário, os dois itens não constam na planilha de custos que embasam o reajuste da passagem de ônibus. Antenor afirmou que, inicialmente, os cálculos para definir a nova tarifa, apontavam para um valor de R$ 3,05. “Mas se chegou ao consenso de que o valor era muito alto e fixou-se em R$ 2,95”.

Ele contou que somente 15% dos coletivos de Cuiabá são equipados com ar-condicionado. “O uso do ar-condicionado aumenta os gastos com combustível”. Antenor, porém, ressaltou que é desejo do prefeito Mauro Mendes instalar ar-condicionado em 80% dos ônibus da Capital, sem precisar fazer grandes reajustes no valor da passagem, até o fim do mandato.

O secretário argumentou que as condições ruins da malha viária da Capital, somadas à grande quantidade de pessoas que utilizam o transporte coletivo de forma gratuita contribui para o encarecimento do preço da tarifa.

“Temos que gastar mais com a manutenção dos pneus. A prefeitura ainda arca com o custo do transporte de mais de um milhão de pessoas, que utilizam os coletivos de forma gratuita”.

Dessa quantia, 833 mil são estudantes que utilizam o passe-livre e 232 mil pertencem ao grupo dos idosos, portadores de necessidades especiais e de algumas doenças. Conforme o secretário, só com o passe-livre, a prefeitura gasta R$ 13 milhões ao ano.

Antenor enfatizou também que o CMT não leva em consideração o percentual inflacionário para calcular o preço da tarifa. Em algumas cidades, como São Paulo e Rio de Janeiro, os reajustes foram vetados, a pedido do governo federal, para conter a inflação.

Na capital mato-grossense, em 10 anos (2002 a 2012) o aumento da passagem ficou 42% acima da inflação. Nesse período, a inflação medida pelo Índice Geral de Preços e Mercado (IGPM) foi de 105%, enquanto que o percentual de aumento do preço da tarifa foi de 145% (saltando de R$ 1,20 para R$ 2,95).

O aumento da tarifa foi sancionado pelo então prefeito Chico Galindo (PTB) na noite do dia 27 de dezembro, horas antes de começar a valer.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· Bom dia, onde consigo encontrar as lin  - Brunna
· Facil resolver este problema de administ  - Marcus valério
· Então porque prometem mundos e fundos se  - edson
· A conta nao bate.. Segundo o censo de 20  - Maicon
· A COISA É SIMPLES DE SER ANALIZADA; EMP  - Marcelo Augusto
· Uma Mentira muito da gigantesca. pois em  - Toledo
· O Mauro Mendes na sua campanha prometeu   - Sefra Abutak
· Gostaria que o senhor secretário explica  - Luiz Carlos
· Interessante descobrir que Cuiabá tem 1   - Renato Snowareski




06:12 Alento na segurança
06:11
06:10 Bandidos na TV conta o caso do apresentador acusado de encomendar mortes por audiência
06:09 Do cinema para os palcos: Loucos de Amor estreia neste final de semana
06:05 Lula põe em dúvida facada em Bolsonaro


06:04 Morre aos 76 anos o jornalista Clóvis Rossi
06:03 Maia diz que governo é usina de crises
06:00 Após cortes, Copa América começa com problemas
06:00 Toronto Raptors conquista NBA pela 1ª vez
05:59 Messi vira pavão e tenta título inédito
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018