Sábado, 18 de novembro de 2017 Edição nº 13494 04/01/2013  










PIB NA ALAnterior | Índice | Próxima

Crescimento nos primeiros anos de Dilma será o menor

Da Folha Online – São Paulo

O Brasil deverá ser o país com menor crescimento na América do Sul no primeiro triênio da gestão da presidente Dilma Rousseff. A média de expansão esperada para a economia brasileira entre 2011 e 2013 é de 2,4%, número menor que o projetado para todos os demais países da região. Se isso se confirmar, será a primeira vez desde o governo Fernando Collor de Mello (1990-1992) - quando a economia contraiu 1,2% - que o Brasil perderá para todos os vizinhos no primeiro triênio de governo.

O desempenho médio do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil também deverá perder no triênio para o do México e de outros nove emergentes, só acima da Hungria, afetada pela crise do euro.

Os números levantados pela Folha são da consultoria britânica EIU (Economist Intelligence Unit). Projeções do Itaú Unibanco e do HSBC para as economias sul-americanas confirmam a tendência.

AMÉRICA DO SUL - As projeções indicam recuperação do Brasil em 2013, com crescimento entre 3% e 3,5%. Ainda assim, o desempenho do país deverá ser pior que o das economias mais dinâmicas da América do Sul.

Diferenças entre o tamanho das economias e seu nível de desenvolvimento podem ajudar a explicar taxas distintas de expansão.

Luiz Fernando de Paula, professor da UERJ, acredita, por exemplo, ser normal que Colômbia, Peru e Chile cresçam a taxas mais elevadas: "São países de dimensão pequena. A economia do Brasil é mais complexa".

Mas a trajetória recente de expansão do Brasil em comparação com a de seus vizinhos e de outros emergentes indica que o país enfrenta problemas domésticos que limitam sua expansão. "Nossa desaceleração é, de longe, maior que a dos vizinhos. Vários enfrentaram cenário de crise externa igual ao nosso e não pararam de crescer", diz Ilan Goldfajn, economista-chefe do Itaú Unibanco.

Ele ressalta que alguns países da região aproveitaram os anos de bonança dos altos preços de commodities para elevar sua taxa de investimento, o que aumenta a capacidade de crescimento.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:19 Estado consulta União sobre prazo
19:19 Aliados de prefeito confirmados em CPI
19:18 Ferramenta permitirá cidadão controlar gastos públicos
19:18 Inquérito de conselheiros do TCE vai para o STJ
19:18 Estado economizou R$ 1 bilhão em gastos


19:17 Dinheiro do FEX pode atrasar, diz Wellington Fagundes
19:17 Governo estuda ‘revender’ dívida
19:09 Bosaipo é condenado a 18 anos
19:09 BOA DISSONANTE
19:08 Família: a construção da vida
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2015