Sexta feira, 15 de novembro de 2019 Edição nº 13247 29/02/2012  










SERVIÇO PÚBLICOAnterior | Índice | Próxima

Sem dinheiro, Estado prorroga nomeações

ALECY ALVES
Da Reportagem

Aprovados em concurso público para a carreira de servidor do Estado protestaram ontem, na porta da Secretaria de Administração (SAD), contra o atraso nas nomeações e a manutenção de servidores comissionados nos cargos que deveriam estar ocupados por concursados.

Do concurso realizado em 2009, cujo prazo regulamentar encerra-se em julho deste ano, 859 aprovados ainda não foram chamados. A partir do ano passado esses trabalhadores se mobilizaram e organizaram movimentos em defesa da contratação imediata.

Criaram um fórum dentro do site PCI concursos para encontros virtuais, uma comunidade no Twitter (@aprovados.mt) e, mais recentemente, uma página no Facebook. Agora ameaçam ingressar com ações na justiça comprovando que as vagas para as quais foram aprovados permanecem ocupadas por pessoas contratas por meio de empresas terceirizadas.

O presidente da “comissão dos aprovados”, Francisvaldo Gonçalves, aprovado para o cargo de Administrador, explica que o protesto aconteceu porque eles tentaram, por diversas vezes, reunir-se com o secretário de Administração, César Zílio, para mostrar a viabilidade e a necessidade das nomeações.

Conforme Gonçalves, um funcionário terceirizado pode custar o dobro do valor de um concursado. Para um salário de R$ 4 mil, cita, o governo do Estado pagaria à empresa R$ 8 mil.

Em reunião com uma comissão que representava os aprovados, o secretário César Zílio anunciou que o governo prorrogará a vigência do concurso por mais dois anos, conforme prevê a legislação brasileira.

O secretário disse que não tem previsão orçamentária e tampouco financeira para fazer essas nomeações. E, ainda, que o ingresso desses novos servidores geraria um impacto anual de R$ 32,2 milhões nos cofres do Estado.

Sobre os terceirizados, Zílio garantiu que os contratos serão rescindidos durante a vigência da prorrogação, com exceção daqueles cujas atividades não estão contempladas no concurso público em questão.

O anúncio do secretário não agradou os aprovados. Francisvaldo Gonçalves observa que seria um direito do Estado prorrogar a validade do concurso, desde que não existissem servidores contratados e essa decisão fosse realmente motivada por dificuldades financeiras.

Como não podem ingressar com ação coletiva, os aprovados estimam que até o próximo dia 7 todos tenham protocolado ações individuais na Justiça.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· Há muitos contratados só enfeitadndo bai  - BRIDA
· PAGUEM NOSSOS PLANTÕES GOVERNADOR, TEMOS  - Célia Ferreira
· É um direito ser chamado? É. Na hora de  - edy marcos
· Um dos Estados que mais arrecada recurso  - Gabriel Santos
· SEcretario pede ao SR Governador que tir  - Eunice Miranda
· governo de safados se nao tinhao dinheir  - junior




17:29 A Bolívia e seus dilemas - parte II
17:29 BOA DISSONANTE
17:28 Estado adia para 2020 decisão sobre VLT
17:27 Diferença entre direita e bolsonarismo
17:26 A saída da extrema pobreza


17:26 Reflexões da vida
17:25 Toffoli intima BC e obtém dados sigilosos de 600 mil pessoas
17:25
17:24 Brics ignoram crise na Venezuela e Bolívia
17:24 Zona de livre comércio com China pode prejudicar indústria
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018