Segunda feira, 18 de novembro de 2019 Edição nº 9866 14/02/2001  










RENAN CALHEIROSAnterior | Índice | Próxima

O golpe da vaca louca

O Canadá, responsável pela certificação sanitária do Nafta – mercado comercial que reúne Estados Unidos, Canadá e México -, decidiu na última semana suspender a importação da carne bovina brasileira. O anúncio surpreendeu pela intempestividade e carência de fundamentação técnica.

Os canadenses tomaram esta posição argumentando tratar-se de uma medida preventiva contra o mal da vaca louca, que contaminou os rebanhos ingleses. Ocorre que o Brasil não tem e nunca registrou um caso sequer ou mesmo suspeita da doença. Os bovinos brasileiros se alimentam de ração vegetal e pastagem e, em nenhuma hipótese, poderiam ter sido contaminados por insumos de origem animal industrializados na Europa.

As autoridades canadenses tergiversam sobre os reais motivos do boicote. Alegam uma demora na prestação de informações brasileiras sobre as ações de controle da doença. O governo brasileiro reconhece a lentidão na prestação dos esclarecimentos, mas alerta, licitamente, que o governo canadense nunca expôs sua satisfação ou insatisfação com as informações prestadas.

Apenas no dia 31 de janeiro deste ano, dois dias antes de entrar em vigor a decisão de suspender a importação da nossa carne, o governo canadense se manifestou sobre a insuficiência de informações e, simultaneamente, anunciou a decisão de boicotar o Brasil. Fato mais grave é que a hostilidade precisa ser obedecida também pelos Estados Unidos e México.

A recente cronologia de contenciosos comerciais entre Brasil e Canadá ratifica a convicção existente, tanto no Congresso, quanto nos produtores, de que se trata de uma retaliação comercial e não uma precaução sanitária. Tem origem na crise entre a brasileira Embraer e a canadense Bombardier na disputa pelo mercado mundial de jatos regionais.

A retaliação canadense merece respostas duras do governo brasileiro e o repúdio da nação. O governo brasileiro deve abandonar seus manuais de contemporização e responder energicamente a este terrorismo comercial. O diálogo e a civilidade são sempre os melhores caminhos, desde que o interlocutor abdique da animosidade, o que não está ocorrendo.

Caso o governo canadense não suspenda o boicote, convém aplicarmos as represálias comerciais cabíveis. Afinal, na relação bilateral, o Canadá exporta mais do que importa do Brasil. A carne do Brasil – terceiro maior exportador do mundo – vai, com certeza, encontrar outros mercados.

O Senado vai ouvir os Ministros das Relações Exteriores e da Agricultura. Além de cobrar as explicações cabíveis, já sustamos a votação de dez acordos de cooperação com o Canadá, começando pelo projeto que cria a Frente Parlamentar. O país exige respeito e um pouco de coragem não faz mal a ninguém.



* RENAN CALHEIROS é senador pelo PMDB-AL e ex-ministro da Justiça



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:15 Estado adia para 2020 decisão sobre VLT
18:15 BOA DISSONANTE
18:14 A vitória da Bandeira Nacional
18:14 Costumes cuiabanos I
18:13 Mais pragmatismo, menos ideologia


18:13 Renovar é preciso
18:13 Rotatória do círculo militar
18:12 As five: spin-off de Malhação: viva a diferença vai acompanhar chegada da Geração Z à vida adulta
18:12
18:11 Novo livro de Bela Gil tem receitas até com casca de banana
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018