Quarta feira, 14 de novembro de 2018 Edição nº 13097 27/08/2011  










Anterior | Índice | Próxima

Governo sugere PPP para implantar o VLT em Cuiabá

Da Reportagem

O governador Silval Barbosa (PDMB) colocou ontem que umas das possibilidades para a construção do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá e Várzea Grande é a Parceria Público-privada (PPP). Com aval do governo federal para implantar esse modal em Mato Grosso, Silval busca alternativas para o pagamento dos cerca de R$ 600 milhões de diferença entre o BRT (Bus Rapid Transit) e o VLT.

Até então, o governador falava apenas em o Estado financiar completamente o VLT e para isso conseguiu autorização da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) do aumento do limite de endividamento do Estado. A Parceria Público-privada não é avalizada apenas para a construção do VLT, mas o governador quer o modelo em outras áreas, diminuindo o investimento próprio do Estado. “Podemos diminuir os investimentos próprios com as Parcerias Público-privadas para melhoria tanto na infraestrutura e transporte como saúde e outros setores”, disse Silval, que participou ontem da abertura do Congresso de Direito Constitucional e o Meio Ambiente, da Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Diamantino.

Depois de longa peregrinação em Brasília, o governador conseguiu na terça-feira autorização do governo federal para encaminhar o projeto da construção VLT à Caixa Econômica Federal (CEF), que vai reavaliar e fazer uma consulta técnica para quantificar os investimentos necessários para que o modal seja construído na Capital. “A presidente pediu mais uns dias, mas me autorizaram a fazer a consulta na Caixa Econômica Federal. O aval para construir o VLT nós já temos e isso é que importa agora”, disse Silval Barbosa.

A autorização para nova análise pela Caixa Econômica foi vista pelo governador como um “sinal positivo” para o VLT. O problema todo é que Cuiabá já tinha definido o BRT como novo meio de transporte a ser implantado e assinado isso na matriz de responsabilidade das cidades-sedes da Copa do Mundo. Para esse modelo, já estava garantido o financiamento de R$ 451 milhões para se construir três corredores de ônibus. Além da alteração da matriz de responsabilidade nessa altura do campeonato outro problema é o valor, já que o VLT foi estimado em R$ 1,1 bilhão.

Com as articulações feitas em Brasília, o governador já tem sinal verde para a mudança, mas depende da avaliação do projeto na Caixa Econômica. “Não tem prazo. A escolha do governo de Mato Grosso é o VLT, que é mais rápido e moderno”, disse Silval.

Defensor inconteste do VLT, o presidente da Assembleia Legislativa, José Riva (PP), que também participou do evento ontem, disse que a expectativa é de que até o dia 2 de setembro todas as pendências para a implantação estejam resolvidas.

O governo também argumenta que as desapropriações com o VLT terão um valor menos se comparando com a do BRT. Porém, ainda não existe um estudo específico das desapropriações no caso do VLT. (ARF)



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· Acabando com o "jeitinho brasileiro  - Jean M. Van Den Haute
· Agora sr. Governador, só falta resolver   - Maria
· Parabéns sr. governador. Está se revelan  - Maria




18:02 Produtores não descartam protestos na Capital
18:01 Servidores públicos vão voltar a trabalhar 8 horas por dia
18:01 Sem RGA, servidores vão paralisar as atividades por 24 horas
18:01 Ex-secretário de Administração Geraldo de Vitto é condenado
18:01 Mauro Mendes pede corte aos Poderes


17:46 Nossa! Minha cidade sumiu
17:45 Neri Geller é`Preso por fraude no Ministério da Agricultura
17:45 BOA DISSONANTE
17:44 O recado foi dado
17:43
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018