Quarta feira, 22 de maio de 2019 Edição nº 13080 07/08/2011  










POESIAAnterior | Índice | Próxima

José de Mesquita, o poeta de outra época

Entre 1919 e 1921 lutou pela cultura de MT, sendo o principal incentivador da criação do Instituto Histórico e Geográfico e da Academia Mato-grossense de Letras

Vinícius Masutti
Especial para o Diário de Cuiabá

José de Mesquita era de outra época. Era da época em que Cuiabá, se escrevia com “y” e que o rio de mesmo nome, ainda era límpido, aliás, assim é sua poesia, limpa e transparente. José era um amante da natureza (não podia ser diferente, já que nasceu no meio dela, no meio do mato grosso). Em seu livro de poesias, escrito em 1919 que se dividia em poemas “Do Amor, Da natureza, Do sonho e Da arte”, Mesquita faz uma bela e sincera dedicatória á ‘Matto-Grosso’ que diz “minha querida terra natal, na data festiva do seu Bicentenário, dedico as primícias de um espírito que se formou na visão do seu passado tradiccional e no sonho do seu futuro luminoso.” Fica evidente o sentimento que o autor tem pelo estado em que nasceu. Um pouco antes daquele livro, José de Mesquita estudou Direito em São Paulo, pois além de poesia, também escrevia com as letras da Justiça.

Mas entre 1919 e 1921 lutou pela cultura mato-grossense, sendo o principal incentivador da criação do Instituto histórico e geográfico do estado e também da Academia Mato-grossense de Letras, onde ocupou a cadeira nº19, de José Vieira Couto de Magalhães e é patrono da de nº27, além de outra cadeira muito importante (e sem número), a de Presidente, onde ficou por quarenta anos e nesse tempo, inúmeros avanços aconteceram, na academia e também no tribunal de Justiça(presidindo-o), fazendo jus á sua alcunha de poeta-jurista.

A história de José Barnabé de Mesquita, que era também nome de seu pai, é completa. Aos quinze anos completou seu curso de Ciências e Letras no Liceu Salesiano São Gonçalo (fazendo a alegria de sua família), e mais tarde ministrou aulas de Latim em outro Liceu, desta vez o Cuiabano. Ainda no tempo do império, exerceu cargos como o de Auditor de Guerra e na república foi diretor da Tipografia Oficial. Vê-se que o alvo desta narrativa não é de poucos objetivos. No alto de seus 18 anos, começa a escrever crônicas para o jornal “O Comércio”, dirigido na época por Estevão de Mendonça, pai do igualmente grande historiador-poeta Rubens de Mendonça e então passa a figurar nas linhas cuiabanas como escritor. O imagético poeta-contista-jurista, cresce na capital mato-grossense, pois nela faz suas grandes conquistas e com estas eleva o nome do estado no país, pois também era considerado na capital paulista, onde era membro atuante do Instituto Heráldico e Genealógico e da Academia de ciências e letras de São Paulo. Seus contos, crônicas e poemas são saborosas histórias contadas de uma nova forma, de uma forma parnasiana, cantadas com nova voz, a voz de orador e membro fundador do instituto histórico e geográfico e da Academia de Letras do Mato Grosso. Tão bela é sua história, que José de Mesquita recebeu do Ministério da Guerra, uma medalha de Pacificador, por seus trabalhos prestados á pátria. Um homem que viveu com e para as letras (em versos, estrofes, artigos, parágrafos e incisos) deve ser lembrado e lido, principalmente.



*Vinícius Masutti é estudante de filosofia na UFMT e poeta desconhecido, colaborador do DC Ilustrado (viniciusmasutti@yahoo.com.br)



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:44 Taques diz que deseja depor no caso dos grampos
19:44 BOA DISSONANTE
19:43 Populismo não é ameaça
19:43 Um novo dia, de um novo tempo!
19:43 Proporcionar crescimento ao país


19:42 O preço da incerteza
19:42 Reflexões da vida
19:41 Filme francês com romance lésbico volta a chamar a atenção na disputa
19:41
19:40 Filme do brasileiro Karim Aïnouz martela as várias facetas do machismo em Cannes
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018