Sábado, 21 de setembro de 2019 Edição nº 13072 29/07/2011  










SANTOSAnterior | Índice | Próxima

Léo diz que pensou em goleada histórica e minimiza Gaúcho

Da Redação

Os três gols marcados pelo Santos em 26 minutos de jogo contra o Flamengo deixaram Léo com a impressão de que o show santista seria concretizado. No entanto, o adversário empatou o jogo ainda no primeiro tempo, e conseguiu a vitória por 5 a 4. O resultado deixou o experiente lateral frustrado.

“Foi muito frustrante. Achamos que íamos fazer uma goleada histórica, só que o futebol nos reserva surpresas. Começamos melhor e terminamos bem pior”, destacou Léo.

“O jogo foi atípico para o torcedor, imprensa, e outras pessoas. Mas quem vive a realidade dentro de campo não pode gostar disso. Sair com 3 a 0 e perder é frustrante”, complementou.

O lateral-esquerdo fez críticas ao comportamento do time na equipe, e preferiu não enaltecer a atuação de Ronaldinho, autor de três gols do adversário.

“Sim, ele dispensa comentários, mas nós deixamos o Flamengo jogar. Quando fizemos 3 a 0, nós achamos que o jogo estava ganho, só que não foi assim”, destacou.

SEM FOLGA - Abalado pela tentativa de sequestro sofrida pelo seu pai, o meia Elano rejeitou a possibilidade de deixar de jogar pelo Santos para tirar alguns dias de descanso. O jogador reconheceu que vem atravessando um momento difícil em sua vida pessoal, mas acredita que a melhor alternativa para ele é estar ao lado de seus companheiros, ajudando o Peixe na busca pela reabilitação dentro do Campeonato Brasileiro.

"Vou querer jogar sempre. Errei um pênalti contra o Flamengo, mas eu não estava fazendo nada de errado no campo até então. Venho fazendo o que o Muricy vem me pedindo e, caso não seja problema de cartão ou lesão, vou estar sempre preparado para jogar", disse Elano.

Tenso, o meia relembrou o drama envolvendo o pai. "Na segunda-feira à noite a mãe dos meus filhos (ex-esposa) ligou para mim e pediu para eu ir até a Iracemápolis(onde nasceu). Chegando lá, na igreja da cidade, o meu funcionário me ligou e disse que meu pai estava amarrado no meu sítio. Graças a Deus eles, que não sabiam que era o meu pai, quando viram quem era o soltaram. Pegaram camisas e agasalhos da seleção. Só que na terça eles voltaram para pegá-lo. Mas, felizmente, acabou tudo bem. Sou uma pessoa abençoada", comentou.

Lamentando o episódio envolvendo o pai de Elano, o técnico Muricy Ramalho demonstrou confiança na personalidade do atleta para superar o problema. "O Elano teve um problema sério. Mas, graças a Deus, foi tudo resolvido da melhor maneira. É um drama que vem acontecendo no país todo e um susto muito grande. Só que confio no Elano. Ele é um jogador preparado, vai superar isso e nos ajudar muito com o seu futebol", encerrou.

Sendo assim, a tendência é que o meia esteja em campo no próximo compromisso dos santistas pelo Brasileirão. O Alvinegro Praiano enfrenta o Atlético-PR, domingo, às 17h30, na Arena da Baixada.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




15:30
15:29 Nietzsche ganha verniz pop em nova biografia, que o apresenta como misógino
15:29 Emicida retoma parceria com o duo Ibeyi na nova música Libre
15:28 Loucos de Amor volta aos palcos neste final de semana
15:28 Chico Cesar sai em busca de todas as forças


15:15 Entre vaias e aplausos a Bolsonaro, parlamentares são premiados e dançam funk
15:15 Ensino a distância triplica e presencial tem menos calouros em sete anos
15:14 Eduardo Bolsonaro destaca busto de barão do Rio Branco em comissão da Câmara
15:11 Gabinete do ódio tensiona Planalto
15:09 Marcha global pelo clima mobiliza ativistas em diversas cidades brasileiras
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018