Sexta feira, 20 de setembro de 2019 Edição nº 12976 03/04/2011  










Anterior | Índice | Próxima

CNA quer corrigir “inconstitucionalidade”

Da Redação

A possibilidade de alteração nos indicadores de produtividade da terra está mobilizando produtores e levando à reação em cadeia da bancada ruralista no Congresso. A presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), a senadora Kátia Abreu, apresentou projeto de lei visando alterar os artigos que dispõem sobre a fixação e o ajuste dos parâmetros de produtividade. A intenção é corrigir a inconstitucionalidade da Lei nº 8.629/93 em relação à exigência, simultânea, do atendimento de dois indicadores, Grau de Utilização da Terra (GUT) e de Grau de Eficiência da Exploração (GEE) para atendimento da conceituação da propriedade produtiva (art. 6º) e para a caracterização da função social (art. 9º).

Na avaliação da senadora, os artigos 6º e 9º da Lei Agrária misturam, de forma equivocada, dois conceitos que não se confundem: “aproveitamento racional e adequado” com o de “propriedade produtiva”. Hoje, para a fazenda não ser considerada improdutiva o produtor rural atende a lei, que além de 100% produtiva (GEE), exige a produção obrigatoriamente de 80% da sua área utilizável (GUT), mesmo que tenha prejuízos. “Se um produtor decidir pela redução da produção e da sua área plantada, por uma questão estratégica de mercado, corre o risco de ser desapropriado”, acrescenta Kátia Abreu.

“Considerando duas propriedades rurais vizinhas, A e B, com a mesma área aproveitável de 1 mil hectares, cada uma. A propriedade A plantou 800 hectares de milho e colheu 3,5 mil toneladas. Já a propriedade B plantou 700 hectares de milho e colheu 4,2 mil toneladas, por usar mais insumos, tecnologia e capital. O índice exigido na região é de 1,9 toneladas/hectare. Numa eventual vistoria do Incra, a propriedade B, que produziu mais, é classificada e julgada como “improdutiva”, pois alcançou um grau de utilização da terra de 70%, embora obtendo o GEE (grau de eficiência produtiva) superior a 100%, neste caso, de 315%. A propriedade vizinha, que produziu menos, entretanto, é classificada como produtiva, porque obteve um grau de utilização da terra de 80% e um grau de eficiência produtiva de 263%”, exemplificou a senadora.

“Desta forma, as propriedades produtivas, insuscetíveis de desapropriação, estão sendo equivocadamente desapropriadas. Por isso, é necessária uma alteração na lei que estabelece os índices de produtividade, considerando o que significa a exploração racional e econômica da terra, ou seja, que os lucros e prejuízos do produtor sejam igualmente avaliados e medidos. Não adianta aumentar a produção e a produtividade se não há o correspondente mercado consumidor. A economia agrícola é uma economia de mercado”, reforçou Kátia Abreu.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:14 Embarques de milho somam US$ 1,34 bi em agosto, alta de 169,2%
18:13 Confinamento impulsiona abates em MT
18:02 Selma muda para o Podemos
18:02 BOA DISSONANTE
18:01 Ajuste no lugar errado


18:01 Medidas cautelares e prerrogativa de foro
18:00 Força feminina
17:59 Pivetta assume governo pela primeira vez
17:59 Revisão aponta superávit de R$ 121 milhões
17:59 Vereador entrega cargos que possuía na Prefeitura
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018