Domingo, 13 de outubro de 2019 Edição nº 12972 30/03/2011  










POLÊMICAAnterior | Índice | Próxima

Ônibus só com catraca

Começam a circular na Grande Cuiabá coletivos sem a figura do cobrador. Motoristas podem ter que receber pela passagem

Pedro Alves/DC
Situação, ainda experimental, acontece em linhas que partem de terminais, com usuários munidos de cartão
JOANICE DE DEUS
Da Reportagem

Linhas do transporte público urbano consideradas rápidas e com pouco número de passageiros, especialmente os que pagam com dinheiro, estão funcionando sem a presença do tradicional cobrador de ônibus em Cuiabá e Várzea Grande. A mudança é possível a partir do uso do cartão transporte, mas causa polêmica, pois pode vir a gerar desemprego, conforme prevê o sindicato dos trabalhadores que atuam no transporte coletivo local. E isso também significa o motorista ter que receber a passagem e ainda dar troco, quando necessário.

Na Capital, a experiência já ocorre em seis linhas, entre elas uma expressa, que sai do terminal do CPA III e vai até o Centro, e as alimentadoras que atendem Barreiro Branco, Sucuri e outra que fica na região do Alto da Glória. Já na Cidade Industrial seriam pelo menos oito linhas sem cobrador, conforme o secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Urbano, Ledevino da Conceição. Entre elas estão a as alimentadoras da Sadia, Limpo Grande e Bonsucesso. “São linhas curtas e com poucos usuários”.

A grande preocupação do Stett é quanto ao fato da iniciativa gerar desempregos. Por isso, conforme Conceição, em fevereiro passado foi feito um adendo ao acordo coletivo da categoria firmado em 2010. Esse acréscimo busca resguardar a categoria prevendo a estabilidade por um período de 13 meses. “O sindicato está acompanhando essa mudança, que precisa ser feita com cautela para não causar transtornos para os trabalhadores ou para a população”, disse.

Além disso, os profissionais dos carros que deixaram de ter cobradores passaram por cursos de capacitação e foram promovidos. Já os motoristas, que passarão a receber o dinheiro da passagem, vão ganhar comissão que vai de 5% a 10% sob o salário hoje de R$ 1.345.

A figura do cobrador não existe mais em municípios mato-grossenses como Rondonópolis e Sinop e em cidades como Campo Grande (MS) e Goiânia (GO). “Esta é uma situação que vai acontecer gradativamente e conforme o usuário for adquirindo o cartão transporte. Hoje, ainda há muitos usuários pagantes”, frisou. Como são linhas curtas e rápidas, tanto Ledevino Conceição como o diretor de Transportes de Cuiabá, Gabriel Muller, afirmam que a iniciativa não tem gerado transtornos para os motoristas, que além de responsáveis pela condução correta do veículo, também terão que ficar ligados nas pessoas que passam pela catraca.

Conforme Muller, na linha expressa do CPA III/Centro o motorista não cobra, já que os passageiros pagam antes para entrar no terminal e ônibus só para o desembarque das pessoas. Situação semelhante ocorre nas demais linhas. “São linhas que não tem muita demanda e com pouco movimento. No caso do CPA, o pessoal embarca no terminal e o motorista não pega mais ninguém”, afiançou. Na Capital, aproximadamente 200 mil pessoas utilizam o transporte coletivo diariamente. A estimativa é que metade (50%) use o cartão.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· Meu caro Jean M. Van Den Haute, você é u  - Hélio Santos
· Não é inevitável!!! Quero contrapor ao q  - Hélio Santos
· É uma verdadeira vergonha esse sistema q  - Edina Franco de Moraes
· É a preparação para a implantação do mod  - Luiz Orlando
· estas pessoas tem q utilizar do transpor  - onibuzilda
· A economia com o pessoal deve aparecer  - Jean M. Van Den Haute
· É SACANAGEM, CACHORRADAAAA...NEM QDO A L  - PRETA
· Agora que o circo vai pegar fogo a camin  - Pescador de sonhos
· Seria mais interessante se estas linhas   - mariana
· Vai ficar pior do que já esta,coitados   - Elizabeth Regina
· Tem é que colocar mais onibus nas ruas e  - Paulo Roberto
· Crise de identidade: será que ele cobra   - Jeves Bejani
· Nós, os usuários do transporte coletivo,  - Hélio Santos




16:35 Indústria alimentícia corre atrás do público que prefere comida orgânica
16:27 Riva diz ter pago R$ 175 mi para parlamentares
16:26 Habemus Autoridade Nacional de Proteção de Dados
16:25 O amor constrói
16:24 Solução estrutural


16:24 Lei de abuso de autoridade é ato de abuso de poder parlamentar
16:23 Chico Buarque lança primeiro romance após o Prêmio Camões
16:23
16:22 Terror nacional, Morto não fala mostra Daniel de Oliveira ouvindo lamento de cadáveres
16:21 A vida invisível disputa Oscar com 92 filmes
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018