Terça feira, 17 de setembro de 2019 Edição nº 12448 25/06/2009  










POLÍCIA MILITARAnterior | Índice | Próxima

Expulsão atinge cinco policiais

Da Reportagem

A expulsão da Polícia Militar atingiu cinco “praças” da corporação, após comprovada, no âmbito administrativo, seu envolvimento na manifestação por reajuste salarial ocorrida em 2007, em Cuiabá. De acordo com o corregedor-geral da PM, o coronel Jorge Catarino Morais Ribeiro, o motivo da exoneração foi a conduta “inaceitável” adotada pelos militares em frente ao 1º Batalhão da PM, no dia 20 de abril de 2007. Outras duas exonerações publicadas em Diário Oficial não estão relacionadas ao fato.

Conforme o corregedor, os policiais teriam afrontado e desacatado oficiais, impedido a saída de outros militares do batalhão, e esvaziado os pneus das viaturas, impedindo o atendimento das ocorrências. “Para nós já é o suficiente para a expulsão. A PM não aceita esses tipos de atitudes”, justifica.

O coronel explica que além dos cinco policiais já com o processo de exoneração concluído, sendo dois deles publicados em Diário Oficial – Rinaldo Luiz Siqueira Campos e Elias Ribeiro da Silva –, o Conselho de Disciplina da PM ainda analisa outros militares envolvidos, que também poderão ser expulsos da corporação.

“Não vi em momento algum policiais ameaçando ou fazendo desordem”, afirma a ex-presidente da Associação das Famílias Milicianas da Baixada Cuiabana, Veranei Nogueira, que presidia a associação na época. Conforme ela, os policiais estavam presentes no local, juntamente com os membros da associação, de forma pacifica reivindicando melhorias salariais.

No entanto, enfatiza o corregedor, os policiais foram julgados conforme depoimento de várias testemunhas. “O problema não é a reivindicação, tanto é que houve discussões realizadas na Assembléia Legislativa. Mas, sim, a conduta que esse militares tiveram diante do Batalhão”.

A reportagem tentou contato com Rinaldo, cuja exoneração foi publicada na semana passada, conforme afirmou Catarino, porém, não foi localizado. Mas familiares disseram desconhecer a exoneração do policial. Além do processo administrativo, afirmou o corregedor, os militares exonerados também respondem criminalmente. Os processos, segundo ele, tramitam pela 11ª Vara da Justiça Militar. (DC)



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· Está na hora de acabar com esse militari  - Jusmilitar - site em defesa dos militares
· Quem busca melhores salários eles punem   - indignado
· que vergonha, a pm não expulsa os ladrõe  - joão eduardo
· Simples assim: tdos tem familia para   - Astolfo Arldo Mendes
· Quando o comando da policia militar deve  - paulo




18:02 BOA DISSONANTE
18:01 Taques se preocupa com contas na AL
18:00 o Senado Federal e a ditadura do STF
18:00 Deputado é cidadão! Até que ponto?
17:59 O secretário e a arena


17:57
17:57 Resistência à CPMF
17:56 A história secreta de uma indústria pop
17:56 Com novo livro, Pondé diz que modernidade é como adolescente que julga mãe
17:55 O nome dela é Gal
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018