Quinta feira, 19 de julho de 2018 Edição nº 11977 28/11/2007  










HISTÓRIA NATURALAnterior | Índice | Próxima

Museu eclético ‘visita’ alunos em Cuiabá

Parte do acervo do espaço sediado em Uberaba está na cidade, com peças das mais variadas, desde suposto esqueleto de extraterrestre a ‘vampiros’

Pedro Alves
Uma das principais atrações, o esqueleto de um óvni, atrai a maioria
JOANICE DE DEUS
Da Reportagem

Alunos da Escola Estadual Alcebíades Calhao, em Cuiabá, tiveram ontem a oportunidade de conhecer um museu bastante eclético. Oitenta peças de um acervo de 25 mil do Museu de História Natural Wilson Estevanovic, de Uberaba (MG), foram expostas em uma das salas da unidade aguçando a curiosidade dos estudantes.

Uma das peças que mais chamou a atenção foi a de um ser aparentemente não-humano, que foi analisado e reconstituído em Tóquio, no Japão. Segundo o curador da exposição, Wellington Estevanovic, o esqueleto pode ser de um extraterrestre.

O ser hermafrodita apresenta cabeça desproporcional ao corpo, com 97 centímetros de circunferência, tronco com 12 centímetros, arcada dentária completa e seis dedos nos pés. “Foram realizados exames que mostraram que o esqueleto difere da realidade humana, principalmente porque a densidade óssea é de 2 a 30, enquanto a de um ser humano varia de 500 a 1.500”.

O esqueleto compõe a ala da “Ufologia” da avant premier, que integra o projeto “Maomé”. “A idéia é que, se as pessoas não vão ao museu, o museu vai até elas”, disse Estevanovic.

A exposição também é composta pelas alas da Geologia (meteoritos e lava vulcânica, por exemplo), da Arqueologia (evolução do homem), Biologia (coração humano, feto com quatro meses, múmia de uma criança “Pigmeu”, com 30 centímetros de altura), Astronomia, Paleontologia (fósseis e representação de dinossauros) e ala da Egiptologia, que trouxe uma múmia húngara datada de 1.840, além de artefatos egípcios como escaravelho, anúbis, sarcófago e papiro.

Uma das peças que mais chamou a atenção dos estudantes foi a de uma criança sem cérebro, devido ao uso de drogas. “Achei interessante e impressionante. Choca saber o que a droga pode fazer com uma pessoa, principalmente, em uma mulher grávida”, comentou Yamins Tomáz, 12 anos, aluna da 7ª série.

Também estudante da 7ª série, Igor Lopes Sampaio, 14, aprovou a exposição. “Só estive em um museu de pedra, na Bahia. Ainda não tinha visto em uma exposição tão interessante como esta”, disse.

Outra peça que atraiu a atenção foi a do “Homem Morcego” – Gulay”, que segundo a lenda, “seria o guardião responsável pelos tesouros guardados nas grutas indígenas da Serra do Roncador”.

Conforme Estevanovic, a exposição deverá retornar em março do ano que vem a Cuiabá com um número maior de peças, inclusive, com os esqueletos de um Tiranossauro Rex de 14 metros de comprimento e 5,5 de altura.

Ele também diz que tem interesse de instalar alguns projetos no Estado, como um observatório e um Museu de Ufologia em Chapada dos Guimarães. “Chapada é um município tido como referência mundial para ser avistar óvni”, comentou.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· GOSTARIA DE SABER SE A EXPOSIÇÃO VISITAR  - elizete




21:19 Figueirense derrota o Náutico
21:19 Atlético-MG goleia o Goiás e briga pela Sul-Americana
21:18 Corinthians erra muito e perde em casa
20:49 PM acerta detalhes para segurança
20:49 Ministro elogia plano entregue por Mato Grosso sobre o PDE


20:49 Mais de 3 t apreendidas e 2 são presos
20:49 TRF nega direito a depoimentos nos EUA
20:48 Médicos conveniados desistem de greve
20:48 Audiência de oficial PM é adiada
20:47 Prefeitura divulga suposta queda
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018