Sábado, 20 de dezembro de 2014 Edição nº 11424 21/01/2006  










DENÚNCIAAnterior | Índice | Próxima

Trabalho escravo em MT

Fazendeiro de Querência é denunciado pelo Ministério Público
por manter 215 trabalhadores em condições semelhantes à escravidão



Polícia Federal, em 2004, ao atender denúncia de trabalho escravo em fazendas de Mato Grosso
ALINE CHAGAS
Da Reportagem

O Ministério Público Estadual ofereceu denúncia na quinta-feira contra o proprietário e quatro funcionários da Fazenda Roncador, localizada em Querência, no norte de Mato Grosso, por manter trabalhadores em condições semelhantes à escravidão. Em 2004, cerca de 215 trabalhadores foram encontrados pela Polícia Federal em condições degradantes na Fazenda Roncador. Nos depoimentos, os trabalhadores informaram que eram mantidos na fazenda desde 1998.

Antônio Rocha Marais, Joel Pereira, Hedimilton Alves, José Nilson Alves Cabral e Pelerson Soares Penido foram denunciados pelo não cumprimento de direitos trabalhistas e pelo crime de formação de quadrilha. O promotor da comarca de Querência, Douglas Lingiardi Strachicini, pediu ainda a decretação da prisão preventiva dos denunciados. Se condenados, os denunciados poderão pegar de dois a oito anos de prisão.

O promotor explicou que a denúncia só foi oferecida agora porque primeiro o processo tramitou na Justiça Federal, para depois ser encaminhado para o Ministério Público Estadual, em novembro do ano passado. “Quem tiver oportunidade de ler os autos, pode perceber que os trabalhadores encontrados estavam em estado absolutamente degradante e lamentável”, contou o promotor.

Conforme a denúncia, Antônio Marais foi o responsável por buscar os trabalhadores, de ônibus, em outras regiões de Mato Grosso e em outros estados. Ainda pela denúncia, Joel Pereira era o gerente da fazenda, Hedimilton Alves o responsável pelo armazém da propriedade, José Cabral o responsável pelo departamento de pessoal e Pelerson Penido o proprietário da Fazenda Roncador.

O promotor relatou que apurou nos autos do inquérito que os trabalhadores na Fazenda Roncador, pertencente à Agropecuária Roncador S/A, eram levados e mantidos no local por um sistema conhecido como “Truck Sistem”. Esse sistema consiste, de acordo com o promotor Douglas, em contratar trabalhadores braçais de diversos pontos do país, fazer o transporte e deixá-los na fazenda onde há trabalho.

“Só que quando chegaram na Fazenda Roncador, muitos foram informados que já deviam o valor da passagem. Não existiam moradias e para dormir, os trabalhadores tiveram que construir barracos (sem banheiros) e colocar tábuas no chão de terra, para servir de cama”, relatou o promotor.

A denúncia do Ministério Público revelou ainda que os trabalhadores eram obrigados a comprar mantimentos no armazém situado dentro da propriedade, que vendia os produtos com preços abusivos. No armazém, disse o promotor, os trabalhadores não podiam comprar com dinheiro, mas sim marcar em cadernetas. Conforme a denúncia do MP, “no final do mês, o salário que eles recebiam sempre era menor do que o que deviam no armazém, de forma que ficavam com mais dívidas e não conseguiam ir embora da fazenda”.

Na denúncia, o promotor citou como exemplo da situação ruim em que eram mantidos os trabalhadores a água que era usada para o banho, higiene e consumo. De acordo com o promotor Douglas, a água para esses fins era proveniente de uma represa da Fazenda (conhecida como Rio Betes), de onde os animais da fazenda também bebiam.

A reportagem entrou em contato com a sede da Fazenda Roncador, em Querência, mas a funcionária que atendeu informou que o proprietário está viajando e passou outro número para contato. Ninguém atendeu o telefone no outro número informado como do escritório de Recursos Humanos da Fazenda Roncador.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· eu não acredito que penido concordou com  - felipe almeida
· peço desculpas por estar usando este esp  - Patricia Ap. Geraldino
· Quanto mas dinheiro si tem,mais miseravé  - daiany feitosa
· Trabalho Escravo, Ao oferecer denúncia   - MIRANDA MUNIZ

14:07 ‘Diálogo será um exercício cotidiano’
14:06 Delegado diz que PF faz sua parte
14:05 PF realizou 17 operações neste ano
14:03 Audiência acontecerá na segunda
14:03 Combinação de preços se repetiu


14:03 Eleições suplementares são cobradas
13:52
13:45 Setpu afirma que obras serão executadas durante estiagem
13:45 Carretas terão tráfego restringido
13:44 Captação precisa ser discutida
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2012