Quinta feira, 21 de março de 2019 Edição nº 10982 01/08/2004  










GASTRONOMIAAnterior | Índice | Próxima

Al Manzul, o sabor das mil e uma noites

Com uma lista de clientes que inclui celebridades como os músicos das bandas Titãs e Skank, ministros, governadores e até o presidente do BIRD, o Al Manzul coloca Cuiabá no principal guia de turismo do país

MÍRIAM BOTELHO
Da Reportagem

Quem percorre o pequeno trecho de estrada de chão não imagina que ali bem perto do Rio Cuiabá está o melhor restaurante de comida Árabe do Brasil, o Al Manzul, _ com classificação de duas estrelas no Guia Brasil Quatro Rodas e Guia Sesc Brasil, edição 2004 _, localizado na Av.Arquimedes Pereira Lima (Estrada do Moinho).

Várias vezes na lista dos melhores do país, o local é privilegiado, tanto que já foi alvo de diversas matérias em jornais, revistas de circulação nacional e internacional, e mais recentemente do programa da Rede Bandeirantes ‘Comando da Madrugada’, do jornalista Goulart de Andrade. A receita do sucesso não está apenas na comida excelente, temperos na medida certa, local com vista privilegiada, mas no carisma de Clariman e Solah Saleiman Ayoub, que durante os últimos sete anos tem colocado o nome de Cuiabá no principal guia de turismo do Brasil.

O local é alvo de celebridades, Titãs, Skank, Almir Sáter, ministros, governadores, e até o presidente do BIRD, Henrique Iglesias já degustaram das receitas que parecem ter saído do clássico “Mil e Uma Noites”. Eles nunca investiram em mídia, a propaganda é feita boca a boca, literalmente. Através de Henrique Iglesias, o cardápio foi alvo de duas páginas de uma revista italiana, comenta Ayoub. Algumas receitas integram o livro “Você tem fome de que?”, do já falecido Marcelo Fromer(banda Titãs), e também alvo do programa Vídeo Show, da Rede Globo. E, ainda tem a história de um sheik do Kuwait que tentou adquirir as receitas, e ganhou um sonoro não. Nem mesmo os funcionários têm acesso as receitas. Os produtos utilizados chegam através de uma importadora de São Paulo, que traz do Líbano o óleo de gergelim, a folha de uva para a feitura do charuto. “Na nossa dispensa só temos produtos importados, custa mais caro, porém, é a certeza de que o cliente vai gostar. As nossas receitas seguem uma tradição, nada é modificado”, explica o gourmet. Tudo o que é servido nas refeições segue milimetricamente as receitas ensinadas há várias gerações. “Eu brigo se mudarem as receitas. É a mesma coisa que fazer uma feijoada com novos ingredientes. O gosto não será o mesmo”.

Para o visitante, o banquete é formado por mais de 25 iguarias, que incluem receitas libanesas, e criações dos proprietários. As matérias, que são importadas do Líbano, como as folhas da uva, água de laranjeira, semolina, o suco de romã, gergelim, fazem com que a berinjela ao suco de romã, bolinho de gergelim, e picles com fava ao molho tenham um sabor muito bom. Este último é uma receita de origem egípcia. E mais: carneiro com arroz e amêndoas, arroz marroquino, charuto de folha de uva, charuto de repolho, arroz com lentilha, quiabo ao suco de romã, omelete de ervas (verde), kibe ao peixe, kibe cru, coalhada seca, molho de hortelã, entre outras iguarias, são servidas nas refeições. Antes dos pratos principais estão à disposição do cliente 19 entradas, e dois tipos de sobremesa.

O cliente saboreia a refeição ouvindo o clássico da música árabe, e, aos domingos, ainda tem apresentação de dança do ventre. As paredes são cercadas por imagens que remetem ao Oriente Médio.

O restaurante Al Manzul existe há nove anos, e, os donos, residem na chácara há mais de três décadas; já receberam, inclusive, convites para abrirem filiais nas grandes capitais. Mas, a resposta, foi um não.

A grande responsável pela cozinha é Clariman Ayoub, é ela que coloca os temperos, e detém o conhecimento de todas as receitas. A parceria do casal é o grande mote do restaurante. São eles é que dão vida ao local. Apesar de ser um negócio de família nenhum dos filhos tem interesse em continuar a tradição de chefe de cozinha. E o maior medo é que as receitas não sejam utilizadas pelas novas gerações da família. Para Clareiam o desejo é publicar um livro de receitas.

O responsável pelo Guia Quatro Rodas nunca avisa quando irá fazer a avaliação. Desta vez a visita aconteceu no período noturno. “O restaurante estava lotado, e, para nossa surpresa, quando todos foram embora, percebemos que havia sobrado um cliente. A fiscalização entrou noite a dentro - percorreu desde a cozinha, até o nosso estoque. Ele queria ter certeza que os nossos produtos são importados.

No Brasil desde 1955, Salah Ayoub, sempre gostou de promover grandes almoços. Comerciante, dono de lojas, reside em Cuiabá há muitos anos. Fundador do Clube Monte Líbano, em sua chácara costumava receber algo em torno de 150 pessoas em suas festas. E com o passar do tempo, o que era um hobby, se transformou em um restaurante de sucesso.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· Bom Dia, Com relação a reportagem do   - Rosalva




19:31 Bancada federal se reúne com ministro da Infraestrutura e cobra duplicação da BR-163
19:30 Deputados aprovam RGA para os servidores da Justiça
19:30 Botelho apresenta 55 proposições e lidera número de projetos
19:29 Justiça bloqueia bens de deputado Romoldo, Riva, Savi e Fabris
19:27 Partidos de olho no Palácio Alencastro


19:27 MT troca Bank of America pelo Banco Mundial
17:21 Alerta na Lava-Jato
17:21 BOA DISSONANTE
17:20 Os negócios são digitais, e agora?
17:20 Gestão pública
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018