Quinta feira, 18 de outubro de 2018 Edição nº 10311 06/06/2002  










MEIO AMBIENTEAnterior | Índice | Próxima

MT ganha novo parque de preservação

Governador assinou ontem, no Dia Mundial do Meio Ambiente, o decreto criando o Parque Águas do Cuiabá

GERALDO TAVARES/DC
O governador Rogério Salles e o secretário Frederico Müller durante solenidade ontem no Parque Mãe Bonifácia
Da Reportagem

A assinatura do decreto de Criação do Parque Águas do Cuiabá e da portaria oficializando os 64 Grupos de Trabalho em Educação Ambiental (GTs) marcou ontem, em Cuiabá, as comemorações ao Dia Mundial do Meio Ambiente. Mas, problemas ambientais, como o desmatamento ilegal, as queimadas e o esgoto sanitário que é lançado “in natura” no rio Cuiabá também foram lembrados durante o evento, realizado no Parque Mãe Bonifácia, com a presença do governador Rogério Salles e do secretário de Meio Ambiente e presidente da Fema, Frederico Müller.

Frederico Müller comentou que a assinatura do decreto e da portaria foram dois atos que simbolizaram apenas o que se pode fazer pelo meio ambiente. “Mato Grosso nunca investiu tanto na preservação do meio ambiente nos últimos anos, com o objetivo de proteger esse ecossistema tão rico, que representa 50% de Mato Grosso”, enfatizou.

Segundo Frederico Müller, o Parque Águas do Cuiabá está sendo criado com recurso de compensação de Manso, administrado por Furnas Centrais Elétricas S/A, e com a contrapartida do Governo do Estado.

O Parque Águas do Cuiabá irá abranger os municípios de Nobres e Rosário Oeste (Médio-Norte de Mato Grosso), englobando uma área de 10.600 hectares, considerados indispensáveis à preservação ambiental. O objetivo é garantir a proteção dos recursos hídricos e a viabilidade da movimentação das espécies da fauna nativa, preservando amostras significativas dos ecossistemas existentes na área, proporcionando oportunidades controladas para uso público, educação e pesquisa científica.

O governador Rogério Salles lembrou que apesar de Mato Grosso estar ganhando mais uma unidade de preservação, é necessário que a população se conscientize que é possível o crescimento junto com o desenvolvimento sustentável.

Formado por representantes de todos os seguimentos da sociedade, os Grupos de Trabalho de Educação Ambiental estão sendo fomentados em todos os municípios de Mato Grosso. O objetivo é trabalhar a educação ambiental, diagnosticando os problemas e norteando ações de prevenção e solução para amenizar os impactos. Para os GTs, a parceria com a sociedade é um dos caminhos na busca de soluções para os problemas ambientais e para o desenvolvimento sustentável.

Única fonte de água potável de superfície dos municípios da Baixada Cuiabana, o rio Cuiabá também foi lembrando ontem no Dia Mundial do Meio Ambiente. De acordo com o diretor de Recursos Hídricos da Fundação Estadual do Meio Ambiente (Fema), Ivan De Lamônica Freire, desde 1998, o órgão vem fazendo todo um monitoramento do rio Cuiabá, indicando que o rio está sendo agredido pelo esgoto e o lixo, que são lançados diariamente em seu leito.

Segundo De Lâmonica, 99% dos recursos hídricos de Mato Grosso estão preservados, a preocupação é com o restante 1%, que está sendo poluído. Além do rio Cuiabá, outra preocupação é com o São Lourenço, onde existe ocupação desordenada do solo, o uso de agrotóxicos em plantações e a mineração.

Apesar da agressão, De Lamônica, afirma que o rio Cuiabá não está morrendo como afirmam alguns pesquisadores e ambientalistas. Segundo ele, o rio vem mantendo o teor de oxigênio acima dos mínimos permitidos pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), mesmo em época de seca e na zona urbana de Cuiabá e Várzea Grande, onde existe a maior concentração de esgoto e lixo no rio. “A situação é mais grave no período da seca, mas assim mesmo se está dentro do permitido. A prova é a pesca nesse período”, observa.

O secretário de Meio Ambiente, Frederico Müller, destacou que dentro do Programa Pantanal estão previstos cerca de US$ 40 milhões para o saneamento básico de Cuiabá e Várzea Grande, que irá melhorar qualidade de vida da população como do rio Cuiabá. Também foi destacado o Plano Diretor da Bacia do rio Cuiabá que irá fazer o diagnóstico da situação do rio.

Várias entidades e escolas particulares e públicas também participaram do evento. O Instituto Centro de Vida (ICV), montou um estande onde procurou mostrar a importância e os benefícios da compostagem (processo de transformação de materiais grosseiros como palhas, folhas e resto de comida em materiais orgânicos) e o projeto Quintais Produtivos, desenvolvido pelo Instituto, com o objetivo de capacitar e aumentar a renda e melhoria da qualidade de vida das populações carentes da periferia de Cuiabá, por meio da horticultura, fruticultura e minhocultura.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




20:31 Botelho pede para Taques manter Fethab 2
20:29 MP pede prisão do cabo Gerson
19:39 Poderes rejeitam reduzir duodécimo
19:39 BOA DISSONANTE
19:38 Chantagem política


19:38 Opção pela direita
19:38 18 de outubro é o Dia do Médico
19:37 Renovação no Congresso
19:37 De barganha
19:36 Livro revê vida e obra de intelectual
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018