NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sexta-feira, 07 de Agosto de 2020
CIDADES
Quinta-feira, 09 de Julho de 2020, 08h:55

SEM UTI

Pacientes de MT são transferidos para outros estados

No Estado, a lotação máxima atinge tanto o Sistema Único de Saúde (SUS) como a rede particular

JOANICE DE DEUS
Da Reportagem
Divulgação
No Estado, a lotação máxima atinge tanto o Sistema Único de Saúde (SUS) como a rede particular

Há mais de dez, Mato Grosso registra ocupação máxima da taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para pessoas diagnosticadas com Covid-19.

Com isso, pacientes têm sido transferidos para hospitais de outros estados, como é o caso do vizinho Mato Grosso do Sul.

No Estado, a lotação máxima atinge tanto o Sistema Único de Saúde (SUS) como a rede particular, que já recorre aos leitos de outras unidades da Federação para dar conta do tratamento.

Até quarta-feira pela manhã, Mato Grosso operava com menos de 7% de leitos de UTI pactuados entre as redes estadual, municipais e federais disponíveis.

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados, havia 233 internações em UTI e 303 em enfermaria, ou seja, a taxa de ocupação estava em 93,2% e 44,5%, respectivamente. Nesta quinta-feira (9), chegou a 97,1%.

A fila de espera por uma vaga intensiva chegava a 100 pacientes.

Com isso, infectados estão sendo levados de avião para outros estados. Pelo menos nove pacientes do sistema privado já tiveram de ser deslocados para tratamento em Mato Grosso do Sul.

É o caso do irmão de Marcos Sousa. Do Maranhão, o ajudante geral é recém-chegado a Mato Grosso e foi levado de avião para ser internado em UTI no Mato Grosso do Sul.

Outro caso é o da mãe do engenheiro civil Felipe Monteiro, que foi transferido para um hospital privado em João Pessoa (PB).

O pai dele morreu sem conseguir uma internação. A reportagem do Diário procurou a assessoria do Sindicato dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde (Sindessmat), mas até o fechamento desta matéria não obteve um retorno.

No início deste mês, o Governo do Estado informou que pretende entregar mais 20 leitos de enfermaria e 94 UTIs em todas as regiões de Mato Grosso até o final do mês de julho, além de custear outras 159 UTIs que os municípios se comprometeram a abrir.

Na ocasião, o governador Mauro Mendes frisou que, além dos leitos construídos pelo próprio Executivo, o Governo trabalha em conjunto com os municípios. Somente na Baixada Cuiabana, já foram criadas 80 novas UTIs, sendo 50 no Hospital Estadual Santa Casa, em Cuiabá, e 30 no Hospital Metropolitano, em Várzea Grande.

A previsão é de entregar mais 50 nas próximas semanas, sendo 20 na Santa Casa e mais 30 no Metropolitano.

O prefeito de Cuiabá assumiu o compromisso de abrir 30 leitos.

“Temos 159 a serem abertas no interior, nessa parceria do governo do Estado com os municípios. Os municípios tomam as providências e o Governo do Estado paga a conta junto com o governo Federal. São R$ 2 mil por leito, por dia. Temos esse planejamento em várias cidades, Confresa, Nova Mutum, Sinop, Tangará, e muitas outras”, relatou.

Porém, uma dificuldade tem sido a contratação de equipes de saúde para que as UTIs possam funcionar.

“O nosso maior problema hoje é a dificuldade de contratação de pessoal. Colocamos um edital público para chamar 50 médicos, 300 enfermeiros, maqueiros, assistentes sociais e estamos tendo dificuldade para encontrar. Subimos o preço, elevamos o patamar salarial e demos ampla publicidade a isso. Estamos fazendo todo o esforço possível”, reforçou.

Até então, o Estado contabilizava 23.506 infectados e 896 óbitos em decorrência do coronavírus. Do total, 12.272 estavam em isolamento domiciliar e 9.607 recuperados.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Como você vê as acusações entre Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro sobre o caos na pandemia?
O governador é o culpado
O prefeito da Capital também tem culpa
Essa briga prejudica as ações de combate à Covid-19
É uma disputa político-eleitoral
PARCIAL