NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quinta-feira, 24 de Setembro de 2020
CIDADES
Quarta-feira, 16 de Setembro de 2020, 08h:28

EDUCAÇÃO

Em MT, ensino médio não atinge meta projetada para 2019

O Ideb alcançado foi de 3,6 pontos. Com esse resultado, Estado ocupa o 23ª lugar no ranking nacional

JOANICE DE DEUS
Da Reportagem
No Estado, o ensino médio não atingiu meta projetada para o ano que passou

Em Mato Grosso, o nível de qualidade do ensino médio continua abaixo do esperado pelo Ministério da Educação (MEC).

É o que mostra o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), divulgado na terça-feira (15) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), ligado ao MEC.

Embora tenha havido avanços desde 2005, o Estado não atingiu a meta estabelecida para essa etapa educacional, em 2019.

Numa escala de zero a dez, o Ideb das escolas é medido a cada dois anos. Levando-se em consideração as redes públicas e a privada, o Ideb alcançado pelo Estado foi de 3,6 pontos, em 2019. A nota representa 0,1 a mais que em 2017.

Contudo, a meta proposta era de 4,7. Em 2005, o índice estadual era de 3,1 pontos na mesma modalidade de ensino.

Com esse resultado, Mato Grosso ocupa apenas o 23ª lugar no ranking nacional do Ideb.

Na primeira posição encontra-se o Espírito Santo, que alcançou 4,8 pontos, mas também não cumpriu o índice esperado para 2019, que era de 5,3.

Do Centro-Oeste, Goiás ocupa a segunda colocação no ranking com a nota 4,8 obtida no mesmo ano. Já Mato Grosso do Sul alcançou 4,2 e o Distrito Federal 4,5.

Além disso, no geral, a nota estadual é menor que o Ideb alcançado em nível nacional (4,2) e na região centro-oeste (4,4). O vizinho Mato Grosso do Sul obteve 4,2, Goiás (4,8) e o Distrito Federal (4,5).

Os dados divulgados também trazem os resultados obtidos somente pela rede estadual de ensino que, de acordo com o Inep, participa com mais de 97% da matrícula no sistema público, evidenciando que o ensino médio é predominantemente de responsabilidade dos governos estaduais e do Distrito Federal.

Neste caso, nesta etapa da educação básica o Estado obteve 3,4 pontos, quando a meta proposta foi de 4,2.

Além disso, representa apenas 0,2 pontos a mais que o Ideb de 2017 (3,2). No centro-oeste, o índice foi 4,1 pontos, mas também abaixo da meta 4,4. Contudo, o desempenho negativo também foi verificado no sistema privado, que tinha como meta 6,6 pontos e atingiu 6,1 de Ideb, em 2019.

No país, entre 2005 e 2017, o índice do ensino médio brasileiro cresceu 0,4 pontos, subindo de 3,4 para 3,8 pontos. Já em 2019, o indicador alcançou 4,2 pontos, a maior evolução da edição, após quatro anos de estabilidade.

Segundo o Inep, no ano passado, 36,8% dos municípios apresentaram desempenho no Ideb da rede pública mais próximo (razão maior do que 0,71) ao observado na rede privada do respectivo estado.

Após a divulgado do índice, o presidente do Inep, Alexandre Lopes, anunciou a criação de um grupo que irá definir as novas metas de qualidade para as escolas de todo o país.

Elas deverão começar a valer em 2022, com o fim das metas atuais do Ideb, que é o principal indicador de qualidade da educação brasileira.

“Estamos caminhando para o final de um ciclo de avaliação”, disse Lopes. Até 2022, a intenção é pactuar novas metas com os municípios e os estados.

O Ideb é composto por dois tipos de dados: as taxas de aprovação, fornecidas pelo Censo Escolar, e o desempenho dos alunos no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), que verifica o conhecimento em língua portuguesa e matemática.

O indicador traz uma radiografia da qualidade dos anos iniciais (1º ao 5º ano) e finais (6º ao 9º ano) do ensino fundamental, assim como do ensino médio.

Até a edição desta matéria, o DIÁRIO não obteve uma posição da Secretaria de Estado de Edução (Seduc) sobre o assunto.

ENSINO FUNDAMENTAL – Nos anos iniciais do ensino fundamental, os dados mostram que, no geral (redes públicas e privadas), em 2019, o Ideb alcançado por Mato Grosso foi de 5,9, o mesmo rendimento obtido, em 2017 (5,9).

Contudo, o índice ficou 0,3 pontos acima da meta que era de 5,6. Do centro-oeste, Mato Grosso do Sul obteve a nota 5,7, Goiás 6,2 e o Distrito Federal 6,5.

Levando-se em consideração apenas os anos iniciais do ensino fundamental ofertado pelo sistema público, Mato Grosso também atingiu 5,7 pontos, também os mesmos alcançados em 2017.

Neste caso, a meta proposta foi de 5,5. Segundo o Inep, 135 municípios mato-grossenses tiveram a meta calculada para 2019, sendo que 92 alcançaram a meta, o que representa 68,1% do total.

“Considerando todas as escolas públicas, 61,6% dos municípios alcançaram a meta proposta para 2019. Os estados com maior percentual de municípios que atingiram a meta foram: o Ceará com 98,9%; Alagoas com 94,1%; e o Acre com 85,7%. Abaixo de 50% estão Amapá, Amazonas, Maranhão, Pará, Rio de Janeiro, Rondônia, Roraima, Sergipe e Tocantins”, apontou o Inep.

De acordo com o Inep, a rede estadual detém, aproximadamente, 16% da matrícula nos anos iniciais do ensino fundamental na rede pública no país.

Neste nível, Mato Grosso e outras três unidades da Federação (Ceará, Goiás e Rondônia), apesar de terem alcançado a meta, apresentaram redução do Ideb em 2019, quando a nota estadual alcançada foi de 5,6, sendo a meta estabelecida de 5,5 pontos, considerando apenas os municípios (95) em que ainda há oferta dos anos iniciais do fundamental pela rede estadual.

Porém, em 2017, o resultado obtido foi de 5,8. Já das 95 cidades mato-grossenses participantes, apenas 48 (50,5%) atingiram a meta.

Tratando-se apenas da rede municipal pública, Mato Grosso também está entre os estados que se destacam, além de Goiás e o Ceará. Segundo o Inep, o sistema municipal detém 83,7% da matrícula pública nos anos iniciais do ensino fundamental.

No Estado, de 119 cidades que tiveram a nota calculada 87 (73,1%) alcançaram a meta proposta. No geral, 448 escolas municipais participaram da avaliação. Já na rede privada na mesma etapa de ensino, a nota ficou 0,1 pontos acima do proposto (7,0).

Porém, Mato Grosso atingiu resultado negativo na avaliação dos anos finais do ensino fundamental, incluindo, os sistemas público e particular. Neste último caso, a nota obtida foi de 4,8, quando a meta sugerida foi de 4,9. Em se tratando apenas das unidades públicas, o Ideb foi 4,5, quando o proposto era 4,7.

O levantamento mostra também o resultado levando apenas os anos finais do ensino fundamental ofertado pela rede estadual em Mato Grosso. Neste caso, a nota ficou 0,1 ponto abaixo da meta proposta (4,6). No privado não foi muito diferente, sendo a nota projetada de 6,7, mas o Ideb ficou em 6,5, no ano passado.


1 COMENTÁRIO:







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.

Irzair Ciro Correa   16-09-2020 21:05:22
Não atingiu e parece que não vai atingir tão cedo. MM o governador do momento resolveu punir severamente os profissionais da educação básica deixando-os três consecutivos sem RGA, aquele mecanismo que corrige as perdas decorrentes da inflação. Deu o calote nos servidores da educação cabulando a lei 510/13 que valorizaria a carreira dos profissionais da educação dando- lhes em 10 anos a dobra do poder de compra. Depois com a ajuda da AL aumentou a alíquota da previdência de 11% para 14% o que na prática diminui o salário em 3%. E como se fosse pouco, con o retorno das aulas online obriga o professor a pagar parte dos custos da retomada, trabalhando em casa com a própria internet, computador, telefone entre outros. E para finalizar demonizou os professores dizendo que eles ganham muito e não fazem nada. Profissional desmotivado, escola sucateada, diretores nomeados, educação às traças. E MM alegando que arrumou o estado.

Responder

0
0



ENQUETE
MT terá eleições simultâneas para vereador, prefeito e senador? Você já escolheu seus candidatos?
Sim
Não
Vou anular os votos
Nenhum dos candidatos presta
PARCIAL