NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quinta-feira, 06 de Agosto de 2020
CIDADES
Domingo, 05 de Julho de 2020, 10h:25

VÍRUS NO PODER

Em crescimento, coronavírus mata e infecta políticos em MT

Nos meios políticos do Estado, quatro morreram e dezenas foram infectadas pela doença em Cuiabá e outros municípios

EDUARDO GOMES
Da Reportagem
Secom-MT
O ex-reitor da Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat), Adriano Silva, é uma das vítimas fatais da Covid-19

Em Mato Grosso, o coronavírus levou à morte quatro políticos e contamina dezenas de outros, em todas as regiões do Estado.

Dentre os que foram contaminados, o governador democrata Mauro Mendes e os senadores Jayme Campos (DEM) e Carlos Fávaro (PSD).

Em razão da doença, o deputado estadual Thiago Silva (MDB) foi o primeiro a se licenciar do cargo para tratamento. Depois, vieram Paulo Araújo (PP) e Faissal Calil (PV).

No sábado (4), os deputados estaduais Valmir Moretto (Republicanos), Wilson Santos (PSDB) e Max Russi (PSB)  anunciaram, em suas redes sociais, que testaram positivo para a Covid-19.

A primeira vítima fatal foi o secretário-adjunto de Saúde de Sinop, Wircicley Fonseca, 45, que morreu em 24 de abril.

O ex-prefeito de Ponte Branca, Sandoval Nogueira de Moraes, 82, o "seo" Sandu, morreu numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em Barra do Garças, no dia 10 de maio.

Seo Sandu era a referência humana em Ponte Branca, e o Vale do Araguaia o respeitava e ouvia.

Integrante da família fundadora do lugar, era o líder do clã dos Nogueira, ao qual pertence seus filhos, Humberto – prefeito – e Demilson (PP) – ex-prefeito e suplente de vereador por Cuiabá.

O professor Adriano Silva, suplente de deputado federal pelo DEM, morreu numa UTI de uma clínica particular em Cuiabá, no dia 3 de junho.

Adriano Aparecido da Silva tinha 49 anos. Cacerense, casado, deixou viúva e três filhos.

Foi professor e reitor da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) entre 2010 e 2014. Presidia a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat), órgão do segundo escalão do governo estadual.

O secretário de Finanças de Poconé, Acy Nunes de Siqueira, 69, morreu em 27 de junho.

A doença contaminou Mauro Mendes, Jayme Campos e Carlos Fávaro; os deputados estaduais Paulo Araújo (PP), Faissal (PV), Wilson Santos (PSDB), Max Russi (PSB), Valmir Moretto (Republicanos) e Thiago Silva (MDB); os prefeitos Altir Peruzzo/PT (Juína), Mauro Rosa/PSD (Água Boa), Geraldo Martins da Silva/DEM (Vale de São Domingos), Leonardo Bortolin/MDB (Primavera do Leste) e Silmar Souza/DEM (Nossa Senhora do Livramento); o empresário ex-presidente da Câmara de Cuiabá, Deucimar Silva; os secretários de Estado Beto Dois a Um (chefe do Gabinete de Governo), Gilberto Figueiredo (Saúde), Allan Kardec (Esporte, Cultura e Lazer) e a secretária-adjunta de Comunicação jornalista Laice Souza; o ex-prefeito de Água Boa, Maurício Tonhá; os vereadores por Cuiabá, Orivaldo da Farmácia (Progressistas), Juca do Guaraná (MDB) e Marcrean Santos (Progressistas); o vereador por Várzea Grande, Miguel Baracat (PSC)e a vereadora por Poconé, Waldyneia Stefany (PSB); o ex-suplente de deputado estadual e ex-vereador por Rondónópois, Manoel da Silva Neto; os secretários municipais Fausto Olini (Comunicação de Cuiabá), Laura Kelly (Saúde de Primavera do Leste), Antenor Figueiredo (Mobilidade Urbana de Cuiabá), Zeca Picolo (Desenvolvimento Humano de Lucas do Rio Verde), Sílvio Fidélis (Educação, Cultura, Esporte e Lazer de Várzea Grande) e Izalba Albuquerque (Saúde de Rondonópolis); e o ex-vice-prefeito de Várzea Grande, Wilton Coelho; e o presidente da Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados (Ager),Luis Alberto Nespolo.

Praticamente todos permaneceram assintomáticos e a maioria superou a doença, mas alguns tiveram complicações e foram levados para UTIs.

Como Carlos Fávaro, Juca do Guaraná, Manoel da Silva Neto e Maurício Tonhá. Deucimar permanece internado numa UTI.

Apresentando sintomas da doença o prefeito de Lucas do Rio Verde, Luiz Binotti (PSD), está em isolamento domiciliar, por orientação médica, enquanto aguarda resultado de exame para atestar se está contaminado ou não pelo coronavírus.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Como você vê as acusações entre Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro sobre o caos na pandemia?
O governador é o culpado
O prefeito da Capital também tem culpa
Essa briga prejudica as ações de combate à Covid-19
É uma disputa político-eleitoral
PARCIAL