NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quinta-feira, 22 de Outubro de 2020
BRASIL
Terça-feira, 27 de Agosto de 2019, 09h:38

AMAZÔNIA EM CHAMAS

Emmanuel Macron volta a provocar o Brasil

O presidente francês Emmanuel Macron não descarta Amazônia sob gerência internacional

O presidente da França, Emmanuel Macron, voltou a provocar o governo brasileiro nesta segunda-feira ao citar, mesmo que teoricamente, a opção da internacionalização da gestão das florestas. Macron, que garantiu que tal opção não faz parte do pacote aprovado pelo G7, fez questão de assegurar que os países sul-americanos foram alvos de consultas nos últimos dias antes do anúncio da iniciativa.
O pacote fechado no G7 prevê duas etapas de atuação. Num primeiro momento, US$ 20 milhões serão destinados para os incêndios. Já numa segunda etapa, um esforço internacional será costurado para permitir que medidas para o reflorestamento da Amazônia possa ocorrer. Nesta segunda fase, o debate ocorrerá na ONU e com a presença do governo brasileiro.
Mas Macron completou a apresentação da iniciativa com uma provocação, deixando em aberto a questão sobre o status internacional da floresta caso um governo tome decisões contra os interesses do planeta.
"Associações, ongs e atores, já há vários anos – por vezes alguns atores jurídicos internacionais – levantaram a questão para saber se podemos definir um status internacional da Amazônia", disse Macron nesta segunda-feira ao responder a uma pergunta de um jornalista em Biarritz.
"Hoje, não é o caso da iniciativa que tomamos. Mas é uma questão que se coloca. Se um estado soberano toma, de forma clara, concreta, medidas que evidentemente se colocam em oposição ao interesse de todo o planeta. Há todo um trabalho jurídico, político a ser feito", apontou.
A declaração foi recebida dentro do Itamaraty como mais uma provocação pública por parte do francês. Nos bastidores, diplomatas buscaram esclarecimentos sobre tal postura. Nas redes sociais, Bolsonaro voltou a acusar o francês, nesta segunda-feira, de tratar o país como "uma colônia ou uma terra de ninguém".
No mesmo discurso, Macron completou dando garantias de que, no pacote apresentado neste fim de semana, não haveria risco de qualquer violação das fronteiras de um país. De acordo com o francês, esse não foi o caminho que o debate tomou ao citar a conversa que o presidente do Chile, Sebastian Piñera, teve com Bolsonaro no domingo.
O chileno foi convidado para a reunião do G7 e acabou sendo o interlocutor entre os líderes em Biarritz e o brasileiro.
Numa entrevista ao jornal The Guardian, Piñera indicou que estava confiante de que seria capaz de convencer (Bolsonaro) sobre a necessidade do reflorestamento da Amazônia". "Vou discutir com ele. Mas acho que é absolutamente necessário. Tenho a tendência a acreditar que ele vai concordar", declarou.
Para Macron, o brasileiro "deve ser respeitado" como ator desse caso. Ele ainda voltou a insistir que as iniciativas de médio e longo prazo pela diversidade serão propostos durante a reunião da Assembleia Geral da ONU, em setembro. “Para respeitar a soberania de cada país”, declarou.
Mais tarde, em uma segunda coletiva de imprensa, Macron deixou claro que a iniciativa sobre a Amazônia havia sido tomada depois de "conversas" com os líderes sul-americanos. "Como Trump queria", disse o francês.
O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, também reforçou a ideia de que haja sempre um envolvimento de todos os países.
"Há um apelo muito forte à comunidade internacional para que apoie os países da Amazônia. Agora, para combater os incêndios e depois para a reflorestamento, que é essencial para preservar este património essencial da humanidade", disse.
"Espero que recursos possam ser mobilizados no futuro para apoiar os países da Amazônia e que a vontade política desses países possa ser plenamente comprometida", disse. "E, ao mesmo tempo, estamos prontos para ter um evento durante a Assembleia Geral das Nações Unidas, onde os países da Amazônia e todos aqueles que quiserem apoiá-los possam se comprometer com uma vontade coletiva da humanidade de preservar este patrimônio universal que é absolutamente essencial para o bem-estar da população mundial e também decisivamente para evitar a mudança climática", completou.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
MT terá eleições simultâneas para vereador, prefeito e senador? Você já escolheu seus candidatos?
Sim
Não
Vou anular os votos
Nenhum dos candidatos presta
PARCIAL