NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020
ARTIGO
Sábado, 08 de Agosto de 2020, 09h:27

LUIZ HENRIQUE LIMA

Pais

Meu pai sempre foi generoso diante das dificuldades ou fraquezas das pessoas

Meu querido amigo Marcelo Carpilovsky me provocou a escrever sobre lições que aprendi com meu pai, Porthos Augusto de Lima.

Foram muitas e preciosas. As mais marcantes não foram as explicitadas com palavras, mas as vivenciadas com exemplos.

Sim, as crianças observam muito e valorizam mais as atitudes que as palavras. Instintivamente sabem que as palavras podem confundir, mas as ações traduzem o que as pessoas são e como se comportam diante das circunstâncias.

Meu pai sempre tratou com respeito os mais humildes. Meu pai sempre se indignou com as injustiças. Meu pai sempre fez questão de honrar a sua palavra e cumprir os compromissos que assumiu.

Meu pai sempre foi generoso diante das dificuldades ou fraquezas das pessoas.

Nunca vi meu pai levantar a voz com minha mãe, minha avó ou minhas tias, nem tampouco usar palavreado chulo no ambiente familiar.

Meu pai sempre tratou com respeito os mais humildes. Meu pai sempre se indignou com as injustiças. Meu pai sempre fez questão de honrar a sua palavra e cumprir os compromissos que assumiu

Meu pai sempre respeitou as decisões  dos seus filhos e sempre esteve ao seu lado quando, vez por outra, essas decisões deram com os burros n’água.

Diante de uma situação crítica, meu pai sempre procurou manter a calma e buscar uma solução que fosse menos penosa para os envolvidos. Meu pai sempre foi apaixonado pelo Flamengo.

Ao meu modo, procuro seguir esses exemplos e transmiti-los aos meus filhos. Nem todas as lições foram pelo exemplo positivo.

Também aprendi o que não fazer.

O tabagismo de meu pai que presenciei na infância, quando me pedia para ir a padaria comprar cigarros e guardar o troco para colecionar figurinhas de jogadores de futebol, e as terríveis sequelas que isso lhe acarretou e que testemunhei na vida adulta, me fizeram jamais fumar nenhum tipo de cigarro ou assemelhado.

O sofrimento do meu pai me converteu num militante antitabagista.

Em determinado momento da vida, passamos a ser amigos. Mais adiante, quando seu corpo físico foi se tornando mais frágil, sentia que a minha presença lhe dava alegria.

Ao caminhar com ele de manhã cedo, por algumas vezes, o meu braço o amparou, como ele tinha feito comigo todos os dias de minha infância.

Em 2013, o espírito do meu pai desencarnou e retornou à vida espiritual. Mas sinto sua presença ao meu lado todos os dias. Hoje sou pai num mundo bastante diferente do que o meu pai viveu quando seus filhos tinham a idade que os meus filhos têm hoje.

Tenho alguns poucos bons amigos e vejo neles excelentes pais. Tento também aprender com eles a complexa arte se ser pai nesses dias que estamos vivendo.

Quero homenageá-los nesse Dia dos Pais, especialmente a um deles, Jan Ruzicka, cujo amado filho, Dante, desencarnou há poucos dias.

Feliz Dia dos Pais! Sim, feliz, mesmo para os que como eu não poderão nesse dia abraçar o seu pai, ou que como o meu amigo Jan não poderão abraçar o seu filho.

A fé nos ensinamentos de Jesus traz a certeza de um futuro encontro na vida espiritual, acalmando os corações e fazendo da saudade não uma vivência amarga, mas um sentimento suave, temperado por boas lembranças de momentos compartilhados com amor.

Feliz Dia dos Pais!  

LUIZ HENRIQUE LIMA é conselheiro substituto do Tribunal de Contas do Estado de Mato Groso (TCE-MT).


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
MT terá eleições simultâneas para vereador, prefeito e senador? Você já escolheu seus candidatos?
Sim
Não
Vou anular os votos
Nenhum dos candidatos presta
PARCIAL