CAMPEONATO BRASILEIRO

Vasco conta com a volta de Odvan para vencer a Portuguesa amanhã

A vitória é considerada fundamental para que a equipe possa ter condições de liderar o grupo A e ficar perto da decisão.

SEBASTIÃO REIS
Da Agência Estado - Rio

Depois do empate com o Flamengo, só a vitória interessa ao Vasco na partida contra a Portuguesa, amanhã à noite, no Maracanã. O técnico Antônio Lopes não tem dúvidas de que o perdedor dessa partida praticamente estará eliminado da disputa do título do Campeonato Brasileiro. O Vasco divide a liderança do Grupo A com o Flamengo, com 4 pontos. A Portuguesa tem 3.
Mesmo reconhecendo a importância do jogo, Lopes garantiu que o Vasco não partirá desesperado para cima do adversário. "Vamos jogar o nosso futebol, só que sem os mesmos erros do clássico com o Flamengo", disse. O zagueiro Alex, que recebeu o terceiro cartão amarelo, não jogará. Mas, mesmo que pudesse, a posição seria devolvida ao titular Odvam, que volta ao time.
Numa decisão atribuída ao atacante Edmundo, a diretoria do Vasco afixou um memorando na entrada de São Januário, ontem, anunciando que o repórter Rui Fernando, da Rádio Globo, estava impedido de entrar no clube. Fernando discutira com Edmundo na concentração do Vasco, pouco antes da partida de domingo, no Maracanã. O memorando tinha uma assinatura ilegível, que, de acordo com funcionários do clube, não era do presidente, Antônio Soares Calçada, e tampouco do vice-presidente de futebol, Eurico Miranda. O Vasco concentrou-se desde ontem para a partida com a Portuguesa.
O Flamengo prepara-se para enfrentar o Juventude duas vezes seguida, amanhã, no estádio Olímpico, em Porto Alegre, e no fim de semana, no Maracanã. O atacante Renato Gaúcho, que teve uma crise renal, ainda não sabe quando poderá voltar ao time. Um exame ao qual o craque se submeteu hoje revelou a presença de um cálculo renal de quatro milimetros. O urologista Paulo Rodrigues espera que a pedra seja expelida pela urina.
O técnico Paulo Autuori voltou a elogiar ontem o comportamento do time no clássico com o Vasco e disse que espera a mesma aplicação diante do Juventude. Além de Renato, ele não contará novamente com Sávio e Fábio Baiano, contundidos.


Kléber Leite acerta parceria milionária com o Opportunity

Da Agência Estado - Rio

A transformação do Flamengo em empresa pode ser anunciada na próxima semana e provocar uma revolução na estrutura do clube. Embora já tenha acertado todos os detalhes de uma parceria milionária com o Banco Opportunity, o presidente Kléber Leite depende de reuniões com todos os setores do clube e de um encontro decisivo com o Conselho Deliberativo para divulgar oficialmente o acordo. "É muito interessante; quem não procurar esse caminho estará morto", afirmou o dirigente.
Kléber Leite concluiu as negociações com o Opportunity e abriu as portas para debater a proposta. Hoje, ele conversará com ex-presidentes, beneméritos e juristas; amanhã, será a vez da reunião com atletas e funcionários. Na segunda-feira, falará com o Conselho Deliberativo e, na terça, com o Conselho de Administração. São etapas necessárias para um projeto revolucionário, segundo ele. "Está tudo em pleno desenvolvimento", assegura.
Nas reuniões reservadas com os setores do clube, Kléber Leite afirma que está disposto a deixar a presidência para abrir caminho à transformação do Flamengo em Sociedade Anônima. "Esse é meu compromisso com o Flamengo", justifica. Se houver a mudança, o Opportunity assume a administração do clube e o dirigente fatalmente terá de se afastar. O acordo prevê a venda de ações do clube na Bolsa de Valores. Para alguns conselheiros do clube, trata-se da venda do Flamengo para uma empresa privada.
A parceria será a maior do mercado, segundo Kléber Leite. Mesmo sem divulgar detalhes, ele vê o negócio como uma solução para os eternos problemas do clube, que tem uma dívida de R$ 35 milhões e cerca de 90 ações trabalhistas. Nos primeiros anos de sua administração, o dirigente enfrentou 455 ações de ex-funcionários.
Mas o apelo do Flamengo, que se autoproclama uma "Nação", são mais fortes para os futuros investidores. De acordo com pesquisas, o rubro-negro carioca tem 54% dos torcedores do Rio, é o quarto clube em São Paulo, acima de equipes como Santos e Portuguesa, e primeiro ou segundo em outras capitais importantes do País.


Clubes cariocas articulam parceria contra a federação

Da Agência Estado - Rio

Flamengo, Fluminense e Botafogo vão tentar concretizar uma parceria que os fortaleça na relação com a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ). A união tantas vezes anunciada vai ser colocada no papel e reforçada por uma multa milionária em caso de rompimento de contrato. "Será um acordo mais objetivo e eficaz", anunciou o presidente do Flamengo, Kléber Leite. Os clubes devem anunciar ainda esta semana que não disputarão paralelamente o Torneio Rio-São Paulo e o Campeonato Carioca.
O dirigente disse que o objetivo é fazer com que os três clubes tenham pontos de vista bem definidos e possam exigir mudanças na estrutura do futebol carioca. Nos últimos anos, a relação de forças dentro da Federação pendeu para o lado do Vasco. Kléber Leite, Álvaro Barcelos (Fluminense) e José Luís Rolim (Botafogo) querem um campeonato estadual mais rentável e "profissional".
Kléber Leite tentou criar a Liga de Futebol do Rio de Janeiro no ano passado, mas o projeto naufragou por falta de uma estrutura mais definida. "É isso que queremos criar agora", anunciou. Os dirigentes querem um campeonato à altura do investimento que estão fazendo para a próxima temporada, com um contrato de TV mais vantajoso. O presidente da FERJ, Eduardo Viana, fechou um acordo para a transmissão dos jogos do estadual por pouco mais de R$ 7 milhões.
O Botafogo, que acertou uma parceria com o Banco Excel-Econômico, pode definir amanhã os jogadores que reforçarão a equipe na próxima temporada. O presidente do clube, José Luís Rolim, quer Donizete ou Bebeto, que disputarão a final do Mundial Interclubes pelo Cruzeiro, dia 2, em Tóquio, contra o Borússia Dortmund. É possível que o atacante paranaense Paulo Rink também seja comprado pelo Excel e repassado ao clube carioca.
O Fluminense apresentou ontem a nova comissão técnica e prometeu investir alto para voltar à Primeira Divisão do futebol brasileiro. Edinho, ex-Portuguesa, volta ao clube. Um dos maiores craques da história do Fluminense, Edinho disse que o momento é de união. "Precisamos levantar o Fluminense e trazer o time para a Primeira Divisão", disse.
Edinho afirmou que o Fluminense sempre foi um clube que disputou todos os títulos e quer que volte a ser assim.


Portuguesa pode ter um time ofensivo no Maracanã

PEDRO COURBASSIER
Da Agência Estado - São Paulo

O técnico Carlos Alberto Silva só deve mexer no ataque da Portuguesa para a partida de amanhã, às 19h30, contra o Vasco, no Maracanã. Prometendo uma equipe "mais solta", o treinador não deverá escalar o volante Roque para ajudar a marcação do meio-de-campo, mesmo o adversário possuindo o ataque mais positivo e Edmundo, o artilheiro do Campeonato Brasileiro. Como nenhum jogador está suspenso, a única dúvida de Carlos Alberto é saber quem será o companheiro de Leandro e Rodrigo na frente. "Temos de tentar mais do que chegar no Rio e não querer perder", explica Carlos Alberto.
Sábado, contra o Juventude, a Portuguesa iniciou o jogo com Tico como o segundo atacante, que no esquema tático da Lusa é sempre feito por um jogador veloz, capaz de ajudar a "fechar" o meio-de-campo e partir rápido para o contra-ataque. "O Tico fez bem essa função, mas também é bom para nossa quipe contar com outras opções e experimentá-las conforme a partida", dissimula o técnico, que em nenhum momento antes da partida pela segunda rodada da fase semifinal havia escalado o atleta nas equipes titulares, durantes os treinamentos.
A substituição de Tico por Curê, no intervalo da vitória contra o time gaúcho pode ser a solução do treinador. "O Curê movimentou melhor o ataque", diz Carlos Alberto, dando uma dica de quem deve começar jogando a partida: "Ele (Curê) possui características boas para jogar num campo grande, como o Maracanã", explica.
O terceiro candidato a conquistar a vaga no ataque é Alex Alves, que não participou do "rachão" de ontem com os companheiros. O atacante ficou correndo na beira do gramado para não agravar uma contusão no joelho esquerdo. "Vou estar pronto para o jogo de amanhã", promete Alex Alves, mesmo sabendo que desagradou a comissão técnica ao pedir substituição antes do 22º minuto da partida de estréia nesta fase, contra o Flamengo.
Demissão _ O preparador físico Márcio Meira foi demitido da Portuguesa. Meira foi contratado no meio da primeira fase do Campeonato Brasileiro a pedido do técnico Edinho, de quem é amigo pessoal, para substituir Luís Inarra, que foi para o Cruzeiro quando o clube mineiro contratou Nelsinho Batista.
Funcionários da Lusa garantem que a saída do preparador físico deve-se a sua ligação com Edinho, atualmente uma pessoa não muito querida no Canindé. O outro preparador da equipe, José Roberto Rivelino, passa a trabalhar sozinho. Coincidência ou não, desde a saída do técnico carioca os jogadores da Lusa não são mais vistos praticando futevôlei, como virou moda durante a melhor fase da equipe na competição, entre setembro e outubro.


Cassiá pretende mudar o ataque

AYRTON CENTENO
Da Agência Estado - Porto Alegre, RS

Três jogadores - Alexandre, Jean e Adriano - disputam uma vaga no ataque do Juventude para o jogo contra o Flamengo amanhã, no estádio Olímpico. A peça de frente é a mais ineficaz da equipe e isso ficou mais uma vez evidente em Portuguesa 2 x Juventude 0, quando seus jogadores deixaram o goleiro Sérgio, da Lusa, praticamente assistindo a partida. Se durante a fase classicatória, o ataque alviverde só converteu 24 gols em 25 jogos, no quadrangular conseguiu piorar seu aproveitamento: não marcou nenhuma vez. Os três querem um lugar ao lado de Maurílio, confirmado pelo técnico Cassiá.
Apesar de tudo, o empate entre Vasco e Flamengo propiciou um pouco mais de ânimo aos jogadores. Embora tenha perdido as duas partidas que jogou, o time de Caxias do Sul conserva chances matemáticas de classificação.


Scolari quer um Palmeiras mais vibrante

O técnico libera os palavrões durante as partidas e diz que a equipe precisa mostrar a mesma garra apresentada contra o Santos.

PAULO GUILHERME
Da Agência Estado - São Paulo

Os palavrões estão oficializados como linguagem básica para os diálogos entre os jogadores do Palmeiras dentro de campo. O técnico Luiz Felipe Scolari prega uma comunicação ativa entre seus homens para evitar falhas que podem ser decisivas no futuro do time no Campeonato Brasileiro. Os jogadores compreenderam a mensagem e não se intimidam em discutir publicamente durante o jogo. "Não dá para ser educado nessas horas", resume Velloso.
No clássico contra o Santos, o goleiro deu uma bronca no meia Alex após um lance que quase resultou no gol adversário. "Às vezes o cara está desatento, então tenho de gritar com ele palavras que provoquem alguma reação", explicou Velloso. O jovem meia retrucou. "Os dois querem vencer, fazemos isso para melhorar o time", comentou Alex.
Pela filosofia do treinador, as discussões e os palavrões são atitudes positivas, num sinal de que os jogadores do Palmeiras estão muito dispostos a ganhar as partidas. Os jogadores comentam que o estilo do treinador está contagiando o grupo. Scolari costuma gritar com o time durante o jogo, muitas vezes usando palavrões. No clássico contra o Santos, alguns jogadores discutiram efusivamente em campo após lances nos quais o adversário quase chegou ao gol.
O zagueiro Cléber e o atacante Viola brincam ao lembrar do lance em que ambos se enfrentaram peito a peito. "Fiquei com vontade de dar risada na cara dele", dissimulou Cléber. "Foi uma discussão normal." Viola destaca que esse tipo de reação é típica de quem está procurando acertar os erros com o objetivo de levar o time à vitória. "Falei com o Cléber no vestiário numa boa, a gente nem lembrava da discussão em campo." Viola lembra que Scolari incentiva o diálodo dentro de campo. "Ele disse que não podemos ter apenas um capitão, mas que todos devem cobrar e aprender a ser cobrado, independente de ser um cara experiente ou um novato."
Scolari quer que o time demonstre a mesma garra na partida de amanhã contra o Atlético-MG, no Mineirão. Ele considera um grande desafio para sua equipe vencer no campo do adversário. A vitória seria fundamental para o Palmeiras terminar o turno da segunda fase como líder do Grupo B ficando mais próximo da vaga na final do Campeonato Brasileiro.
O técnico não poderá contar com o zagueiro Roque Júnior, que recebeu o terceiro cartão amarelo, e o volante Galeano, expulso no final da partida contra o Santos. Na defesa, o provável companheiro de Cléber é o zagueiro Agnaldo. No meio-de-campo está a dúvida: Amaral ou Marquinhos brigam pela vaga de Galeano. O volante Rogério e o lateral-esquerdo Júnior, que cumpriram suspensão automática, voltam ao time.
Outra ausência confirmada é do atacante Oséas, com tendinite na coxa esquerda, detectada após exame de ressonância magnética realizado ontem. Quando deixou o campo do Morumbi chorando, Oséas achou que seu futuro no Campeonato Brasileiro estaria seriamente comprometido. Após o exame feito ontem, o jogador demonstrou mais confiança em poder voltar ao time nos próximos dias. Oséas não tem condições de jogar contra o Atlético-MG, amanhã, mas espera estar pronto para voltar à equipe nas partidas seguintes.
"Perto da contusão que eu tive da outra vez na mesma coxa, essa foi uma besteirinha", afirmou Oséas. O jogador disse que a contusão foi um acidente, isentando os médicos do clube de qualquer culpa. "Treinei sem problemas durante a semana e, quando entre na partida, estava me sentindo bem", declarou. O médico Aldo Guida prefere não fazer previsões sobre o retorno do atacante.


Santos mostra confiança e promete vencer o Inter

JOSÉ RODRIGUES
Da Agência Estado - Santos, SP

O Santos avisa: está vivo no Campeonato Brasileiro. Mesmo não sendo o resultado ideal, o empate de domingo contra o Palmeiras serviu para dar um novo ânimo à equipe, que conseguiu superar o mau desempenho da partida contra o Atlético. ``Com o volume de jogo apresentado, ganhamos força para enfrentar qualquer adversário'', disse o atacante Caio, já pensando na partida de amanhã, contra o Internacional de Porto Alegre.
Para esse jogo, o Santos não terá o quarto-zagueiro Ronaldão, que irá cumprir suspensão automática. Seu substituto mais provável é Sandro, com o que Luxemburgo mexeria pouco na equipe, mantendo Narciso na função de volante. Isso, porém, só será definido hoje, quando o time encerra os preparativos para a partida contra o Inter. ``O Narciso é um jogador importante, porque dá alternativas para o treinador'', disse Luxemburgo, satisfeito com o rendimento do jogador no clássico de domingo.
``O empate contra o Palmeiras foi um resultado bom dentro das circunstâncias do jogo, mas esperávamos a vitória'', disse Caio. Para ele, ``o importante é que o Santos continua com chances de conseguir a classificação e isso só depende do grupo''. Para chegar a uma vaga na final, os jogadores sabem que só podem pensar agora em vencer os quatro jogos que faltam. ``Temos que ganhar todas e vamos em busca desse objetivo'', revelou Narciso. ``Um novo empate pode complicar as coisas'', concordou Muller.
Com apenas um ponto ganho e ocupando a última colocação em seu grupo, os santistas têm chances de se classificar e é essa possibilidade que embala os jogadores. ``Todo mundo falava que o Santos não ia chegar, que era a zebra do grupo, mas mostramos domingo que não é isso e que temos futebol para disputar o título'', comentou Narciso. Para o lateral Dutra, ``está faltando ainda um algo mais, pois não chegamos à vitória, mas vamos conseguir nosso objetivo'', disse.
COMISSÃO FICA - O supervisor Marco Aurélio Cunha estava chateado com entrevista publicada por um jornal da Capital em que ele confirmava a possível saída da comissão técnica depois do Brasileiro e que o destino do grupo poderia ser o Corinthians. ``Não fui procurado por qualquer dirigente, não tenho intenção de deixar a Vila Belmiro e jamais diria uma coisas dessas numa fase decisiva do campeonato''.
Cunha admite que há especulações a esse respeito. ``Não há, porém, qualquer fato concreto a esse respeito''. Atribuiu a notícia a um mal entendido. ``O repórter de uma rádio me perguntou o que achava que deveria ser feito no Corinthians e respondi que o clube precisa se renovar e que a política não deve influenciar o futebol, além de investir muito forte na infra-estrutura, como estamos fazendo no Santos''. Ele acredita que o repórter do jornal não ouviu a pergunta e torceu a informação.
O contrato de Wanderley Luxemburgo com o Santos é de dois anos e terminará no final de 98. O treinador se recusa em comentar os boatos que sempre surgem sobre sua saída, o mesmo acontecendo com os dirigentes. Mesmo sem estar assinado, todos acreditam que o compromisso será cumprido até o fim, mas há informação de que o treinador irá impor a contratação de três reforços de peso para continuar dirigindo o Santos em 98.


Leão define por Neguetti no lugar de Sandro Blum

EVALDO MAGALHÃES
Da Agência Estado - Belo Horizonte, MG

O técnico do Atlético, Émerson Leão, reiniciou os treinamentos da equipe ontem à tarde, visando o jogo de amanhã com o Palmeiras, no Mineirão. Leão não poderá contar com o zagueiro Sandro Blum, que cumpre suspensão por ter sido expulso na derrota de 2 a 0 para o Internacional, sábado à noite, no Beira Rio. O jovem Neguetti será o substituto, formando a zaga com Sandro Barbosa. Já o lateral-direito Bruno, que não atuou em Porto Alegre, retorna à equipe. Edgar, improvisado na posição, na última partida, reassume o posto de volante para a saída de Roberto, autor de um gol contra, diante dos gaúchos.
Leão atribuiu o resultado negativo de sábado a ``detalhes que serão corrigidos'' e disse que permanece confiante na classificação do Atlético à final do Brasileiro. Para isso, segundo ele, derrotar o Palmeiras amanhã e no fim de semana, na abertura do returno dos quadrangulares semifinais do campeonato, é fundamental. ``Continuamos com crédito e vamos procurar trabalhar para obter esses seis pontos'', afirmou.
Os jogadores acompanham o raciocínio do treinador. ``Não vamos abaixar a cabeça porque temos capacidade para vencer todos os nossos adversários'', disse o goleiro Taffarel. O Atlético entrará em campo com cinco jogadores pendurados com o segundo cartão amarelo, o que pode significar desfalques no jogo do dia 30: Neguetti, Edgar, Sandro Barbosa, Bruno, Marques e Roberto.
Violência - A prisão, no sábado, de seis torcedores do Atlético em Porto Alegre, acusados de fazer um ``arrastão'' com dezenas de companheiros em uma avenida próxima ao Beira Rio, roubando sapatos, roupas e CDs em lojas da região, teve repercussões em Belo Horizonte. O presidente da torcida Galoucura, Raimundo Ferreira, o ``Mundinho'', garantiu que, dos envolvidos, apenas três pertencem à organização. Mundinho afirmou que eles e outros torcedores que, eventualmente, venham a se envolver em episódios como os ocorridos no Sul do País serão expulsos.
``Vamos banir esses maus elementos e entregar a ficha deles à Polícia Civil, porque o nosso objetivo é manter limpo o nome da torcida'', disse. Mundinho ainda não tinha sido informado, no início da tarde, sobre a detenção, por policiais de Santa Catarina, de outros cinco atleticanos, componentes da Caravana que retornava de Porto Alegre para Minas. Quando os ônibus passavam por Florianópolis, cinco passageiros teriam apedrejado casas e veículos, na estrada. Eles foram presos e liberados mediante pagamento de fiança.
Política - Hoje, os componentes de uma das três chapas que disputam a eleição do dia 9 de dezembro, para a escolha da nova diretoria do Atlético, apresentam-se oficialmente à imprensa. O evento acontece durante um café da manhã, em um hotel no centro de Belo Horizonte. Encabeçada pelo advogado mineiro Édson Simão, a chapa conta com um forte cabo eleitoral: o ministro do Trabalho, Paulo Paiva, que é conselheiro do time e participa do evento. Também concorrem à presidência o atual dirigente do clube, Paulo Cury, e o ex-deputado federal Saulo Coelho (PSDB), presidente da Telecominações de Minas Gerais (Telemig).


Fabiano é a única dúvida de Celso Roth

AYRTON CENTENO
Da Agência Estado - Porto Alegre, RS

A única dúvida do Inter para o jogo de amanhã contra o Santos é o atacante Fabiano. Queixando-se de dores, Fabiano saiu antes do final de Inter 2 x Atlético/MG 0. Deixou o campo sentindo a mesma tendinite que ameaçou afastá-lo da partida de sábado. Ontem, Fabiano fez tratamento médico, buscando a recuperação completa. Ele acredita que estará em campo diante do time de Wanderley Luxemburgo. Como a vitória é essencial para a sua equipe, Luxemburgo terá que atacar, o que poderá propiciar espaços interessantes para um jogador do feitio de Fabiano, arma para um contrataque veloz.
Parceiro de Fabiano no ataque do campeão gaúcho, o centroavante Christian gostou de saber que o zagueiro Ronaldo, do Santos, foi expulso no 3x3 contra o Palmeiras. Lembrou que Ronaldão impõe respeito e com sua ausência poderá ser mais fácil jogar, notadamente pelo alto, um especialidade do goleador colorado.
A delegação viaja hoje para São Paulo. Os planos do Inter são de retornar com, pelo menos, um ponto do Morumbi. Esta conquista seria importante porque a equipe gaúcha pontuaria fora de casa e diante de uma equipe que ainda aspira chegar em primeiro no grupo. No sábado, o Inter estréia no returno desta 2ª fase, enfrentando novamente o Santos, mas desta vez em seu estádio, o Beira-Rio, onde deverá jogar exclusivamente pela vitória.


VÔLEI MASCULINO

Seleção é campeã da Copa dos Campeões

A seleção poderia perder para o Japão por até 3 a 1, mas mostrou um excelente jogo e
ganhou o ouro com uma vitória de 3 a 0.

Da Agência Estado - São Paulo

Depois de quatro anos, a seleção brasileira masculina de vôlei voltou a subir no degrau mais alto do pódio de um torneio de alto nível internacional. O renovado time orientado pelo técnico Radamés Lattari Filho derrotou ontem o Japão por 3 a 0, com parciais de 15/5, 15/11 e 19/17, em 1h29 de partida, no Ginásio Yoyogi National, em Tóquio, e conquistou invicto o inédito título da Copa dos Grandes Campeões. A última grande vitória da equipe havia sido a Liga Mundial de 1993.
Os jogadores e os integrantes da comissão técnica da seleção nem esperaram o final da partida para comemorar a conquista do título e do prêmio de US$ 300 mil. Depois de vencer o segundo set e de garantir matematicamente a medalha de ouro, os brasileiros já se abraçaram em quadra. A festa pelo primeiro lugar foi numa churrascaria tipicamente brasileira na capital japonesa.
A satisfação de ganhar o título com um time jovem foi muito grande para o treinador, que está há dez meses no cargo. "Ganhar é sempre bom", diz o técnico, que contou com atletas como Manius e Renato Felizardo, que defenderam pela primeira vez a seleção adulta. "Mas se eu não dissesse que o gostinho desta conquista não foi especial estaria mentindo", prossegue. "O que vai passar para a história, porém, é que o Brasil foi campeão do torneio, não importando com quem."
Sem Maurício, Carlão, Marcelo Negrão (pediram dispensa), Tande, Giovane (trocaram a quadra pela praia) e Max (contundido), o Brasil obteve uma campanha brilhante no torneio. A equipe derrotou Cuba (3 a 1), Austrália (3 a 0), China (3 a 0) e Holanda (3 a 2), além do Japão (3 a 0), perdendo apenas 3 sets em 5 partidas. O time-base brasileiro contou com Leandro, Giba, Gustavo, Douglas, Joel e Nalbert, o grande destaque da competição. Manius exerceu a função de líbero (o atleta que dá volume de jogo, atuando no passe e na defesa).
Sonho _ Depois de carregarem Radamés Lattari nos ombros, os jogadores mal puderam descrever a emoção de ganhar um torneio que reuniu todos os campeões continentais. O meio-de-rede Douglas, o mais velho do grupo com 27 anos, disse que não esperava a conquista. "O Brasil já ganhou torneios importantes, mas este foi especial", lembra. "O time é novo, viajamos para o Japão sem a ambição de ganhar e a campanha acabou sendo maravilhosa, excelente, espetacular."
Outro jogador muito feliz era Gustavo, o outro meio-de-rede titular, de 21 anos. "Estou disputando minha primeira temporada na seleção e já consegui o meu primeiro título", comenta. "Era tudo o que eu queria."
A delegação inicia hoje viaja de volta ao Brasil. A chegada está inicialmente prevista para amanhã, às 10h15, no Aeroporto de Cumbica. A Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) pretende prestar, porém, uma homenagem aos atletas e é possível que a equipe siga direto para o Rio, onde a entidade organizaria um almoço.


Nalbert é eleito o melhor da Copa

Da Agência Estado - São Paulo

O atacante Nalbert alcançou a maturidade na Copa dos Grandes Campeões de Vôlei. Aos 23 anos, o atleta da Olympikus, de 1,95 metro, viajou para o Japão com a responsabilidade de ser o novo capitão da seleção. Encarou o desafio e saiu consagrado do torneio. Foi o maior pontuador da competição, com 55 pontos marcados em 5 jogos, a melhor recepção e acabou eleito o melhor jogador da Copa, ganhando US$ 40 mil como prêmio. "Foi tudo perfeito", comemora o atleta. "Não poderia ter sido melhor."
Embora jovem, o carioca Nalbert Tavares Bittencourt foi um dos atletas mais experientes da seleção no Japão. Ele está no grupo desde 1994 e nunca havia passado por um momento tão bom como o de agora. "Já participei de vários torneios, defendendo o Brasil", lembra. "Mas nada pode ser comparado com esta Copa dos Campeões."
Motivos não faltam para a alegria de Nalbert. Além de ter terminado em primeiro lugar nas estatísticas de pontuação e de recepção (80,44% de aproveitamento), o jogador ficou entre os dez atletas mais bem colocados no ranking de outros quatro fundamentos. Ele só não apareceu entre os melhores no levantamento, função que não exerce. Nalbert ficou na segunda colocação no saque (média de 0,39 ponto por set), na terceira na defesa (3,50 por set), na sexta no bloqueio (0,89) e na oitava no ataque (aproveitamento de 53,49%).
A principal característica de Nalbert sempre foi o volume de jogo, com boas atuações na defesa e na recepção. No Japão, o jogador mostrou evolução também no saque e no ataque e acabou como maior pontuador.


Lattari elogia o desempenho dos novatos

Da Agência Estado - São Paulo

O técnico Radamés Lattari Filho elogiou todos os jogadores que participaram da histórica campanha da seleção brasileira de vôlei na Copa dos Grandes Campeões, no Japão. Ele ficou entusiasmado com o desempenho do grupo e com o potencial dos atletas _ mesmo daqueles que tiveram poucas oportunidades de jogar, como o meio-de-rede Ricardo Roim, do Banespa, contundido. "É o futuro de nosso vôlei", diz o treinador, referindo-se ao gigante de 21 anos e 2,09 metros.
O atacante Nalbert, o grande destaque brasileiro na competição, mereceu os maiores elogios. "É um dos melhores jogadores do mundo no passe e na recepção", comenta. "Ganhou o posto de capitão porque vejo nele a mesma alegria e prazer de jogar de Carlão."
Sobre o veterano Douglas, o único campeão olímpico no grupo, Radamés reconheceu o esforço do atleta da Philco, que passou por momentos difíceis no esporte. "Deu a volta por cima", analisa. "Diminuiu o peso, está cuidando da parte física e, assim, tem condições de melhorar no aspecto técnico."
Futuro enorme _ Os atletas mais jovens mereceram atenção especial do treinador, que tirou a temporada de 1997 para fazer experiências e testes. O atacante Manius, de 21 anos e 2,00 metros, segundo Radamés, tem um futuro enorme. "Não temos no Brasil nenhum jogador de ponta, com a altura dele, que passe e defenda tão bem", comenta. "Quando atacar bem, poderá ser titular de qualquer seleção brasileira."
Os meio-de-redes Gustavo, do Banespa, e Itápolis, do Lupo/Náutico, também foram lembrados. Para o treinador, Gustavo ainda pode evoluir muito, mas garante que não vê outro jogador com tanto potencial para a posição desde Amauri, uns dos integrantes da geração de prata do vôlei brasileiro. Já Itápolis, de acordo com o técnico, tem o ataque mais veloz do País pelo meio.


VÔLEI FEMININO

Seleção retorna com a medalha de bronze

Da Agência Estado - São Paulo

Com a medalha de bronze e um prêmio de US$ 100 mil conquistados na Copa dos Grandes Campeões, a seleção feminina de vôlei retorna hoje ao Brasil. A delegação tem desembarque previsto para as 10h15, no Aeroporto de Cumbica. A meio-de-rede Ida, titular no Japão, despediu-se oficialmente da seleção. Ela garante que não voltará mais a defender o Brasil.
Aos 32 anos, a jogadora atuou pela seleção por mais de 300 vezes e está cansada da rotina de concentração, de viagens e de jogos. "Já havia abandonado a seleção na Olimpíada de Atlanta, no ano passado, e só aceitei o convite para voltar agora porque não houve treinamento da equipe", lembra. "Apresentamos num dia e viajamos no outro para o Japão."
Ida, na verdade, havia abandonado o vôlei de quadra para dedicar-se à praia. Chegou a disputar alguns torneios na areia, mas este ano voltou ao esporte em ginásio fechado. É um dos destaques do Mappin/Pinheiros, que disputará a Superliga de 1997/1998.
A jogadora já está preocupada com a vida depois do esporte. Quer aprender inglês, morar algum tempo no exterior e já deu os primeiros passos rumo aos negócios. Ela é sócia de uma fábrica de jóias.
Além de Ida, a seleção brasileira que jogou no Japão contou com Ana Moser, Fernanda Venturini, Hilma, Karin Negrão, Virna, Ana Paula Popó, Ângela Moraes, Cilene, Fernanda Doval, Fofão e Janina.
O técnico Bernardinho deve reunir-se na próxima semana com os dirigentes da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) para definir o calendário de jogos e treinos de 1998 para o Campeonato Mundial do Japão. LEGENDA -- Virna foi uma das destaques da seleção no torneio japonês.


COMUNIDADE SOLIDÁRIA

Hortência vai colaborar com a campanha

IVANA DINIZ MACHADO
Da Agência Estado - Brasília

Atletas de renome internacional, como Hortência (basquete), Aurélio Miguel (judô) e Bernard (vôlei), participaram ontem da escolha de 12 cartazes elaborados por crianças para compor o calendário para 1998 do Instituto Nacional de Desenvolvimento do Desporto (Indesp). O concurso de cartazes divulgará o programa Esporte Solidário, uma iniciativa do ministro dos Esportes, Édson Arantes do Nascimento, Pelé, com a mesma filosofia do Comunidade Solidária e em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e o Sesi.
O Programa Esporte Solidário contou com investimentos de R$ 14 milhões em 97, uma verba razoável para a pasta dos Esportes, cujo orçamento total fica em minguados R$ 50 milhões. Cerca de 96 mil crianças de 354 comunidades em 20 Estados já foram atendidas por meio de parcerias com prefeituras, fundações, ministérios. A meta é estimular as crianças à prática do esporte com cidadania, principalmente nas comunidades mais carentes.
Participaram do concurso Pintando o Esporte Solidário 65 mil crianças e adolescentes entre 7 e 17 anos, em 265 municípios. Os 12 vencedores ganharam bicicletas e bolas assinadas por Pelé. A entrega dos prêmios será no dia 17 de dezembro, na sede da CNI, em Brasília. Além de práticas desportivas, os meninos atendidos recebem reforço alimentar e escolar, assistência à saúde e aulas de arte e educação.


BASQUETE

Marathon tenta manter padrão contra o Report

VALÉRIA ZUKERAN
Da Agência Estado - São Paulo

O técnico do Marathon/Gallus/Franca, Hélio Rubens terá de superar vários problemas para o clássico de hoje contra o Report/Valtra/Mogi, às 19h30 em Mogi das Cruzes. O desafio será manter o padrão de jogo sem Chuí, suspenso por dois jogos, e Rogério, contundido. O treinador faz mistério quanto aos substitutos, que poderão ser Helinho, Ricardo ou Júnior.
Em Mogi, o técnico Cláudio Mortari poderá contar com força máxima para esta partida. "Apesar de estarmos tranqüilos, esperamos um jogo muito difícil, uma vez que o Franca tem um bom conjunto, com vários talentos individuais." As duas equipes, que decidiram o título do ano passado (com vitória para Mogi), já estão classificadas para as semifinais, assim como Banco Bandeirantes e Ribeirão/Polti/COC, mas o resultado é importante na definição dos adversários do playoff.
Sem Oscar _ Sem poder contar com Oscar, que cumpre hoje seu segundo jogo de suspensão, o Banco Bandeirantes pega o Brastemp/Rio Claro, que luta por uma das quatro vagas restantes para o playoff. A partida será às 21 horas, em Rio Claro. O técnico do Bandeirantes, Marcel, promete manter o mesmo esquema de jogo utilizado no campeonato. "Mas sempre ficam faltando os 40 pontos de Oscar", ressalta. Para o Rio Claro, do treinador Zé Boquinha, a partida é decisiva porque restam mais dois jogos na fase de classificação e oito times podem conquistar uma vaga para a próxima fase.


MASTERS DE TÊNIS

Guga estréia amanhã contra Andrei Medvedev

O brasileiro, campeão de Roland Garros, entra na competição como o principal favorito ao título.

VALÉRIA ZUKERAN
Da Agência Estado - São Paulo

O ucraniano Andrei Medvedev, tenista número 27 do mundo, será o adversário de Gustavo Kuerten na estréia do Banco Real Masters de tênis, que será disputado a partir de amanhã no Ginásio do Ibirapuera. Os dois jogam às 18 horas e às 20 horas será a vez de Fernando Meligeni, número 68 no ranking da Associação de Tenistas profissionais (ATP), que jogará contra o tenista eslovaco Dominik Hrbaty.
Hrbaty, 42º do mundo e considerado pelos especialistas a revelação da temporada, foi definido como substituto de Sergi Bruguera. O tenista espanhol voltou a sofrer a contusão nas costas que o tirou do Master de Hannover. Com isso, ele perdeu a chance de uma revanche contra Guga, que o venceu a final do torneio de Roland Garros deste ano. Outra estrela do torneio é o holandês Richard Krajicek, número 11 do mundo, que estréia amanhã contra o suíço Marc Rosset, 31º, às 16 horas.
Também participam da competição, que irá distribuir US$ 800 mil em prêmios, o marroquino Karim Alami (55º) e o argentino Hernan Gumy (85º), que disputam a partida inaugural do torneio às 15 horas.
Guga tem boa espectativa para o torneio. "Já fiz um treino no piso de tapete e ele é semelhante ao das últimas competições que venho disputando, o que vai facilitar a adaptação", avaliou o tenista. Meligeni está ansioso por jogar na capital. "É bom disputar um torneio em casa, com a família e os amigos por perto", explica. "O único problema é que terei de comprar um capacete para enfrentar o Krajicek e o Hrbaty, que sacam muito", brincou.
Rosset, que chegou ontem ao Brasil também está animado. "O prêmio é muito bom e o momento para a competição é oportuno pois estamos no fim da temporada mas ainda com bom preparo físico." Mas o suíço preferiu a cautela ao falar sobre suas espectativas para os jogos. "Vou treinar antes e ver como poderei render."
Namoro _ Torneios no Brasil trazem boas lembranças ao marroquino Alami. Há cinco anos ele conheceu a atual namorada, a brasileira Natalie Van der Smitttn, que aproveitou a ocasião para visitar a família no Brasil. "Ela me ajudou com as traduções para o inglês durante um torneio no Guarujá, em 1991, e acabamos nos apaixonando", conta o marroquino, que aprendeu a falar português nas várias viagens que fez ao Brasil nas férias. Natalie está há três anos no Marrocos. "No próximo ano pretendo fazer faculdade de fisioterapia na França", diz a brasileira.


Guga diz que é favorável ao sexo antes do esporte

Da Agência Estado - São Paulo

Num clima de descontração, do jeito que gosta, o tenista Gustavo Kuerten participou ontem do "Programa Livre", no SBT, e entre as várias intimidades e curiosidades tiradas com habilidade pelo apresentador Serginho Groisman, Guga admitiu ser favorável ao sexo antes do esporte. Disse que se, por exemplo, estiver viajando com a namorada, não vê qualquer problema numa relação na noite anterior aos seus jogos.
A declaração de Guga, que jura de pés juntos não ter namorada, causou ruidosa reação da animada platéia do "Programa Livre". O técnico do tenista, Larri Passos também não fez restrições e deu uma lição. "Não se deve confundir sexo com noitada", afirmou o treinador. "Acho que o esportista pode ter relações sexuais, sem problemas, mas o que não pode é o sexo vir acompanhado de uma noite de festa com bebida alcoólica e excessos que não podem andar junto com o esporte."
Também Fernando Meligeni participou do "Programa Livre" e concordou com Kuerten, dizendo que é preciso ter consciência. "Uma rapidinha não faz mal." Seu treinador, Ricardo Acioly, concordou. "Se o esportista não quiser passar a noite inteira provando seu desempenho, não há motivo para proibir o sexo."
ASSÉDIO - Gustavo Kuerten viveu uma tarde de ídolo, quase como um cantor de rock. Sua presença numa platéia de adolescentes atiçou ainda mais a animação, especialmente, das meninas. Mas Guga surpreendeu ao garantir que não vê assédio maior das fãs. Preferiu manter sua estratégia de se fazer de desentendido e achar que nada mudou em sua vida.
Tão simpático quanto o Guga, a sua mãe, Dona Alice, também teve uma participação no "Programa Livre", sendo chamada por telefone. Brincou com o público, pedindo que as fãs não "atacassem" seu filho e desfez um suspense que vinha desde o início do programa, revelando o apelido de Kuerten entre os amigos: conhecido como "prego" pelas discutíveis habilidades no surfe.
Em todos os momentos, o programa manteve um pique ágil, atraente, com o público e o apresentador, Serginho Groisman, demonstrando interesse e conhecimento pelo tênis. Isso deixa claro que a modalidade hoje está bem mais popular do que antes da conquista de Roland Garros deste ano.


SUPERCOPA

São Paulo viaja amanhã para jogar contra o Colo-Colo

Da Agência Estado - São Paulo

A delegação do São Paulo viaja amanhã às 10h30 para Santiago do Chile em busca da classificação para as finais da Supercopa dos Campeões da Libertadores. O jogo será contra o Colo Colo, time que o São Paulo derrotou por 3 a 1 na primeira partida realizada no Morumbi e o qual pode até perder por 1 a 0, quinta-feira à noite. Depois de perder o Campeonato Paulista em final com o Corinthians, o time dirigido pelo técnico Dario Pereyra só dependerá de sí próprio para conseguir a sua primeira e única conquista de 1997. Ganhando dos chilenos, o São Paulo enfrentará o vencedor de River Plate e Atlético Nacional de Medellin. A primeira partida entre os clubes da outra chave foi vencida pelos argentinos por 2 a 0 em Buenos Aires.
O zagueiro Bordon, que fraturou o pé a semana passada em Campo Grande, desfalcará o time que já estava definido por Dario Pereyra. Márcio Santos, Gallo e Silas, que foram contratados para tentar ajudar o São Paulo com sua experiência, também não enfrentarão o Colo Colo, pois o clube foi impedido de inscrevê-los na competição por causa de um veto dos dirigentes do River Plate. Os demais titulares estão escalados e o São Paulo deverá iniciar a partida com Rogério; Zé Carlos, Álvaro, Edmílson e Serginho; Sidnei, Alexandre, Fabiano e Denílson; Dodô e Aristizabal.
O retorno para Campo Grande está marcado para o dia 28 e a delegação só descerá em São Paulo para trocar de avião, pois seguirá diretamente para o Mato Grosso do Sul, onde no dia seguinte enfrentará o Coritiba pelo torneio que está sendo realizado naquela cidade. Caso se classifique para as finais da Supercopa, o São Paulo enfrentará River Plate ou Atlético Nacional dias 3 e 17 de dezembro.


CORINTHIANS

Jogadores não conseguem encontrar motivação para enfrentar o Paraná

Da Agência Estado - São Paulo

Completamente desmotivado, com jogadores como o zagueiro Célio Silva e até o técnico demissionário Candinho achando que o mais natural seria que todos já estivessem em férias, o Corinthians já prepara mais uma viagem para Campo Grande. Depois de treinar ontem e hoje, a delegação embarcará amanhã para a capital do Mato Grosso do Sul para continuar sua desinteressante participação no torneio daquela cidade.
Depois de perder em sua estréia por 3 a 0 para o Botafogo do Rio, o Corinthians enfrentará o Paraná quinta-feira, à partir das 20h40, com transmissão do SBT. No mesmo dia, à partir das 18h40, a Globosat transmitirá Rio de Janeiro e Vitória. E o Corinthians corre o risco de ter dias mais desinteressantes ainda, pois mesmo que não se classifique para as finais do torneio, o que não deverá mesmo acontecer, principalmente depois da derrota contra o Botafogo, terá mais um jogo a cumprir.
O contrato feito com os organizadores do torneio obrigam-no a voltar novamente a Campo Grande, quando seu time ainda terá um último compromisso, jogando contra o Operário daquela cidade, dia 4. As férias dos jogadores só começarão dia 8, quando o técnico Candinho fará sua despedida oficial do elenco, depois de ter livrado o clube do rebaixamento, mas desistido de continuar trabalhando no Parque São Jorge.


PASSE LIVRE

Raniélli ganha a batalha no México

Da Agência Estado - Santos, SP

O meia Raniélli conseguiu vencer uma batalha contra o Cruz Azul, do México, e já tem passe livre. Ele recebeu no final de semana o cartão da Fifa e está liberado para assinar contrato com qualquer time. ``É um alívio poder voltar a jogar'', disse ele ontem, lembrando que está parado há seis meses por conta do problema com o clube mexicano, que comprou seu passe em janeiro do ano passado e, como não podia increvê-lo, emprestou o jogador ao Juventus. ``Era para ser chamado em junho, mas isso não aconteceu até agosto e, em 1º de setembro, tomamos as providências judiciais para esclarecer o caso''.
Com a situação indefinida, ele não pode jogar o Campeonato Brasileiro. ``Houve interesse em minha contratação, mas todos achavam que eu estava no México'', disse Raniélli. Com o passe na mão, espera uma nova oportunidade para voltar a jogar. ``É complicado ficar seis meses parado, mas estou pronto para retornar'', completou.


PLACAS

Empresa de Kléber Leite vence concorrência

SEBASTIÃO REIS
Da Agência Estado - Rio

A empresa Traffic, que tem entre seus sócios o presidente do Flamengo, Kléber Leite, venceu a concorrência para a exploração de 18 painéis de publicidade do Maracanã. O processo de escolha demorou 24 horas, mas envolveu um valor recorde, de R$ 821.700,00, por um ano de contrato, segundo o presidente da Superintendência de Desportos do Rio de Janeiro (Suderj), Raul Raposo. Ele reagiu à polêmica provocada pela rapidez com que a negociação foi feita afirmando que "tudo foi transparente" e que procurou se proteger dos cartéis.
O contrato, pago à vista, ressuscita uma antiga parceria do dirigente rubro-negro com os negócios do Maracanã. A empresa de Kléber Leite deixou de explorar as placas do estádio há dois anos, desde que Raul Raposo, um funcionário do Estado, assumiu a administração da Suderj. Quando o dirigente chegou, a Traffic pagava R$ 200 mil para explorar 40 placas por 12 meses. Raposo celebrou o novo contrato como uma vitória. "Consegui que ela pagasse por 18 painéis em um ano o que pagava por 40 em quase cinco anos", justificou.
Raposo argumentou que, se antes havia um monopólio da Traffic, agora o negócio conta com a participação de outras empresas. "Esses 18 painéis comercializados não estão entre os de posição mais privilegiada no campo", garante. A exploração do espaço nas 40 placas de publicidade despejam R$ 3,5 milhões por ano no caixa da Suderj. "O dinheiro da Traffic já está nos nossos cofres, protegido dos efeitos do pacote", afirmou.
A pressa foi uma estratégia, segundo Raposo. Disse que temia que um processo demorado possibilitasse a formação de um cartel. Uma empresa, com o aval das demais, poderia apresentar um valor mínimo, ganhar a concorrência e, depois, dividir o lucro do negócio com as demais. Por isso, fez questão de enfatizar que não houve licitação, mas sim uma concorrência. "Mandei a proposta por fax para quatro empresas do mercado que estão sempre interessadas na publicidade", revelou. Além da Traffic, receberam a proposta a Paes Andreotti, a Brilho e a Sports Media.
De acordo com o dirigente, só a Traffic e a Brilho responderam dentro do prazo. A Paes Andreotti, de São Paulo, mandou uma proposta superior à da Traffic, acima de R$ 900 mil, mas o fax chegou depois de encerrada a concorrência. "Tenho toda documentação comigo à disposição de qualquer interessado, com parecer da Auditoria, da Controladoria e do Departamento Jurídico", garantiu o dirigente. O presidente do Flamengo, Kléber Leite, afirmou que está tão envolvido com os problemas do clube que nem participou das negociações. "Isso ficou por conta de outras pessoas da empresa."
Carlos Roberto, diretor da Sports Media, confirmou que a empresa foi convidada pela Suderj a participar da concorrência, mas que não teve interesse. "Nós não temos tradição em placa de futebol; nossa proposta é mais ampla, de patrocínio esportivo."
As placas do Maracanã foram negociadas pouco antes de divulgado o edital de privatização do estádio. O novo edital, conforme Raposo revelou no dia 25 de julho deste ano, permitirá a demolição de um dos anexos do estádio para a construção do estacionamento, mas desde que a vencedora da licitação construa o que derrubou, em outro local. Outra diferença é que além de investir de R$ 60 a 80 milhões no Maracanã, o governo exigirá um aluguel de R$ 1 milhão por ano, por um período de 30 anos.


CAMPEONATO ESPANHOL

Palhinha joga no empate do Mallorca

Da Agência Estado - Madri, Espanha

O meia brasileiro Palhinha, do Real Mallorca, revelou ontem que está muito feliz por voltar a defender a equipe no Campeonato Espanhol. O brasileiro, que foi campeão da Libertadores pelo Cruzeiro, voltou a atuar pela equipe espanhola ontem no empate de 0 a 0, contra o Mérida. "Me senti muito bem e infelizmente não aproveitei algumas chances de gol, principalmente no primeiro tempo", disse o meia, que foi contratado em agosto por US$ 3 milhões. Palhinha só havia jogado 59 minutos no certame, na partida de estréia da sua equipe contra o Valencia, depois ficou realizando um treinamento especial para recuperar sua forma física.


SELEÇÃO

Zagallo antecipa convocação da seleção

SEBASTIÃO REIS
Da Agência Estado - Rio

A comissão técnica da seleção brasileira antecipou de amanhã para hoje a convocação dos jogadores que vão participar do amistoso contra a África do Sul, dia 7, em Johannesburgo, e da Copa do Rei, de 12 a 21, em Riad, Arábia Saudita. O técnico Zagallo tem problemas para elaborar a lista, em virtude das dificuldades impostas pelos clubes europeus para ceder seus jogadores por longo período.
Zagallo descartou a possibilidade de começar a disputa da Copa do Rei com uma equipe e terminar com outra, como sugeriu a Fifa, em fax enviado à CBF na semana passada. A entidade internacional argumentou que os clubes europeus têm jogos importantes e pediu à comissão técnica que seja flexível, se possível, para não utilizar os jogadores convocados em todas as partidas, devolvendo alguns a seus clubes antes do término da competição. "Isso é um absurdo", definiu Zagallo.
A comissão técnica da seleção aceitou algumas ponderações da Fifa, como a que recomenda a redução do período de apresentação dos jogadores. De acordo com as normas, os atletas devem ser liberados pelos clubes 14 dias antes de competições oficiais. A Fifa sugeriu que, no caso da Copa do Rei, os atletas sejam cedidos cinco dias antes. A CBF optou por nove, mas está negociando com alguns clubes. "Não seremos radicais", afirmou o supervisor Américo Faria.
O treinador pretende contar com os principais craques em atividade no exterior. Mas não poderá convocar jogadores dos oito clubes envolvidos nas finais do Brasileiro. Com poucas opções, ele confirmou que pretende recorrer aos "estrangeiros", sem descartar a possibilidade de buscar soluções domésticas, como o próprio Bebeto, que disputará a final do Mundial Interclubes pelo Cruzeiro, dia 2, em Tóquio, contra o Borussia Dortmund.
A estréia do Brasil na Copa do Rei será contra a Arábia Saudita, dia 12, às 16h15 (10h15 de Mato Grosso). Os outros jogos serão contra a Austrália, dia 14, às 20h (14 de Mato Grosso); e México, dia 16, também às 14h de Mato Grosso. A fase semifinal será disputada no dia 19; a disputa do terceiro e quarto lugares e do título será no dia 21.