CASO RONALDO

Ronaldinho quebra silêncio e desmente médico da seleção

Atacante nega que tenha tido convulsão e atribuiu o fracasso do Brasil contra a França ao insucesso de todo o time

Andreia Maia
Da Agência Estado – Rio

O atacante Ronaldinho quebrou o silêncio de três dias e afirmou ontem, em entrevista, que não sofreu convulsão no dia da decisão da Copa do Mundo, como anunciara inicialmente a comissão técnica da seleção. "Não houve nada, nunca houve nada disso", disse ele, desmentindo o médico da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Lídio Toledo. Ele atribuiu o fracasso do Brasil contra a França ao insucesso de todo o time. "O problema é que toda equipe jogou mal e encontraram em mim uma desculpa para a derrota."

O jogador revelou que não será submetido a novos exames para o diagnóstico do problema médico que quase o afastou da decisão. "Não vou fazer novos exames por que não tenho nada", disse. "Os exames já foram feitos lá na França e estou tranqüilo." Ele negou também que tenha sofrido uma crise de epilepsia _ suspeita levantada pelos médicos da seleção. "Estou chateado com a imprensa, com as informações desencontradas que saem sobre o meu estado de saúde".

Minutos antes, Ronaldinho ofendeu os repórteres aglomerados no Condomínio Bosque dos Esquilos, onde mora sua mãe, Sônia, na zona oeste do Rio. "Falem o que vocês quiserem, vocês só falam merda mesmo."

O jogador voltou a afirmar que pediu ao técnico Zagallo que o escalasse contra a França. "Pedi para jogar depois que fiz os exames e estava tudo bem." Ronaldinho disse que vai descansar por mais 30 dias e que terá, a partir de hoje, a companhia da namorada Suzana Werner. "Mas para que vou dizer onde vamos passar as férias?", indagou. "Para vocês me perseguirem?" Após o desabafo e as críticas, agradeceu aos que têm se preocupado com ele e disse que tem mantido contatos diários com o presidente do Internazionale de Milão, Massimo Moratti. No início da manhã, um dos assessores de Ronaldinho chegou a casa de sua mãe levando um documento, mas o jogador não quis dizer do que se tratava. "Vocês são muito curiosos". Vestido de bermuda jeans, blusa branca, tênis e boné, Ronaldinho garantiu que não sente dores nos joelhos. "Está tudo legal e estou bem." Ele se disse triste com a perda do título e tentou ser solidário. "Sofri como todos vocês", declarou, voltando-se para os jornalistas e às crianças e adolescentes que buscavam autógrafos no condomínio.

No fim da entrevista, a mãe do craque veio chamá-lo para o almoço. Antes de seguir para casa, negou que teria comprado uma ilha em Angra dos Reis, no sul do Estado, como chegou a ser veiculado pela imprensa carioca nos últimos dias. Por volta das 15 horas, Ronaldinho deixou o condomínio com a mãe e mais dois amigos, ao volante de um Mercedes. Sua mãe ficou no BarraShopping e Ronaldinho foi para o Condomínio Varanda do Atlântico, na Avenida Sernambetiba, 2255, na Barra da Tijuca, zona oeste.


Lídio Toledo diz que Ronaldinho deve fazer os exames

José Emílio Aguiar
Da Agência Estado – Rio

O médico da seleção brasileira Lídio Toledo disse que Ronaldinho estará assumindo um risco caso não faça exames neurológicos para descobrir as causas da crise convulsiva no dia da final da Copa do Mundo. "Ele deveria investigar o problema", afirmou. "Não custa nada fazer os exames para preservar a saúde."

Ronaldinho negou ter tido convulsão e rejeitou a hipótese de ser epilético. Mas, para Lídio, o atacante falou isso porque não se lembra do que aconteceu. "Ele dormiu logo após a convulsão e, quando acordou, pensou que tinha tido um pesadelo", contou. "Só algumas horas depois eu contei a ele o que houve."

Lídio não presenciou a crise convulsiva de Ronaldinho. Correu ao quarto do jogador depois de escutar os gritos de Edmundo. Quando chegou, o jogador já estava deitado na cama, sonolento, com um resto de saliva na boca. Tinha a coloração normal, mas estava suado e com os olhos semi-fechados. Lídio disse ter alongado a sua coluna cervical, para permitir uma melhor respiração. Logo, Ronaldinho pegou no sono, sem dizer nenhuma palavra. O médico tirou sua pressão, escutou o coração e o pulso, que estavam voltando ao ritmo normal.

Dentro do quarto estavam Roberto Carlos e César Sampaio e na porta Edmundo, Gonçalves, vários outros jogadores e alguns seguranças que ouviram a gritaria. Só Roberto Carlos, César Sampaio e Edmundo, segundo Lídio, presenciaram a crise. "Eles estavam apavorados." Roberto Carlos lhe contou que Ronaldinho estava deitado e começou a se debater. César Sampaio abriu a boca do atacante para ver se a língua havia enrolado. "Ele segurou as bochechas dele, mas viu que a língua não enrolou", contou Lídio.

O médico, então, disse ter mandado que todos se retirassem. E pediu aos jogadores para que não contassem aos companheiros o que havia acontecido, até que pudesse falar com Ronaldinho. Em seguida, chegou ao quarto o clínico geral da seleção, Dr. Joaquim da Matta. Lídio conversou com ele, relatou o que houve e pediu para que Da Matta ficasse no quarto até Ronaldinho acordar.

Ronaldo acordou depois das 16h30, 2h depois da crise, e, segundo Lídio, teria se assustado ao ver Da Matta. "O que o senhor faz aqui?", teria perguntado. Em seguida, contou-lhe que sentia cansaço nas pernas e parecia ter tido um pesadelo. Da Matta havia combinado com Lídio de não falar nada sobre a crise e escondeu a verdade. Roberto Carlos, a esta altura já de volta ao quarto, também conversou normalmente com o craque.

Só quando todos desceram para o lanche, no refeitório, Lídio disse ter puxado Ronaldinho num canto e conversado reservadamente com o jogador. "Ele ficou surpreso, porque se sentia bem", contou. "Minha intenção era saber se ele tinha tido alguma crise antes, mas ele negou."


Edmundo diz que não joga com Zagallo

Da Agência Estado – Rio

Apesar de manter a fala mansa de quando desembarcou no Brasil, na terça-feira pela manhã, Edmundo resolveu abrir o jogo. O campeão brasileiro com o Vasco reafirmou ontem que só voltará a jogar pela seleção brasileira se a equipe deixar de ser orientada pelo técnico Mário Zagallo. Sem citar uma vez o nome do treinador, o atleta da Fiorentina acha que só terá nova oportunidade com outro técnico.

"Enquanto o treinador atual estiver na seleção, sei que não vai dar para jogar", comentou, com ar tranqüilo. "Espero que ele não seja mais meu técnico nunca mais."

Edmundo diz que "de burro não tem nada" e que ficou claro durante o período de preparação e de disputa da Copa da França que não teria oportunidades.

"Quando o Bebeto era substituído, entrava o Denílson e se fosse o César Sampaio, entrava o Denílson", lembrou. "Não tenho nada contra o Denílson, mas se fosse outro treinador da seleção talvez tivesse tido uma oportunidade melhor."

O jogador garante não ter ficado frustrado por não ter começado a jogar a final da Copa no lugar de Ronaldinho como saiu na primeira escalação divulgada pela comissão técnica da seleção. "Sempre estive preparado e ia entrar com prazer e fazer de tudo para ajudar o Brasil", disse. "Mas é lógico que o lugar não era meu", prosseguiu. "Era do Ronaldo, que é um grande craque e garanto ter ficado feliz por ele ter jogado."

O jogador procurou não entrar em polêmicas, embora seja um dos atletas mais controvertidos do País. Disse, por exemplo, que o Brasil poderia ter perdido mesmo se ele tivesse sido confirmado no lugar de Ronaldinho. "Não sei se o resultado seria outro, caso o Ronaldo tivesse sido poupado", afirmou. "Acredito muito no destino e a França jogou muito bem a decisão", continuou. "É difícil dizer."


Ronaldo quer descanso, diz empresário

Da Agência Estado – Rio

O empresário de Ronaldinho, Reinaldo Pitta, disse que o jogador está bem e quer apenas descansar. "É o Ronaldinho de sempre". Ele afirmou que o jogador não apresenta nenhum problema de saúde, inclusive em relação ao seu joelho esquerdo. "O Ronaldinho vai ganhar muito títulos pelo Brasil e pela Inter." O empresário acrescentou que o jogador quer ter apenas uma vida normal durante suas férias.

Pitta e Ronaldinho passaram o final da tarde juntos no apartamento do jogador, no condomínio Varandas do Atlântico, na Avenida Sernambetiba, 2255, Recreio dos Bandeirantes. Ele afirmou que os dois conversaram apenas amenidades e ressaltou que o jogador vai tirar o tempo de férias que for necessário. "Isso pode ser 20, 25, ou 30 dias." O empresário destacou que não há motivo de preocupações com a saúde de Ronaldinho e que ele não vai fazer novos exames. "Ele é uma rapaz de 21 anos de idade e a saúde está bem."

O empresário afirmou que o médico da seleção, dr. Lídio Toledo, é quem pode responder sobre os problemas que Ronaldinho possa ter tido.


FÓRMULA 1

Schumacher diz que fica na Ferrari

Piloto alemão deve assinar contrato até 2002 e receberá cerca de US$ 143 milhões pelos quatro anos

Livio Oricchio
Da Agência Estado – São Paulo

Michael Schumacher confirmou ontem, em Monza, que está mesmo muito próximo de renovar seu contrato com a equipe Ferrari até o ano 2002. "Faltam apenas detalhes, mas não sei quando assinarei o documento", afirmou. O contrato tem 90 páginas e foi traduzido em três idiomas. Schumacher receberá cerca de US$ 143 milhões por quatro temporadas. Ontem o piloto experimentou uma nova versão da Ferrari F300, com maior distância entre eixos, completou 76 voltas e registrou o terceiro melhor tempo em Monza.

Tudo o que Schumacher disse a respeito de sua permanência na equipe italiana se limitou à confirmação da negociação e a iminência do acordo. "Quando eu assinar o contrato comunico", afirmou. Sua preocupação maior era com o acerto da nova versão da F300. "Ao menos nesta pista esse chassi demonstrou ser cerca de três décimos de segundo mais veloz.", Para o universo da F-1, uma diferença como a sugerida por Schumacher é enorme.

Ele reiterou sua confiança em ser campeão este ano. "Atingimos um nível bastante elevado de competitividade." Schumacher tem 54 pontos na classificação do campeonato contra 56 do líder, Mika Hakkinen, da McLaren.

Nos testes de ontem em Monza, onde dia 13 de setembro será disputado o GP da Itália, David Coulthard, da McLaren, foi mais veloz, com 1min23s910 (49 voltas), seguido por Mika Hakkinen, 1min24s409 (57). Comprovando a evolução da Williams, o alemão Heinz-Harald Frentzen obteve o quarto tempo, 1min24s854 (60). Pedro Paulo Diniz, da Arrows, ficou animado com os testes. "Achávamos que nossa participação nas pistas velozes seria ruim por causa do motor, mas o novo V-10 deu outra perspectiva ao nosso time." Ontem ele trabalhou com o motor velho, muita gasolina no tanque e não usou pneus novos. Seu tempo foi o 13.º, 1min26s509. Outros tempos: Jean Alesi (Benetton), 1min25s261 (49); Ralf Schumacher (Jordan), 1min25s485 (89); Alexander Wurz (Benetton), 1min25s497 (81); Eddie Irvine (Ferrari), 1min25s516 (49); Damon Hill (Jordan), 1min25s639 (62); Jos Verstappen (Stewart), 1min25s729 (39).


VÔLEI

Novas regras serão testadas

Da Agência Estado - São Paulo

A Federação Internacional de Vôlei (FIVB) vem testando novas regras que visam reduzir o tempo de jogo. Uma delas é o set de 25 pontos corridos, como se todo o jogo fosse o tie-breaker, sem vantagens de lado a lado. As novas regras serão testadas durante o Campeonato Paulista Feminino de Vôlei, em agosto, mas já podem ser vistas em uma prévia, neste final de semana, na disputa da Copa São Paulo que reunirá hoje, sábado e domingo, no Pinheiros, Leites Nestlé, Uniban/São Bernardo, Mappin/Pinheiros e BCN/Osasco.

Além dos sets de 25 pontos - a Leites Nestlé venceu o Sportville por 25/18, 25/17 e 15/17, na classificatória da Copa São Paulo, na quarta-feira _, o torneio também usa o líbero, jogadora que entra em quadra a qualquer momento e tem somente a função de defender e passar. É uma jogadora que atua no fundo de quadra, proibida de participar de qualquer ataque.

O técnico da Leites Nestlé/Jundiaí, Sérgio Negrão, gostou dos pontos corridos. "Cada posse de bola é extremamente valorizada", afirmou. Negrão acha que as novas regras podem agradar o público. "Fica muito mais fácil de entender o jogo", frisou.

A atacante Ana Moser, que já conhecia o líbero da disputa do Grand Prix do ano passado, aprovou a idéia. "Dá uma oportunidade ao times de aproveitar jogadoras altas, eficientes no ataque e no bloqueio, mas que não têm habilidade no fundo de quadra", avaliou Ana Moser. Quanto aos pontos corridos, Ana acha interessante, mas afirma que essa regra torna o jogo muito difícil para as atletas. "Todo erro é grave e os times terão de ser muito técnicos", comentou. "Será preciso errar menos e aumentar muito a concentração no jogo."


BASQUETE

Brasil faz últimos preparos

Da Agência Estado - São Paulo

Nova York é a parada da seleção brasileira masculina de basquete antes do Mundial da Grécia, a partir de 29 e até o dia 9 de agosto. A equipe seguiu, ontem, da cidade de San Juan, em Porto Rico, para os Estados Unidos, onde fará a última etapa de sua preparação ao Mundial. Depois de cinco derrotas seguidas, a seleção despediu-se do Torneio Internacional de Porto Rico, na quarta-feira à noite, com uma vitória contra o México por 78 a 63 (42 a 38).

"Mais importante do que a vitória foi a apresentação da equipe que teve paciência para trabalhar a bola no ataque e definir os pontos no momento certo", observou o técnico. "Essa vitória vai dar ânimo ao grupo para tentar fazer uma boa exibição nos Jogos da Amizade", assinalou.

O torneio de Nova York começa neste domingo e o primeiro adversário do Brasil será a China, às 22 horas, no Madison Square Garden. Depois a seleção enfrenta Porto Rico, na segunda-feira, e os Estados Unidos (com uma seleção formada por universitários), na terça-feira. Todas as partidas pela fase de classificação. O armador Demétrius e o ala Vanderlei, que se recuperam de contusões, voltam a equipe neste domingo. Os dois foram o base do Brasil, juntamente com Rogério e os pivôs Pipoka e Josuel.

No Mundial, o Brasil vai estrear contra os Estados Unidos, pelo grupo D e depois joga com a Lituânia e a Coréia. O técnico Hélio Rubens ainda nem pensou quais serão os adversários da próxima fase (provavelmente Austrália, Espanha e Argentina) porque acha que o time deve estar concentrado, exclusivamente, na classificação. "Para nós tudo vai ser muito, mas muito difícil mesmo", assinalou. "Não sei o quanto essa renovada seleção poderá crescer do ponto de vista técnico e tático, mas tenho certeza do empenho e união dos jogadores para enfrentar os adversários."


SÃO PAULO

Nelsinho começa a trabalhar

Da Agência Estado - São Paulo

Depois da vitória de 2 a 0 no amistoso contra a Ponte Preta, quarta-feira no Morumbi, os jogadores do São Paulo realizaram hoje um treino leve no CT. O técnico Nelsinho tem dado prioridade ao trabalho de adaptar a equipe a jogar sem o seu principal jogador, Denilson, já desvinculado do clube, mas, ao mesmo tempo, com a liderança de Raí. Hoje, o time titular faz novo treinamento tático no CT, a partir das 9 horas, enquanto os reservas enfrentam às 15 horas o Rio Branco de Andrada, clube da Primeira Divisão do Campeonato Mineiro, também no CT.

Ainda não está confirmado, mas o próximo adversário do São Paulo nessa fase de preparação para o Campeonato Brasileiro será o Nacional, da Série A3 paulista. O jogo deverá ser quarta-feira à tarde no Morumbi. Depois disso, o campeão paulista já estréia no Brasileiro, dia 26, contra o Palmeiras, no Pacaembu.

Dois jogadores conversam com a diretoria de futebol para tentar renovar seus compromissos: Aristizabal e Gallo. O contrato do colombiano terminou dia 6, enquanto o de Gallo acaba dia 31. O São Paulo manifestou interesse em contar com os dois no elenco no Brasileiro e na Copa Mercosul. Os dois já tiveram algumas reuniões com os dirigentes.

O lateral direito Zé Carlos, que estava na Seleção Brasileira, foi ao Morumbi na quarta-feira e, na segunda-feira, às 15 horas, se reapresenta juntamente com os demais jogadores para a semana final da pré-temporada. A última partida oficial do São Paulo foi no dia 12 de maio, contra o Vasco da Gama em São Januário, no Rio de Janeiro, pela Copa do Brasil.

O São Paulo vai jogar de camisa nova no Campeonato Brasileiro. A principal mudança será a saída do logotipo Bombril para entrar o nome Cirio.

Ou seja, de produto de limpeza, o São Paulor vai apresentar em seu uniforme agora produtos alimentícios, principalmente ligados à massa de macarrão e molhos de tomate.

O novo uniforme só deve ser mostrado ao público e à imprensa na próxima quarta- feira, num restaurante da capital.


VÔLEI/FEMININO

Temporada 98/99 agita competições de vôlei feminino

Da Agência Estado - São Paulo

As equipes continuarão fortes e os campeonatos, tanto o Paulista quanto a Superliga, equilibrados e marcados por disputas de excelente nível técnico. É a expectativa de treinadores e jogadoras para a temporada 1998/1999 do vôlei feminino de clubes, apesar das mudanças ocorridas no mercado. Uniban/São Bernardo e BCN/Osasco estão entre os times que mais reforços contrataram. Mas a lista de bons times também inclui Leites Nestlé, Sportville/Universidade de Guarulhos (ex-Dayvit), Mappin/Pinheiros, Rexona e MRV/Minas.

A meio-de-rede Ana Paula, a única atleta de pontuação máxima (7) pelo ranking da Confederação Brasileira de Vôlei ainda disponível no mercado, pode jogar no Mappin/Pinheiros, que reduziu investimentos e terá um time mais fraco do que o da temporada passada. Manteve Cilene, Arlene e Carol e contratou Kerly, Kika e Bombom. Ana Flávia, que também é top no ranking, vai jogar no MRV.

No troca-troca do mercado a Uniban, do técnico William Carvalho, contratou as atacantes Virna, Ida e Patrícia Cocco. "Se estamos mais forte em relação a última temporada vários times estão fortíssimos", disse William. Outro que aumentou investimentos para ser forte é o BCN: contratou a norte-americana Danielle Scott (do Leites Nestlé), mais Gisele, Popó e Andréia Moraes. A atacante Márcia Fu, que estava na equipe, vai parar de jogar por uma temporada.

"A briga vai continuar equilibrada e seis ou sete equipes serão candidatas ao título nacional", avaliou Bernardo Rezende, o Bernardinho, técnico da seleção brasileira e do campeão da Superliga, o Rexona, que manteve a levantadora Fernanda Venturini e contratou Elizângela (ex-Marco XX e Walewska (ex-Minas). "Será uma equipe mais nova, mas ainda assim forte." A holandesa Erna vai para a Itália, o mesmo destino da atacante brasileira Hilma. As equipes italianas podem ter agora até seis estrangeiras.

O Leites Nestlé, do técnico Sérgio Negrão, ainda procura uma jogadora para substituir Danielle Scott no meio-de-rede e um reforço para as ausências de Karin e Leila, a nova contratada, no Paulista. As duas apresentam-se à seleção brasileira no dia 31 de julho para o Grand Prix.

Ana Moser, destaque do Sportville _ que ainda contratou Vera Mossa e deverá trazer duas russas _, joga uma parte do Paulista porque não vai ao GP com a seleção. "Me apresento em meados de setembro, para o Mundial do Japão", disse Ana, que também aposta no equilíbrio entre os clubes. "Várias peças mudaram de lugar, mas o equilíbrio da última temporada será mantido."