ASSASSINATOS

Aumenta o número de execuções em Cuiabá

Só nos três primeiros meses de 98 cerca de 61 pessoas foram assassinadas

ADILSON ROSA
Da Reportagem

Nunca se matou tanto na capital como no início deste ano. Pelo menos 61 pessoas foram assassinadas nos primeiros três meses de 98 em Cuiabá e Várzea Grande, numa média de dois homicídios a cada dois dias. Esse índice é considerado alto se comparado com o mesmo período dos dois anos anteriores e praticamente dobrou em relação ao primeiro trimestre de 1.996.

No ano passado, de janeiro a março, 36 pessoas foram executadas, a maioria a tiros. Os números são do Comando de Policiamento da Capital CPC) da Polícia Militar. Foram registrados 223 casos em 96, contra 206 do ano passado e 210 neste ano. Esses números eqüivale a três casos diários.

Outro número surpreendente das estatísticas do CPC se referem às tentativas de suicídios. Há dois anos, foram registrados 21 casos. Isso significa que uma pessoa se tentou matar a cada cinco dias em Cuiabá e Várzea Grande. No primeiro trimestre deste ano, o índice caiu pela metade. O CPC não divulgou o número de suicídios, mas segundo a estimativa da polícia é um número "preocupante".

O comandante do CPC, tenente-coronel PM Orestes Oliveira, explicou que faz blitze diárias em vários bairros da capital, revistando ônibus e transeuntes, além de veículos.

"Nosso trabalho visa o desarmamento e combater o tráfico de drogas. Os resultados estão satisfatórios", explicou. Numa das últimas blitze, na região do bairro Pedra 90, foram apreendidas 12 armas numa residência.

Para o delegado Roberto de Almeida Gil, da Coordenadoria Operacional da Secretaria de Segurança Pública, não há como fazer um trabalho preventivo para diminuir o número de assassinatos. "Não há como evitar um homicídio", explicou.

Segundo o delegado, o homicídio é um crime difícil de ser evitado. Ele explicou que uma das formas de diminuir esse índice é o controle de armas. "Mas se alguém quiser matar, pega um pedaço de pau ou qualquer outro objeto. Outro problema é o álcool e as drogas", acrescentou.

Os números batem com as observações do delegado Gil. A maioria dos assassinatos ocorridos no primeiro trimestre deste ano ocorreram em bairro periféricos _ na região da Grande CPA _ ou na região do bairro Pascoal Ramos, englobando Osmar Cabral, Jardim Fortaleza e, principalmente, Pedra 90.

Foram assassinatos a tiros ou a golpes de faca ocorridos em residências ou bares nos finais de semana. O bairro Pedregal está surpreendendo. Foram registrados quatro execuções, a maioria envolvendo tráfico de drogas.


DUPLA EXECUÇÃO

Polícia Civil não descarta crime passional

Da Reportagem

A polícia não descarta a hipótese de um crime passional na dupla execução ocorrida na Chácara Mangueiral, no distrito da Guia, na madrugada do último domingo. Nesse crime, o agricultor Luis Antônio Pereira, 43 anos, foi executado com três tiros no tórax e seu esposa, a doméstica Cleusa de Araújo Gonçalves, 25 anos, foi assassinada com quatro tiros e seis facadas.

De acordo com as investigações, o ex-marido de Cleusa havia ameçado o casal de morte no início dos anos 90. "Em investigação, não podemos descartar hipóteses enquanto não descobrir os culpados", comentou o delegado Waldeck Duarte Jr., responsável pelo caso.

O delegado confirmou que o chacareiro teve passagens pela polícia. Há 15 anos, Pereira cumpriu pena nos presídios do estado de São Paulo. "Mas não temos informações sobre alguma irregularidade que ele teria cometido por aqui. A família disse que ele (o agricultor) não tinha rixas", explicou.

Segundo a polícia, três homens armados e ocupando um fusca estiveram na chácara algumas horas antes do crime e foram recebidos pela vítima que teria aberto a porta.

O agricultor estava armado com um espingarda calibre 22, mas na hora

em que convidou os criminosos para conversar, teria abaixado a arma. O duplo homicídio com requintes de crueldade aconteceu provavelmente de madrugada e foi presenciado pelos três filhos do casal, sendo um deles, de 7 anos. Na casa, há indícios de que o agricultor tenha sido arrastado para fora e que tenha atirado no veículo.

O Vw Fusca, placas JYO 2701, foi apreendido no domingo de manhã próximo ao Motel Álibi. O automóvel estava com a porta do motorista crivada de balas. Dentro do veículo foram apreendidos vários cartuchos calibre 20.


JULGAMENTO

Garimpeiro pega 12 anos de prisão

Da Reportagem

O garimpeiro Edilson Rodrigues Pereira, o "Neguinho", 35 anos, foi condenado a 15 anos de prisão pelo assassinato do ex-gerente de tráfego da Tut Transportes, Antônio Calixto Ormond. O crime aconteceu no dia 14 de dezembro de 1.996 em frente ao residencial São Carlos, em Várzea Grande. Inicialmente, Neguinho deverá cumprir a pena em regime fechado.

A vítima e a esposa caminhava pela avenida próxima ao Aeroporto Marechal Rondon, num Sábado à noite, quando foram inteceptados por um motoqueiro que carregava o garimpeiro na garupa. Em seguida, atirou vários vezes acertando um tiro na nuca de Ormond. O revólver foi jogado próximo a localidade da Ponte de Ferro, em Cuiabá.

Neguinho foi julgado anteontem à tarde no Fórum Criminal de Várzea Grande. Preso em abril do ano passado e acusado de mais cinco crimes, Neguinho foi reconhecido por testemunhas no assassinato de Ormond. De acordo com investigações, o crime foi encomendado e teria recebido R$ 1.000,00 pela execução.

O garimpeiro poderá ter a pena ampliada e ficar mais tempo atrás das grades. É que na semana passada ele foi denunciado pelo assassinato do fazendeiro e advogado Diogo Gomes Bezerra ocorrido em agosto do ano passado.

Além dele, o Ministério Público denunciou o presidiário Domingos Sávio Metelo, o "Tim", 35 anos, e o desempregado José Roberto dos Santos Silva, O "Zé Boquinha", 24 anos. Eles deverão ir a julgamento no próximo ano.


INSCRIÇÕES

Polícia abre concurso com 400 vagas

Da Reportagem

Quem pretende ser policial civil deverá apresentar, além de documentos pessoais, a carteira de motorista. As inscrições para o concurso de ingresso na Polícia Civil já foram abertas e vão até o final do mês. São 300 vagas para agente e 100 para escrivão que não precisa saber dirigir. A maioria das vagas são para as delegacias de Cuiabá e Várzea Grande.

Segundo o delegado Regional de Cuiabá, Ezir Alves de Almeida, o policial deverá dirigir os carros onde será lotado. "Antes da aprovação do estatuto da Polícia Civil, havia o cargo de motorista que agora foi extinto. Hoje o policial civil dirige como qualquer outro policial", explicou.

Segundo o delegado, há uma grande procura por informações. "Muita gente liga querendo saber detalhes e fica de fazer a inscrição posteriormente", completou.

Além de pagar uma taxa de R$ 30,00, o candidato deverá ter 21 anos e também o Segundo Grau completo. Não serão aceitas carteiras de motorista classe A.

Para o cargo de escrivão, o candidato deverá ser datilógrafo. As inscrições poderão ser feitas em qualquer Delegacia de Polícia de Mato Grosso.


JUIZ AFIRMA

Situação na cadeia é de tranquilidade

CLARICE NAVARRO DIÓRIO
Da Sucursal de Cáceres

O juiz corregedor dos presídios José Mauro Bianchine, da Comarca de Cáceres, informou ontem que a situação entre os presos da cadeia local já é de tranquilidade, e nenhum fato novo deve surgir hoje. É que nesta sexta-feira termina o período acordado entre o judiciário e uma comissão de presos, para que as reclamações feitas pelos presidiários fossem verificadas pelo juiz corregedor.

O juiz Bianchine informou que dos 12 presos que reclamaram de atrasos na tramitação dos processos, apenas dois tinham razão. Outra reclamação, referente a qualidade da comida servida no presídio, também não procede, segundo o juiz, que experimentou os alimentos servidos e visitou de surpresa a empresa responsável pela entrega diária dos "marmitex". "Posso garantir que eles recebem refeições de boa qualidade"- concluiu. Quanto ao atendimento médico, será feito pela prefeitura, através da Secretaria Municipal de Saúde, com uma revisão geral, em todos os detentos, dos quais muitos apresentam sintomas de virose.

Ainda em relação as reclamações, o juiz Mauro Bianchine informou que a visita continuará sendo de apenas uma pessoa, "pois a estrutura física deficiente do local não permite um número maior de visitantes".

A cadeia, que foi quebrada e incendiada pelos 82 detentos que se encontram no local, cuja capacidade é para 45, continua do mesmo jeito, com a segurança sendo reforçada pela Polícia Militar. Ontem, o delegado regional Milton Teixeira esteve reunido com autoridades da área de segurança, em Cuiabá, expondo o problema e pedindo providências.

O juiz corregedor, que tem em mãos o pedido de interdição da cadeia proposto pelo Ministério Público e pela direção do presídio, afirmou que o assunto está sendo estudado com cuidado. "A insatisfação dos presos, na verdade, é gerada pelo problema da superlotação e pela falta de defensoria pública, criada pelo governo anterior, com a instalação prometida pelo governo atual, que já está para concluir seu mandato mas ainda não cumpriu a promessa" - afirmou.

Nos últimos seis meses, mais de vinte fugas aconteceram na cadeia de Cáceres. Em um telhado, o buraco usado por fugitivos ainda não foi consertado. A cadeia funciona em um prédio localizado no centro da cidade, em área residencial, e a vizinhança vive em constante clima de temor.