MÚSICA

Em busca das origens sertanejas

‘‘Adoro a idéia de lembrar canções belíssimas como Luar do Sertão, Romaria e Trenzinho Caipira’’

Da AJB – Salvador

 Maria Bethânia quase nunca se afasta da casa da Estrada de Canoas, São Conrado, zona sul do Rio de Janeiro. Raramente ocupa o endereço em Salvador — um velho casarão, restaurado, encarapitado no bairro Gamboa de Cima, de onde se pode apreciar a beleza da Bahia de Todos os Santos.

É lá que, por conta de uma série de compromissos na capital baiana, ficará até o dia 16. Bethânia foi a Salvador para participar do 6º Panorama Percussivo Mundial (Percpan) e, junto com o irmão Caetano Veloso, fazer show comemorativo dos 450 anos de Salvador, na Praça Castro Alves.

Da agenda da cantora faz parte ainda a gravação do clipe da canção A Força que Nunca Seca (Chico César/Vanessa da Mata), que deu nome ao novo CD, que, lançado em março pela BMG, já vendeu 200 mil cópias. A seguir trechos da entrevista exclusiva da cantora.

 

Pergunta — Não lhe parece estranho, sendo cantora, participar de festival de percussão?

Maria Bethânia — A Força que Nunca Seca, meu novo disco, traz aspecto percussivo bem pronunciado. Convidei o baterista Marcelo Costa para fazer a direção rítmica e ficou uma coisa forte. Então quando Gilberto Gil e Naná Vasconcellos me convidaram para participar do Percpan, aceitei por querer me aproximar ainda mais do universo da percussão. No show, que foi uma coisa compacta, apenas sublinhei com a minha voz o talento e a exuberância rítmica dos instrumentistas da banda.

 

P - Em A Força, você volta o olhar para a origem interiorana, ao gravar, ou regravar, músicas que evocam sentimentos ligados ao sertão. Foi proposital?

Bethânia - Com certeza. Adoro a idéia de voltar à minha origem sertaneja, de lembrar canções belíssimas como Luar do Sertão, Azulão, Romaria, Trenzinho Caipira, tão caras a mim.

 

P - Comentou-se que a gravação de É o Amor, de Zezé Di Camargo, teria sido feita para atender ao pedido de Mariozinho Rocha, diretor artístico da Som Livre, que a queria, na sua voz, na trilha da novela Suave Veneno. O comentário procede?

Bethânia - Ninguém interfere na escolha do repertório dos meus discos. Posso até ouvir uma ou outra sugestão, mas dificilmente acato, até porque me deixo guiar por minha intuição. No caso de É o Amor, foi decisão minha, porque gostei dessa música desde a primeira vez que a ouvi.

 

P - Quer dizer que o Mariozinho não tem nada a ver com isso?

Bethânia - Imagina! Realmente ele ligou para mim, mas foi para perguntar se eu não gostaria de gravar Suave Veneno, o tema de abertura da novela, que é uma bela canção de Cristovão Bastos e Aldir Blanc. Disse que não poderia, porque não se encaixaria no repertório do disco. Mas a música acabou ganhando uma interpretação maravilhosa de Nana Caymmi.

 

P - Quando e onde você vai estrear novo show? Há nova turnê em vista?

Bethânia - A estréia será em junho no Palace, em São Paulo. Depois faço o Rio, e inicio nova turnê por várias capitais brasileiras (Brasília assistirá ao show em setembro, segundo Maria Luiza Jucá, empresária da cantora). E pretendo levar o show ao exterior.

 

P - Você declarou que adora cantar na Europa e que não faz muita questão de se apresentar, por exemplo, em Nova York. Por quê?

Bethânia - Não é que eu não goste de me apresentar em Nova York. Se é para fazer show num lugar como o Carnegie Hall, onde fui tratada como estrela, vou na hora. O que não aceito é ver a música brasileira, que é tão primeiro mundo quanto eles, ser desrespeitada por produtores aventureiros em shows sem a mínima estrutura.

 

P - Já há definição quanto ao repertório do show?

Bethânia - É certo que músicas do A Força que Nunca Seca vão entrar no roteiro, mas não é tudo. Amo trabalhar com a coisa da dramaturgia e costumo entregar essa parte ao Fauzi Arap, que voltará a me dirigir.

 

P - E como fica o projeto de remontagem de Rosa dos Ventos? Continua fazendo parte de seus planos?

Bethânia - Adoraria fazer de novo esse espetáculo. E o Fauzi, também. Mas só o remontaria, se fosse para levar às universidades e às praças públicas.


TELEVISÃO

A nova cara da TV Mundial

Da redação

Mais uma emissora entra em definitivo no circuito televisivo local. A TV Mundial/CNT, Canal 27, hoje funcionando no bloco A da Universidade de Cuiabá (Unic), estreou no mês passado, uma nova programação, com duas edições do Jornal da Mundial - JM 1a. e 2a. Edições, às 7 horas da manhã e ao meio dia, e mais um boletim diário, o Direto da Redação, que vai ao ar logo após o CNT/Jornal, além do programa "Sala dos Esportes", comandado pelo apresentador Macedo Filho, um dos mais dinâmicos jornalista da área dos esportes de Mato Grosso.

Inovando no visual dos cenários e investindo num jornalismo dinâmico e sério, o objetivo é, além de proporcionar uma melhor informação, procurar da melhor forma possível, solucionar através da notícia, os problemas de infraestrutura dos bairros da Grande Cuiabá, desta forma atender os reclâmos da população, tudo isso dentro da linha do jornalismo de resultado. Por outro lado, ou seja, na linha de programas de entretenimento, ocupar um nicho do mercado que anda meio esquecido no Estado: o regional. "Nossa meta é dar a TV uma nova cara, com o perfil de Mato Grosso. Para isso, nossas prioridades estão ligadas às questões que dizem respeito ao Estado, ao povo mato-grossense e, em especial, da Baixada Cuiabana que representa, nesse primeiro momento do projeto da Mundial, o seu público alvo", disse o superintendente da TV, Francisco Bello Galindo.

Mas esses não são os únicos diferenciais da TV Mundial. Ligada à Universidade de Cuiabá, sua concepção está integrada à filosofia e aos objetivos educacionais da UNIC, onde a extensão comunitária e a interação com sociedade caminham juntos.

Para o jornalista Eraldo Lima, diretor de Jornalismo da TV Mundial, foram justamente esses objetivos, além da proposta de trabalho apresentada pela direção da emissora, que se baseia num jornalismo de resultados, que chamaram a atenção da Rede CNT. "Integração", diz ele. "Nossa idéia é termos um contato direto com a Rede, enviando matérias, numa troca constante, que dará credibilidade e respaldo a nossa programação local e, ao mesmo tempo, estaremos mostrando, fora das fronteiras do Estado, o que é realmente Mato Grosso". Nesse sentido, já foram mantidos contatos com a Embratel e, encontra-se em vias de implantação, um sistema via Internet, para transmissão de textos.

Muitas outras novidades estão vindo pela frente, anuncia o diretor de Jornalismo da TV.

Com um equipe reduzida mas afinada e, buscando sempre atingir os anseios da comunidade, colocando no ar seus problemas, buscando soluções e cobrando ações por parte do poder público, a TV Mundial estará colocando em breve mais um programa no ar. "Será um programa de entretenimento - calçado no jornalismo -, seguindo uma tendência que já vem sendo adotada pelas grandes redes. O programa irá ao ar pela manhã, a princípio com duas horas de produção. Mais adiante, estaremos também com mais uma Edição do Jornal da Mundial, à noite. Nossa intenção é fechar a grade com 8 horas de programação local", diz Eraldo Lima.

Para atingir a todos os objetivos, a direção da TV Mundial tem um segredo: dar um passo de cada vez. "Estamos numa fase de estruturação do Jornalismo, que irá respaldar toda a nossa programação, num outro momento estaremos incrementando ainda mais essa programação".

Mas os investimento da direção da emissora não se restringiram apenas a uma programação diferenciada. As mudanças visuais de vinhetas e cenários fazem parte dessa restruturação da TV.

Com aproximadamente 22 metros de cenários, capacidade para a instalação de 12 a 13 cenários fixos e móveis, para o mesmo número de programas e quadros diferentes, a direção da emissora já está se preparando para adquirir equipamentos de ponta.

Já funcionando com imagem digitalizada ( hoje no Estado somente duas TVs possuem essa qualidade na sua transmissão, a TBO e a TV Mundial), em breve a emissora terá a disposição do seu público dois técnicos qualificados para atender o telespectador, nos ajustes necessários em seus transmissores.

Além de contar em seu quadro de pessoal, com dois técnicos a disposição para atender o telespectador, nos ajustes necessários em seus transmissores, a direção da televisão vai realizar uma campanha de mídia com o objetivo de massificar a idéia de que a TV Mundial é a grande alternativa em termo de programação local. "Para isso, vamos trabalhar com mídias convencionais e alternativas. O objetivo será o de mostrar à comunidade da Baixada Cuiabá, a opção que certamente seremos num futuro bem próximo, e com isso, como já dissemos, vamos ser uma televisão com a cara de Mato Grosso", destaca o jornalista Eraldo Lima.


Thamires Ferreira

Coco
Foi um acontecimento dos mais concorridos e movimentados dos últimos tempos. A homenagem recebida pelo diretor-presidente da Transbrasil, Paulo Enrique Coco, foi agraciado pelo Clube do Feijão Amigo em um jantar que reuniu cerca de 500 convidados, entre agentes de viagens, empresários, jornalistas e amigos. O evento transcorreu no salão do Hotel Porto do Sol, em São Paulo.

Coco II
Detalhe: o Clube do Feijão Amigo é presidido por Michel Tuma Ness, da Fenatour, e as homenagens feitas ao presidente da Transbrasil foram pelos relevantes serviços prestados ao trade de turismo e à aviação comercial brasileira.

Outros detalhes: Paulo Enrique está a frente de um processo de reestruturação da empresa, implantando grandes mudanças em sua malha e na administração, com vistas a alcançar 25% de participação no mercado nacional (market-share), no ano 2000. A empresa está ampliando a qualidade e eficiência de seus serviços e contando, para alcançar esse objetivo, com o apoio e a colaboração dos funcionários, dos agentes de viagens e dos meios de comunicação. Por isso, e muito mais que a Transbrasil, vem fazendo um excelente trabalho perante seus clientes.

Chapada, mon amour
Mais uma fez a Chapada dos Guimarães, na Semana Santa Santa foi um sucesso só. Trata-se dos eventos realizados durante todo o final de semana, que agitou os quatro cantos daquele paraíso ecológico.

A mais nova casa do momento em Chapada tem o nome de Armazen Café & Cachaçaria. Um verdadeiro bistrô francês pertencente a mesma família Kassab, dono da mais nova casa noturna de Cuiabá, a "Morro de Santo Antônio", que, por sinal, inaugura nesta quarta-feira, na avenida Isaac Póvoas. Os cuiabanos descolados freqüentadores da noite irão conhecê-la por inteiro.

A crise brasileira não parece ter influenciado os consumidores brasileiros em Chapada. Todos os ambientes gastronômicos ficavam lotados de pessoas de todos os recantos do Brasil.

Pra variar, a mania continua sendo o Mirante, um local onde todos vão curtir a aurora, tudo muito bonito e deslumbrante. Todos os chique marcaram presença. E como a natureza foi maravilhosa em presentear os mato-grossenses com aquele paraíso. Portanto, tanto faz ir à Ilha de Páscoa ou na região de Santiago de Compostela, na Espanha ou em Chapada dos Guimarães. Tudo parece saído da mesma forma e faz o mesmo efeito. Uma energia positiva jamais sentida em outros lugares.

A novidade em Chapada dos Guimarães _ mais precisamente na rodas que se formava _ foi o tradicional Festival de Inverno, que após um ano no esquecimento, promete fervilhar neste ano com uma programação fantástica. Tudo indica que os organizadores irão realizar um evento à altura. E que a divulgação não fique só em Mato Grosso.

Detalhe: gostaríamos que a desse festival movimenta-se pelo menos 40% de turistas brasileiros e estrangeiros. Em parte, por causa do aumento de dinheiro que circula na cidade. E quem ganha é a população, com o aumento de empregos diretos e indiretos.

O hit no quesito evento, do último fim de semana na Chapada foi o 1o Cozidão Santo, realizado por este colunista, Fernando Baracat e Sami Kassab. Foi um show de pessoas bonitas ricas a famosas. Apesar de tratar do primeiro evento desse tipo, reunimos no em torno de 500 pessoas no almoço, que teve só elogios.

Como qualidade de convidados VIPs era muito grande. Fica difícil citar nomes. Poderíamos cometer uma injustiça e esquecer. Com certeza já virou tradição.

O grande sucesso do desfile da noite ficou para top e atriz Monique Evans que, apesar da idade deu um show de beleza e charme. O tititi da passarela, no sábado a noite em Chapada, foi os manequins de Cuiabá, que deram um show na passarela. Literalmente. Sem sombra de dúvidas, foram elas que roubaram todas as atenções. Em destaque, as irmãs Miriane e Cristine Saddi Becker, Carol Lampert, Carol Mattar e o modelo Claudio Marchi, entre outros. Eles apresentaram a coleção outono/inverno 99. O Festival fashion abriu um espaço de integração de moda criando mais uma oportunidade para nova geração de modelos mostrar seu trabalho.

Três grandes lojas foram convidadas a fazer uma intervenção fashion. Elas apresentaram as tendências da nova estação. São elas: a Ady Boutique, La Loup, Dom Manuel e Tribo dos Pés.

A produção ficou a cargo do consagrado produtor de moda Edson Guilherme, que mais um a vez mostrou por que veio. O cenário todo em branco transmitia a paz. A idéia foi passar uma tranqüilidade e uma leveza das roupas.

Quem assinou o cenário foi o jovem Euzaidem, um grande artista. Maquilagem, do modernissímo Luiz Blanco, e cabelo Joana D’Arc Couffeur.

Como ninguém é de ferro, após o desfile, todos foram apressadamente até a Lagoa das Conchas para participar da Festa Mystic. O sucesso foi geral. Mais de 2.000 pessoas marcaram presença nesse agito comandando por Edson Guilherme, Messias Bruxo, Valdomiro Arruda e Carlina Jacob. Todos adoraram. Um sucesso só.

Em tempo: a Chapada dos Guimarães continua sendo o point dos mais descolados de todo o mundo. Para finalizar não poderíamos deixar de esquecer de comentar sobre o Hotel Pousada da Chapada, onde ficamos hospedados e muito bem acomodados. Com nova direção já virou a sensação nas temporadas de feriados e final de semana prolongado. É um lugar MA-RA-VI-LHO-SO.

 

Tela nova
É hoje, a partir das 19 horas, a inauguração das novas instalações da TV Cidade Verde, no Jardim Itália. Este colunista esteve lá, dias antes, acompanhado da colega Nayd Leal para conferir. Tudo que há de mais moderno com equipamentos de última geração. O diretor superintendente Luiz Carlos Becare e o diretor comercial e administrativo Carlos Alberto Lourenço recepcionam os convidados, com direito à cock tail. Entre os convidados estão políticos e empresários locais. O evento marca também a inauguração da mais nova estação de rádio da capital, a Rádio Transamérica FM, pertencente ao mesmo grupo. No comando da caçulinha das FMs, a maravilhosa Mônica Gheno.