NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 15 de Julho de 2020
AGRONEGÓCIOS
Quinta-feira, 14 de Maio de 2020, 08h:30

RECORDES

Soja 2019/20: MT fecha ciclo com 10% da oferta mundial

Conforme balanço do Imea, Estado consolida produção total de 34,96 milhões de toneladas

MARIANNA PERES
Da Reportagem

A safra 2019/20 de soja, em Mato Grosso está consolidada. Além da confirmação de novos recordes em área plantada e produção, o ciclo fechou com a maior produtividade da história estadual.

Com tantos indicadores superlativos, que comprovam a excelência mato-grossense na produção da oleaginosa, os dados contabilizados revelam a maior das conquistas: Mato Grosso – apenas uma das 27 unidades federativas do Brasil - é, atualmente, responsável por 10,34% de toda a soja ofertada no mundo, volume estimado em cerca de 338 milhões toneladas (t).

Conforme balanço realizado pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), o Estado consolidou uma produção total do de 34,96 milhões/t, montante 7,58% maior que o registrado na safra anterior (2018/19).

Este valor, comparado aos dados de produção mundial (USDA), equivale a 10,34% de toda a soja produzida, demonstrando a importância de Mato Grosso como grande fornecedor de alimentos global, conforme destacam os analistas.

Com o término da colheita da soja no Estado, o Imea realizou a quarta estimativa para a safra de soja 2019/20 mato-grossense.

A atualização traz a consolidação da safra, com a área analisada via sensoriamento remoto e a produtividade determinada através de diferentes metodologias.

Dessa forma, confirmou-se a maior safra da história de Mato Grosso, resultado do aumento da área cultivada e de condições climáticas favoráveis durante o ciclo da cultura, que permitiram o bom desenvolvimento da soja e o bom rendimento médio na colheita.

A área final da safra 2019/20 foi calculada em 9,85 milhões de hectares (ha), aumento de 1,91% em relação à safra 2018/19, o equivalente a incorporação de 184,83 mil hectares nesta temporada.

Dentre as regiões que apresentaram maior incremento de área em percentagem destacam-se a região norte, com um aumento de 12,07%, a região Nordeste (3,21%) e a Noroeste (2,65%).

“O crescimento da área semeada é decorrente, principalmente, da conversão de áreas de pastagem em agricultura, movimento que vem se intensificando nos últimos anos nessas regiões características de pecuária”.

RENDIMENTO - A chuva ocorrida em épocas de maior necessidade para a cultura e a luminosidade adequada nesta safra foram os fatores que potencializaram a maior produtividade da história da soja em Mato Grosso na temporada 2019/20.

De maneira geral, ocorreram poucos problemas com pragas e doenças, em relação aos anos anteriores, e o bom manejo do produtor a campo garantiu que o Estado pudesse fechar o ciclo com um rendimento médio de 59,16 sc/ha.

Este valor fica 5,56% acima do registrado no ano anterior e é 3,35% maior que a produtividade percebida na safra 2017/18, até então considerada a maior da série histórica local.

OFERTA - Assim, com o aumento na área cultivada e da produtividade, a produção para esta safra é consolidada pelo Imea em 34,96 milhões de toneladas, 7,58% a mais em relação à safra passada, representando um recorde novo ao Estado.

COMERCIALIZAÇÃO – As vendas de soja da safra 2020/21, ainda a ser plantada no Estado a partir de setembro, registraram em abril um novo patamar. Cerca de 37% da produção estimada estão comercializadas de forma antecipada.

O Estado nunca havia registrado números tão avançados para este período anteriormente.

Os volumes negociados registraram avanço de 7,02 p.p., fundamentados pelo novo patamar nos preços da oleaginosa, que estimula os produtores a negociarem o seu produto mais precocemente nesta temporada.

Já em relação à produção da safra atual, a 2019/20, Mato Grosso fechou abril com 88,98% das mais de 34 milhões de toneladas colhidas, comercializadas. Este é o segundo maior patamar alcançado para este período em toda a série histórica, ficando atrás apenas da safra 2011/12, que registrava 94,15% do total vendido.

O avanço de 7,09 p.p. na comercialização de abril em relação a março pode ser justificado pela valorização do dólar ante o real (8,97% na média mensal), que sustenta as negociações com preços atrativos ao mercado externo, de modo que o preço médio negociado ficou em R$ 87,60/sc, alta de 6,81%.

Ampliando a margem de comparação, a valorização da soja mato-grossense, à reboque da variação cambial, chega a 49%, na comparação anual, já que há um ano, o preço médio apurado pelo Imea era de R$ 59,90.

PROJEÇÃO 2020/21 – A primeira estimativa de produção de soja no Estado para a nova safra, também realizada pelo Imea, aponta para aumentos na área destinada à cultura, mas deverá ser um ciclo sem novos recordes de produtividade e nem de produção.

O Imea levantou as intenções de cultivo de soja pelos produtores na próxima safra e buscou a perspectiva do mercado nas microrregiões do Estado.

Considerando o panorama econômico atual, a expectativa é de que ocorra um aumento da área de soja acima do percebido nos últimos quatro anos, alcançando 10,07 milhões/ha. Se confirmada a projeção, o ciclo 2020/21 estará 2,26% acima da área registrada na última safra.

Esta expectativa é justificada, entre outros fatores, por: recorde de produtividade da safra anterior (2019/20), patamar recorde de preços para a safra 2019/20 e 2020/21, negociações da produção futura (e dos insumos) em nível superior ao percebido nos últimos anos, melhoras logísticas no Estado e, por fim, a existência de vasta área de pastagem com boas condições de solo e clima para ser convertida em agricultura, segundo os analistas.

Ainda como chamam à atenção, o aumento de área está estimado, principalmente, nas regiões em que a pecuária mais prevalece, como na região norte e nordeste.

Já a produtividade da safra 2020/21 ficou estimada em 57,48 sacas/hectare, 2,83% menor que a consolidada na safra 2019/20, porém em direção para ser a segunda maior produtividade da série histórica do Imea.

Com o resultado dos últimos anos, percebe-se que o Estado alcançou outro patamar de produtividade.

“Para recordar, entre 2007/08 e 2016/17 (intervalos de 10 anos) a produtividade de Mato Grosso girava em torno de 50 sacas/hectare, devido, principalmente, à elevada representatividade de áreas novas para o cultivo, que pressionavam os índices produtivos do Estado. Já nos últimos anos o aumento de área foi menor, possibilitando a consolidação do plantio direto que, aliado ao bom manejo do produtor e à tecnologia disponível, possibilitou às lavouras atingirem níveis de produtividade acima de 55 sacas/hectare. Porém, com o resultado recorde da safra 2019/20 (o que deixa o produtor mais confortável para o planejamento da próxima safra), aliado à comercialização de insumos adiantada para a safra 2020/21 e à tecnologia crescente nas fazendas, espera-se que o rendimento médio em Mato Grosso alcance patamar acima de 57 sacas/hectare no próximo ano”, acrescentam os analistas do grão.

Assim, com o aumento na área cultivada e na produtividade considerada para as lavouras mato-grossenses, a primeira estimativa de produção para a safra 2020/21 aponta para 34,74 milhões/t, 0,64% menor que a atingida na temporada anterior, mas podendo ser a segunda maior produção da história.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O que você acha da decisão da CPI do Paletó de pedir o afastamento do prefeito?
Ele tem que ser afastado
Ele tem que ser cassado
Ele é inocente
Tanto faz
PARCIAL